terça-feira, 29 de dezembro de 2015

813 - Vamos resgatar nossas crianças!

Você sabia...
... que a cada 15 minutos uma criança desaparece no Brasil?
... que cerca de 250.000 crianças estão desaparecidas no país hoje?
... que os maus-tratos são a principal causa de fugas e sumiços das crianças?
... que, no mundo, mais de 20 milhões de crianças são traficadas anualmente, principalmente para trabalho escravo e exploração sexual?
Algumas medidas protetivas:
- Ensine à criança seu nome completo e o número de telefone de seus responsáveis
- Ensine a criança a não fornecer informações pessoais e familiares a estranhos
- Ensine a criança a não falar ou sair com pessoas desconhecidas
- Faça a carteira de identidade da criança o mais cedo possível
- Fique atento ao que a criança acessa na internet
- Procure conhecer os amigos dos seus filhos (e a família desses amigos)
- Não deixe crianças pequenas brincarem sem a supervisão de um adulto responsável
- Esteja sempre presente e participe das atividades da vida dos seus filhos
O que fazer diante de um caso de desaparecimento infantil:
- Imediatamente comunique à polícia e registre um Boletim de Ocorrência. De acordo com a Lei 11.259/2005, a busca policial se inicia logo após o recebimento da denúncia
- Disque 100 (serviço 24 horas)
- Divulgue fotos recentes da criança desaparecida na TV, jornais, redes sociais, shoppings, supermercados, escolas, pontos de ônibus, rodoviárias, aeroporto, igrejas
- Busque orientação junto ao Conselho Tutelar de sua região
Sites
www.criancasdesaparecidas.org
www.desaparecidos.gov.br
www.maesdase.org.br
acoessociais@portalmedico.org.br - e-mail CFM

sábado, 26 de dezembro de 2015

812 - No próprio pé

Dos 69 111 casos de feridas não fatais por armas de fogo, atendidas nos serviços de urgência hospitalares dos Estados Unidos, no período de 1993 a 2010, 667 (1,0%) foram por disparos auto-infligidos no pé. Destes, 597 dos pacientes (89,6%) eram homens e 345  (51,7%) tinham a idade entre 15 e 34 anos.
A regressão logística indicou que os indivíduos mais propensos a atirar no próprio pé eram do sexo masculino (OR, 1,28; 95% CI, 1,0-1,7) e casados ​​(OR, 2,6; 95% CI, 2,1-3,4).
Incidências de tiro no próprio pé foram mais comuns em outubro, novembro e dezembro.
https://www.mja.com.au/journal/2015/203/11/americans-shooting-themselves-foot-epidemiology-podiatric-self-inflicted-gunshot
Os Estados Unidos são o lar de cerca de um terço de todas as armas de fogo que existem no mundo, com 90 armas para cada 100 cidadãos americanos. Portanto, não é surpreendente que as feridas por bala (inclusive no próprio pé) estejam entre as principais causas de acidentes no país.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

811 - China em alerta vermelho por causa da poluição

Esta foi a segunda vez em menos de um mês. Uma grande área, do centro até o leste da China, encontra-se em alerta vermelho por causa da grande poluição aérea.
Na capital chinesa, a densidade das partículas PM 2.5 – as mais finas e suscetíveis de se infiltrar nos pulmões – aproximou-se nos últimos dias dos 450 microgramas por metro cúbico. E a Organização Mundial da Saúde estabelece o máximo de 25 microgramas para que o ar seja considerado saudável.
A revista The Economist diz que respirar o ar de Pequim pode ser equivalente a fumar 40 cigarros por dia.

Por isso, tem gente vendendo ar. Como a empresa Vitality Air que vende garrafas de alumínio com ar puro comprimido das montanhas canadenses. Apesar do preço (custam até 200 reais a unidade). os chineses acabaram com o estoque dessa empresa e ainda fizeram uma lista de espera.
E não foi a primeira vez que alguém lucrou vendendo ar para eles. Em 2013, um empresário chinês ficou milionário vendendo ar em latinhas por 3 reais cada. Em apenas 10 dias, ele vendeu 10 milhões de latas.

domingo, 20 de dezembro de 2015

810 - É verão!

Inicia-se hoje no hemisfério sul da Terra (e no Brasil) o verão - estação a findar em 20 de março de 2009. E cujos dias são mais longos (daí a mudança no horário) e... mais quentes.
Não faltando quem queira se aproveitar da situação. Para conseguir tatuagens (ver imagens) com a exposição da pele à irradiação solar, a qual incide com maior intensidade sobre a superfície terrestre durante os dias de verão.
Atenção
Não tente fazer isto no terraço de casa (nem na praia). Essas tatuagens feitas pelo sol não passam de queimaduras e aumentam os riscos para os cânceres de pele.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

809 - Guerrilha urbana

Celina Côrte Pinheiro
médica ortopedista e traumatologista
celinacps@yahoo.com
É simplório considerar que os itens de segurança devam ser desprezados para que não ocorra a redução de adeptos
Há cerca de duas décadas, o uso das bicicletas passou a ser revigorado nas cidades brasileiras como mais uma possibilidade de exercício. A princípio, grupos organizados circulavam em horários de menor movimento nas ruas e rodovias. Mais recente é o estímulo à prática do ciclismo com vista não apenas ao lazer, mas também à melhoria da mobilidade urbana com preservação ambiental.
Na cidade de Fortaleza, também incluída neste processo de deslocamento com redução de poluentes, construíram-se as ciclofaixas e ciclovias, algumas improvisadas em ruas já estreitas para o tráfego habitual. Distribuídas em vários pontos da Cidade, buscam proteger os adeptos do esporte; contudo, por si só não bastam. Educar é preciso, embora bem mais difícil do que se adequar às tendências da modernidade.
Motoristas e motociclistas devem ter em mente a vulnerabilidade dos ciclistas, respeitando as ciclofaixas e trafegando com menor velocidade, fator inegável na redução de riscos. Por sua vez, os ciclistas devem se acercar de medidas protetivas pessoais. Capacetes, tênis, luzes, campainhas, espelhos retrovisores, luvas e coletes reflexivos são equipamentos mínimos para proteção dos ciclistas e visualização dos mesmos por terceiros. Há atropelamentos decorrentes da quase invisibilidade do ciclista, sobretudo em ruas mal iluminadas.
É simplório demais considerar que os itens de segurança devam ser desprezados para que não ocorra a redução do número de adeptos do ciclismo. A segurança e a educação devem estar atreladas à nova tendência, visando à redução do número de atropelamentos, com ou sem óbito. Quando há vítimas, a repercussão pessoal, social e financeira é bem maior do que se pode aquilatar.
Caso não ocorra conscientização dos riscos, respeito à vida e mudança de comportamento de todos os envolvidos nesta guerrilha urbana em que não há vencedores, a violência no trânsito tenderá a um incontrolável crescimento. O temor aos acidentes, este, sim, reduzirá o número de praticantes do ciclismo. Medidas adequadas e urgentes devem ser tomadas para coibir o aumento do número de vítimas do trânsito e reduzir a gravidade dos acidentes. A violência no trânsito já se constitui um sério problema de saúde pública e devemos nos esforçar para não torná-la ainda mais grave por omissão em um trânsito caótico, desrespeitoso e agressivo. E os pedestres, como ficarão nesta insana disputa por espaço e poder?
Artigo publicado no jornal O Povo (Opinião), em 15/12/2015 
Poderá também gostar de ler
CICLISMO. A discussão sobre capacetes
BICICLETA. Novos conceitos
Citações sobre a bicicleta
O homem que viveu em sua bicicleta
640 - Por que os médicos estavam tão preocupados com o "rosto da bicicleta"?

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

808 - A epidemia revivida

No verão de 1977, uma epidemia de gripe começou a se espalhar na China. No outono, através da Rússia, e, durante o inverno, ela se alastrou no hemisfério Norte. Isso foi considerado "normal", é claro. O inverno é a estação de gripe, e não era uma gripe forte como costuma acontecer nessa estação. A doença afetava principalmente as pessoas com menos de 25 anos.
Tudo parecia "normal", até que os virologistas tiveram a oportunidade de analisar o vírus. Foi quando ficaram perturbados e, também, logo entenderam por que o vírus só vinha afetando as pessoas jovens. O que eles estavam vendo não era um tipo de vírus que esperavam ver: uma variante ligeiramente mutante da gripe que havia circulado no mundo nos últimos 12 meses. Em vez disso, o vírus era quase idêntico à uma cepa de vírus que não era vista na natureza há mais de 20 anos.
Foi por isso que as pessoas com mais de 25 anos não adoeceram: elas tinham desenvolvido imunidade a essa gripe muito anteriormente. De igual modo, foi por isso que as pessoas com menos de 25 anos adoeceram: eles nunca haviam tido a oportunidade de ter esta gripe, seja como uma infecção natural ou como componente de uma vacina.
A única forma de uma cepa de gripe considerada extinta poder reaparecer, segundo eles, seria se ela estivesse preservada no congelador de algum laboratório e, acidentalmente, houvesse retornado à natureza.
http://goo.gl/U40ta6

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

807 - Efeitos do tabagismo passivo na morbidade da asma

 O tabagismo passivo (TP) pode desencadear exacerbações da asma em crianças. Diferentes estudos têm relacionado o aumento dos sintomas da asma, o uso dos cuidados de saúde e as mortes em crianças expostas ao tabagismo passivo, mas o risco não foi quantificado de maneira uniforme em todos os estudos.
O objetivo deste estudo, publicado no Annals of Allergy, Asthma and Immunology, foi realizar uma revisão sistemática e meta-análise para avaliar e quantificar a gravidade da asma e a utilização dos cuidados de saúde em crianças expostas ao TP.
Uma revisão sistemática foi realizada para avaliar a associação entre a gravidade da asma em crianças e o TP. Os critérios de inclusão incluíram os estudos que avaliavam as crianças com exposição ao TP e relatavam os desfechos de interesse como a gravidade da asma, incluindo as exacerbações. Os modelos de efeitos aleatórios foram usados para combinar os resultados de interesse (consultas no pronto socorro ou internações, sintomas graves de asma, sibilância e provas de função pulmonar) dos estudos incluídos.
Um total de 1.945 estudos foram identificados e 25 estudos preencheram os critérios de inclusão. As crianças com asma e exposição ao TP tiveram duas vezes mais chances de internação por asma (odds ratio [OR] 1,85, 95% intervalo de confiança [IC] 1,20-2,86, P = 0,01) do que as crianças com asma, mas sem exposição ao TP. A exposição ao TP também foi significativamente associada com as consultas no pronto socorro (OR 1,66, IC 95% 1,02-2,69, P = 0,04), com a sibilância (OR 1,32, IC 95% 1,24, 1,41, P <0 nbsp="" p="">Os pesquisadores concluíram que as crianças com asma e exposição ao TP possuem quase duas vezes mais chances de internação por exacerbação da asma e são mais propensas a ter pior prova de função pulmonar.
Fonte: Efeitos do tabagismo passivo na morbidade da asma e na utilização dos cuidados de saúde em crianças: uma revisão sistemática e meta-análise, Annals of Allergy, Asthma and Immunology
Autores: Wang Z, May SM, Charoenlap S, Pyle R, Ott NL, Mohammed K, Joshi AY.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

sábado, 5 de dezembro de 2015

805 - A questão do café

Boston, MA - Pessoas que bebem de três a cinco xícaras de café por dia podem ser menos propensos a morrer prematuramente por algumas doenças do que aqueles que não bebem ou bebem menos café, de acordo com um novo estudo por pesquisadores da Harvard T.H. Chan School of Public Health.
O estudo é: "Associação de Consumo de Café com a Mortalidade Total e por Causas Específicas em Três Grandes Coortes Prospectivas", Ding Ming, Ambika Satija, Shilpa N. Bhupathiraju, Yang Hu, Qi Sun, Walter Willett, Rob M. van Dam, Frank B. Hu, Circulation on-line, 16 de novembro de 2015.
Os autores e sua instituição fizeram um vídeo para informar ao público de que a questão do café agora tem resposta:
O consumo de três a cinco xícaras de café por dia pode reduzir o risco de morrer por:
  • doença cardiovascular
  • doença de Parkinson
  • diabetes tipo 2
  • suicídio

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

804 - A relação entre DPOC e câncer de pulmão

Destaques
• A DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica) é um fator de risco para câncer de pulmão além de sua etiologia compartilhada.
• Ambos são accionados por estresse oxidativo.
• Ambos estão ligados ao envelhecimento celular, senescência e encurtamento dos telômeros.
• Ambos têm sido associados a predisposição genética.
• Ambos mostram regulação epigenética da expressão do gene alterado.
The relationship between COPD and lung cancer, Lung Cancer Journal
http://dx.doi.org/10.1016/j.lungcan.2015.08.017

domingo, 29 de novembro de 2015

803 - MS confirma relação entre vírus zika e microcefalia

O Ministério da Saúde confirmou ontem (28) que existe relação entre o vírus zika e os casos de microcefalia na região Nordeste do país. Segundo nota divulgada pela pasta, exames feitos em um bebê nascido no Ceará com microcefalia e outras malformações congênitas revelaram a presença do vírus em amostras de sangue e tecidos.
O resultado enviado pelo Instituto Evandro Chagas revelou, segundo o ministério, "uma situação inédita na pesquisa científica mundial".
O governo assegurou que vai dar continuidade às investigações para descobrir quais as formas de transmissão, como o vírus atua no organismo e qual período de maior vulnerabilidade para a gestante. Em análise inicial, o risco está associado aos primeiros três meses de gravidez.
Diante dessa declaração a expectativa é que sejam redobradas ações nacionais para combater o mosquito transmissor, o Aedes aegypti, responsável pela disseminação da dengue, zika e chikungunya.
Está sendo fortemente recomendado que as gestantes se protejam de mosquitos, especialmente durante os primeiros 4 meses – período de formação dos órgãos do futuro bebê.
05/12/2015 - Atualizando ...
O Ministério da Saúde mudou os critérios para o diagnóstico de microcefalia e adotou a medida de 32 centímetros como o ponto de partida para triagem e identificação de bebês não prematuros com possibilidade de ter a malformação no crânio.
Até então, estavam sendo considerados casos suspeitos aqueles em que a criança nascia com menos de 33 centímetros de perímetro cefálico, segundo o Ministério da Saúde, para incluir um número maior de bebês na investigação. Depois de ter o perímetro cefálico medido, para ter o diagnóstico confirmado, a criança precisa passar por outros exames.
Segundo a pasta, a medida segue recomendação da Organização Mundial da Saúde, que considera 32 centímetros a medida padrão mínima para a cabeça de recém nascidos não prematuros. O perímetro cefálico, medida da cabeça feita logo acima dos olhos, varia conforme a idade gestacional do bebê. Segundo o Ministério da Saúde, para a população brasileira, 33 centímetros é considerado normal.
Especial sobre Perímetro Cefálico - 0 a 5 Anos, com os valores normais de perímetro cefálico, escrito pela Dra. Bárbara Lalinka.

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

802 - Medicação injetável para o controle do colesterol

O tema dos anticorpos monoclonais para o tratamento do colesterol alto foi discutido em Curitiba, no 70º Congresso Brasileiro de Cardiologia, realizado em setembro, durante um simpósio do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia – SBC, que contou com a participação de destacados cardiologistas internacionais especialmente convidados.
Para o presidente do Departamento de Aterosclerose da SBC, José Rocha Faria Neto, a novidade é muito auspiciosa, mas a medicação tem indicação específica, não deve ser usada por qualquer pessoa que precise baixar o colesterol e, inicialmente, deverá será cara.
O especialista explica que a indicação é para os pacientes que não suportam as estatinas, medicação tradicional, mas que pode ter como efeito colateral dores musculares intensas. Também é indicada para quem, mesmo tomando estatina, não logra baixar suficientemente o colesterol, precisando um segundo medicamento. A terceira indicação é para a hipercolesterolemia familiar, que ocorre em famílias nas quais, por problemas genéticos, várias pessoas tem colesterol elevado, fenômeno presente também nas crianças e que exige cuidados.
Ainda segundo Rocha Faria, os anticorpos monoclonais anti-PCSK9 são conhecidos há algum tempo, mas só recentemente as pesquisas demonstraram sua eficácia, o que levou Estados Unidos e Europa a liberarem o medicamento. Na Europa a comercialização foi iniciada há poucas semanas.
"No Brasil, dois laboratórios, Sanofi e Amgen entraram com pedidos junto à Anvisa para comercializarem o produto", explica o cardiologista, e ele deve ser ministrado a cada duas semanas, por uma injeção subcutânea.
350 mil mortes anuais
O interesse dos cardiologistas pela medicação de controle do colesterol é grande, porque o coração é a maior causa de morte no Brasil, respondendo por 350 mil óbitos anuais, muitos evitáveis, lembra o presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Angelo de Paola.
O motivo é que os fatores de risco para o coração são fartamente conhecidos, mas ainda insuficientemente combatidos. São eles: obesidade, tabagismo, hipertensão arterial, sedentarismo e a taxa de colesterol elevada, que leva ao estreitamento e bloqueio das artérias coronárias, o que caracteriza o infarto. O problema, diz Rocha Faria, é que ainda há poucos dias vários meios de comunicação deram abrigo a informações falsas, que dão a entender que não seria tão importante controlar o colesterol, o que não é verdade.
Grave também é o modismo de usar "óleo de coco" como gordura saudável, quando o coco é rico em gorduras saturadas, que no organismo vão produzir colesterol. As gorduras recomendadas e que com evidências científicas comprovam ser úteis são o azeite de oliva e óleo de canola.
O especialista conclui reafirmando que não há dúvidas sobre o papel do colesterol sanguíneo como fator de risco independente para doenças cardiovasculares, fato comprovado por estudos experimentais, epidemiológicos, genéticos e de intervenção. O adequado controle do colesterol é recomendado por diretrizes nacionais e internacionais de sociedades médicas, como a SBC, de sociedades de nutrição, órgãos governamentais e a Organização Mundial da Saúde.
Os anticorpos monoclonais que combatem o colesterol representam mais uma arma e importante, para que a medicina possa reduzir o número de brasileiros que morrem a cada ano em decorrência do infarto.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

801 - O transtorno dismórfico corporal (2)

A autoimagem que cada indivíduo constrói sobre si pode gerar efeitos diversos e um deles é o transtorno dismórfico corporal (body dysmorphic disorder), doença também conhecida como dismorfofobia.
Caracterizado por uma preocupação exagerada com um defeito mínimo ou imaginário na aparência física, o TDC foi conceituado pela primeira vez, em 1886, pelo psiquiatra e antropólogo Enrico Morselli como "um sentimento subjetivo de fealdade ou defeito físico, no qual os pacientes sentem que são observados por terceiros, embora sua aparência esteja dentro dos limites da normalidade". Apesar de ser descrita há mais de um século, o conhecimento sobre a dismorfofobia ainda é esparso.
Comumente confundido com transtorno obsessivo compulsivo (TOC), a versão revisada do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV-TR), da Associação Americana de Psiquiatria, aponta que é característico do TDC o sofrimento clinicamente significativo ou o prejuízo no funcionamento ocupacional e social. Em geral, desenvolve-se uma morbidade expressiva e há tendência ao isolamento progressivo evitando, assim, o convívio social.
Pacientes com dismorfofobia, geralmente, não buscam tratamento psiquiátrico – mas, atendimento com especialistas em cirurgia plástica ou dermatologia para tratarem suas imperfeições – que creem ser reais. Casos extremos levam a lesões autoinfligidas, amputações de membros sadios por decisão do paciente e suicídios. O tratamento da dismorfofobia envolve terapia cognitivo-comportamental e medicamentos.
Extraído de: O paciente, o médico e o espelho, por Thaís Dutra. In: MEDICINA – CFM, maio/agosto de 2014.
449 - O transtorno dismórfico corporal (1)

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

800 - Medicamentos órfãos

Os denominados "medicamentos órfãos" são aqueles fármacos dirigidos ao diagnóstico, prevenção ou tratamento de doenças graves, potencialmente fatais ou raras. Eles são assim chamados pelo pouco interesse que a indústria farmacêutica tem em os desenvolver e comercializar. Isso deve-se ao fato de haver um reduzido número de pacientes para esses medicamentos. Logo, tornam-se pouco rentáveis ou até podem dar prejuízo às indústrias que os produzem. A sua produção envolve muitas vezes estudos complexos e extremamente caros.
Na Europa, uma doença é considerada rara quando afeta menos de 1 por 2.000 pessoas.
Chiste
Se você quer que descubram a cura para uma doença rara, deseje-a para um monte de gente rica.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

799 - Então, o que torna o espectro visível especial?

Bem... absolutamente nada.
Ocasionalmente, nós temos olhos evoluídos que são bons em captar esta parte exata do espectro eletromagnético.Mas isso não é uma completa coincidência.
A luz visível é o único conjunto de radiação eletromagnética que se propaga bem na água. O que, por acaso, foi onde os olhos evoluíram há milhões de anos. Isso foi uma sacada inteligente.
Vídeo: 1:39 - 2:02

sábado, 14 de novembro de 2015

798 - O protesto das mães lactantes

Em julho (4), cerca de 40 mães que amamentam se reuniram em frente ao Lobby Hobby, em Orem, Utah, para pressionar a loja a educar os funcionários sobre os direitos legais das mães que amamentam. Isso resultou de um incidente que Brenda Morgan, uma mãe lactante, teve com o gerente da loja.
Brenda perguntou ao gerente onde ficava o local em que ela podia amamentar o filho, quando o gerente lhe indicou o banheiro. Ela disse: "Você come no WC?". E o gerente respondeu que não. Então, ela disse: "Exatamente... e nem meu filho".
Brenda afirma que o funcionário ameaçou retirá-la da loja.
Ela quer um pedido de desculpas e que a loja passe a reconhecer os direitos das mães que amamentam. Hobby Lobby ainda não comentou sobre esse protesto das mães lactantes.
"When Nurture Calls" (Quando a Nutrição Chama)
Três cartazes de uma campanha feita por estudantes da University of North Texas, com o intuito de fazer aprovar um projeto de lei que tramita no Congresso dos EUA sobre a amamentação em locais públicos
Em São Paulo, as mulheres têm o direito de amamentar em público garantido por lei. O prefeito Fernando Haddad sancionou, em 14 de abril de 2015, a lei que garante o aleitamento materno em qualquer estabelecimento de São Paulo. Quem constranger ou proibir a mãe de amamentar seu filho em público pagará multa de R$ 500. Em caso de reincidência, o valor dobra. O local não precisa ter área específica para amamentação.
"Todo estabelecimento localizado no município de São Paulo deve permitir o aleitamento materno em seu interior. Para fins desta lei, estabelecimento é um local, que pode ser fechado ou aberto, destinado à atividade de comércio, cultural, recreativa ou de prestação de serviço público ou privado", diz um trecho da lei.
O aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida e até os dois anos ou mais, em conjunto com outros alimentos, traz resultados fantásticos para a saúde da mãe e do bebê.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

797 - Quando chamar o SAMU 192?

403 - SAMU
406 - SAMU: o pioneirismo do Ceará
Você sabia que o SAMU, do Ministério da Saúde, já chega a 153,9 milhões de pessoas?

domingo, 8 de novembro de 2015

796 - Ciclistas também atropelam!

Celina Côrte Pinheiro, médica traumatologista e ortopedista
Presidente da Sobrames - Regional Ceará
Como pedestre, sinto agudamente a rudeza do trânsito nesta cidade, face à fragilidade inerente ao meu corpo e o visível descompromisso de muitos com minha comodidade e segurança. Não se trata de um discurso egocêntrico. Ao perceber a dificuldade e os riscos a que me encontro sujeita no enfrentamento às barreiras existentes na Cidade, sensibilizo-me com a problemática de toda coletividade.
Em Fortaleza, tem-se incentivado o uso das bicicletas com programas de compartilhamento, construção de ciclovias e ciclofaixas. Um sinal de civilidade, voltado ao lazer e à melhoria da mobilidade urbana! Contudo, os aparatos nem sempre correspondem ao ideal, por terem sido criados em vias já bastante comprometidas com o tráfego. Estreitas, inclinadas, com imperfeições na pavimentação e, por vezes, ocupadas por motociclistas apressados que as invadem para se deslocarem mais facilmente.
Não bastando isso, em algumas ciclofaixas a circulação de bicicletas pode se dar nos dois sentidos, embora a via tenha mão única. Esta simpática alternativa intensifica o risco de acidentes para os ciclistas que surgem inesperadamente na contramão, em trajetos por vezes mal iluminados, diante dos carros que tentam atravessar os cruzamentos.
Para o pedestre, nem se fala!
Está sujeito agora a maior risco de atropelamento não apenas pelos motorizados, como também por ciclistas que se consideram os cidadãos eleitos e não obedecem às normas do trânsito.
Todos os veículos motorizados, parados no semáforo vermelho, antes da faixa de retenção, enquanto o ciclista ultrapassa o cruzamento como dono da rua. Várias vezes precisei interromper a travessia na faixa de pedestres para dar passagem ao irresponsável ciclista. Caso contrário, seria atropelada, correndo risco de morte.
Os ciclistas se sentem à vontade para se apropriarem das ruas e das calçadas. É útil lembrar que as normas de trânsito são para todos e que ciclistas também podem atropelar e matar pedestres. Na escala de vulnerabilidade, este é o mais frágil.
Não basta darmos aos cidadãos a impressão de que a Cidade se tornou mais humana com a presença dos ciclistas nas ruas. Há necessidade premente de educação continuada para a mobilidade segura, civilizada e respeitosa, além da punição para os infratores. Ninguém está isento!
Publicado originalmente em O POVO (Opinião), de 21/08/2015
Celina, 
Dentre todos  eles (motoristas, motoqueiros, ciclistas e pedestres), os pedestres são aqueles que, a meu ver, estão na base da "cadeia alimentar". 
PGCS

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

795 - Fosfoetanolamina

Maiana Diniz, repórter da Agência Brasil
Grupo de trabalho vai estudar eficácia da fosfoetanolamina no combate ao câncer
O ministro da Saúde, Marcelo Castro, disse hoje (29) que o ministério vai criar um grupo de trabalho para analisar a eficácia e a segurança da fosfoetanolamina na cura de casos de câncer, por meio de uma portaria com previsão de ser publicada amanhã (30), no Diário Oficial da União. “Vamos financiar e colocar os laboratórios públicos a disposição dos pesquisadores para chegarmos o quanto antes a um parecer final sobre essa substância”.
A fosfoetanolamina foi sintetizada pela equipe de pesquisadores chefiada por Gilberto Chierice, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo, em São Carlos, há cerca de 20 anos, e ficou conhecida nas redes sociais como "pilula do câncer", pela suposta capacidade de destruir tumores malignos. O problema é que a substância não passou oficialmente pelas etapas de pesquisa exigidas pela legislação, que prevê uma série de estudos antes de um medicamento ser usado por seres humanos. (*)
Segundo o ministro, os donos da patente concordaram hoje, durante audiência pública no Senado, em cumprir as exigências científicas para determinar a eficácia da droga, e vão participar do grupo composto por representantes do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Para a realização dos estudos clínicos, os pesquisadores terão o apoio do Instituto Nacional do Câncer e da Fiocruz.
Siga lendo esta notícia aqui:
http://agenciabrasil.ebc.com.br
(*) Drogas muito promissoras em estudos de laboratório e em animais têm uma notoriamente elevada taxa de insucesso em testes em humanos. "Nature"
A fosfoetanolamina é um composto químico orgânico presente no organismo de diversos mamíferos, convertido usualmente em outras substâncias que formam as membranas das células. Além dessa função estrutural, ela possui ainda uma função sinalizadora, ou seja, a de informar o organismo de algumas situações por que as células estão passando.

A fosfoetanolamina foi estudada em ratos com leucemia e apresentou resultados satisfatórios. Porém, estudos em humanos ainda não foram realizados para que a liberação de produção, a comercialização e o uso da droga sejam considerados seguros. A substância, por sua ação antiproliferativa, tem o potencial para ter uma função antitumoral (British Journal of Cancer (2013) 109, 2819–2828 | doi: 10.1038/bjc.2013.510).

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

794 - Fórum de Ética Médica em Baturité

- - -
CXX FÓRUM DE ÉTICA MÉDICA DO INTERIOR
Organização: CREMEC
Local: Baturité - Ceará
- - - - - Auditório do Hospital José Pinto do Carmo
Data: 29/10/2015
PROGRAMA

ABERTURA
A SITUAÇÃO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO
DIRETOR TÉCNICO, DIRETOR CLÍNICO E COMISSÃO DE ÉTICA
PSF E TRANSFERÊNCIA INTER-HOSPITALAR
ATESTADOS MÉDICOS E DECLARAÇÃO DE ÓBITO
RELAÇÃO COM PACIENTES E FAMILIARES
PLANTÕES
PRONTUÁRIO MÉDICO
PERÍCIA MÉDICA
Relatores: Secretário de Saúde de Baturité Dr. Vagné Nogueira Nascimento, Promotor de Justiça Dr. André Barreira Rodrigues (da Promotoria de Baturité), Conselheiros do CREMEC Dr.Ivan de Araújo Moura Fé, Dr. Lino Antonio Cavalcanti Holanda, Dr. José Roosevelt Norões Luna e Dr. José Málbio Oliveira Rolim
Destaque
MPCE PARTICIPA DE FÓRUM DE ÉTICA MÉDICA EM BATURITÉ

terça-feira, 27 de outubro de 2015

792 - Somos todos pedestres

Muitos somos motoristas e/ou motoqueiros. Muitos somos também ciclistas. E um só, no Brasil, é astronauta (o tenente-coronel R-1 Marcos Cesar Pontes, da Força Aérea Brasileira). Um fato, porém, é inconteste: SOMOS TODOS PEDESTRES. Como afirma a traumatologista e ortopedista Celina Pinheiro, presidente da Sobrames-CE, neste imperdível artigo publicado no Jornal O Povo, de 25/09/15. ~ Paulo Gurgel
Há alguns dias, a AMC impôs o controle da velocidade máxima dos veículos automotores em uma das vias urbanas em Fortaleza. Vários cidadãos se colocaram contra a medida, alegando que 40 km/h causariam transtorno no trânsito, comprometendo a mobilidade. Este raciocínio é peculiar aos que ajuízam o trânsito com base apenas nos transportes motorizados. Os pedestres são menosprezados ou mesmo esquecidos. Há, aqui, a cultura do desrespeito habitual a quem anda a pé.
O veículo vem a dois quarteirões de distância, com tempo hábil para nossa travessia com segurança. No entanto, a sensação que se tem é que o motorista não se preocupa em, pelo menos, retirar o pé do acelerador. Ao contrário, faz da buzina a sua arma e ainda acelera o veículo quando não desvia o mesmo na direção do desprotegido pedestre. Pura falta de sentimento de urbanidade!
A Organização Mundial da Saúde (OMS) observa que 90% das mortes no trânsito ocorrem em países com baixos rendimentos e menor frota de veículos. Parece paradoxal, mas é a realidade, sobretudo porque a educação nesses países, entre os quais se inclui o Brasil, também é mais precária. A Organização das Nações Unidas (ONU) proclamou a Década de Ação pelo Segurança de Trânsito, de 2011 a 2020, tomando medidas para redução do número de vítimas.
De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 12 mil pedestres/ano são vítimas fatais nos acidentes de trânsito brasileiro. Já está comprovado que a gravidade do atropelamento, com óbito, aumenta com a velocidade do veículo. Um pedestre atingido por veículo a 40 km/h tem 30% de chance de ir a óbito. Caso o veículo esteja a 60 km/h, o percentual já se eleva a 85%. Além de 80 km/h, a possibilidade de óbito é de 100%. Salvar-se nestas circunstâncias será absolutamente fortuito.
A analogia entre velocidade dos veículos e gravidade do atropelamento levou muitos países a imporem redução da velocidade autorizada nas zonas urbanas para 30km/h a 50 km/h, com a intenção de moderar o tráfego e reduzir o número de óbitos de pedestres. Precisamos nos curvar às evidências para vivermos melhor. O sentimento de pertença à comunidade passa também pela segurança e conforto que o pedestre sente ao circular nas calçadas e nas ruas. Esta cidade ainda tem muito a avançar neste sentido!

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

790 - O caso Sally Clark

Em 1999, uma mulher na Grã-Bretanha chamada Sally Clark foi considerada culpada pelo assassinato de dois de seus filhos, que morreram subitamente como bebês. Um fator em sua condenação foi a apresentação de evidências estatísticas de que as chances de duas crianças da mesma família morrerem de síndrome de morte súbita infantil (SMSI) eram apenas 1 em 73 milhões – um índice amplamente interpretado como bastante contundente.
No entanto, ter sido considerado apenas uma hipótese deixou de fora uma parte importante da investigação. "O júri precisava comparar duas explicações concorrentes para as mortes dos bebês: SMSI ou assassinato", escreveu o estatístico Peter Green, em nome da Royal Statistical Society, em 2002 (ver: go.nature.com/ochsja). "O fato de que duas mortes por SMSI são bastante improváveis é, por si só, de pouco valor. Duas mortes por assassinato podem ser ainda mais improváveis. O que importa é a probabilidade relativa das mortes no âmbito de cada hipótese, não apenas quanto improvável que elas são sob uma explicação.
O matemático Ray Hill, da Universidade de Salford, Reino Unido, mais tarde estimou que uma morte dupla por SMSI ocorreria em aproximadamente 1 de 297.000 famílias, enquanto dois filhos seriam assassinados por um dos pais em aproximadamente 1 de 2,7 milhões de famílias – uma taxa de probabilidade de 9-1 contra o assassinato.
Em 2003, a condenação de Sally foi anulada com base em novas provas. E o Procurador-Geral da Inglaterra e País de Gales conseguiu a libertação de duas outras mulheres que haviam sido condenadas pelo assassinato de seus filhos por razões estatísticas semelhantes.
How scientists fool themselves – and how they can stop, por Regina Nuzzo, Nature, volume 526, edição 7572

domingo, 18 de outubro de 2015

789 - DIA DO MÉDICO 2015

Para salvar vidas, médicos brasileiros fazem de tudo com quase nada. Mas eles não querem ser heróis. São profissionais que exigem condições dignas de trabalho para cuidar da saúde e lutar pela vida das pessoas. Assim, eles cumprem a missão de todo o médico.
A campanha do Conselho Federal de Medicina traz histórias baseadas em fatos reais.
Pensamentos
A missão do médico: curar algumas vezes , aliviar frequentemente e consolar sempre.
O bom médico não é o que trata pessoas enfermas. É aquele que trata enfermos como pessoas. ~ Ismael Torquatto
O bom médico conhece bem os guidelines, mas o ótimo médico sabe quando não utilizá-los. ~ J. W. Hurst
A morte é o último médico das doenças. ~ Sófocles


quinta-feira, 15 de outubro de 2015

788 - Uma resposta à altura do insulto

Se você precisa amamentar, 
por favor, cubra-se
Quando um grupo de apoiadores do aleitamento materno (o Breastfeeding Mama Talk), como nós, se deparou com um cartaz como esse, dizendo às mães para se cobrir durante a amamentação, eles deram uma resposta à altura do insulto. O grupo compartilhou uma foto do cartaz em sua fanpage, juntamente com a foto de duas mães cobertas, amamentando.
O grupo convidou também outras mães a compartilhar as suas próprias fotos cobertas com a hashtag #ThisIsHowWeCoverBFMT. As fotos postadas repercutiram muito bem. Havia desde cobertores na cabeça a máscaras de Darth Vader. As mães lactantes mostraram que elas sabem como "se cobrir" com grande estilo.
Ler também:
72 - O aleitamento materno
249 - Perversos e drogados
489 - As 7 vantagens do leite materno
573 - Brasil, referência mundial em doação de leite materno

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

787 - Por que as mulheres vivem mais do que os homens?

"Esta vantagem notavelmente consistente da sobrevivência das mulheres em relação aos homens, no início da vida, no fim da vida e na vida total, é observada em cada país e em cada ano onde há registros de nascimentos e de mortes confiáveis. Não pode haver nenhum padrão mais robusto na biologia humana."
Em artigo publicado no "BBC - Future", David Robson faz uma abordagem sobre as respostas disponíveis para a pergunta acima. No entanto, todas elas estão no terreno das hipóteses e sofrem contestações.
Highlights
  • Uma ideia inicial era a de que os homens trabalhavam numa "sepultura adiantada".  Assim, morejando nas minas ou arando a terra, os homens colocariam uma pressão adicional sobre seus corpos e acumulariam lesões arcando com isso consequências mais tarde na vida. 
  • Os homens são mais abusivos com seus corpos. Fatores tais como fumar, beber e comer demais podem explicar parcialmente o tamanho do "hiato dos gêneros", que varia entre os países. Homens russos, por exemplo, são propensos a morrer 13 anos mais cedo do que as mulheres russas, em parte porque eles bebem e fumam mais fortemente.
  • Existem mecanismos potenciais relacionados com o DNA cromossomial presente nas células. Cromossomos vêm em pares, sendo que as mulheres têm dois cromossomos X, e os homens têm um cromossoma X e um Y. Essa diferença poderia alterar o modo como as células enfrentam a idade. Tendo dois cromossomos X, as mulheres conservam cópias de cada gene, o que significa que elas têm um gene sobressalente se outro, por acaso, estiver com defeito. Os homens não têm esse back-up. O resultado é que mais células podem avariar com o tempo, deixando os homens em maior risco de doenças.
  • Outra hipótese está ligada a ideia da frequência cardíaca. Por estar aumentada na mulher, durante a segunda metade do ciclo menstrual, ofereceria os mesmos benefícios do exercício moderado. O resultado disso seria adiar o risco de doença cardiovascular para mais tarde na vida.
  • Poderia também ser uma simples questão de tamanho. Pessoas mais altas têm mais células em seus corpos, o que significa que eles são mais propensas a desenvolver mutações prejudiciais. Corpos maiores também queimam mais energia, adicionando um maior desgaste aos tecidos. Desde que os homens tendem a ser mais altos do que as mulheres, eles devem, portanto, sofrer mais danos em longo prazo.
  • Talvez, a verdadeira razão resida na testosterona que influencia  a maioria das características masculinas, A testosterona pode tornar nossos corpos mais fortes em curto prazo, mas essas mesmas mudanças, mais tarde na vida, também nos deixam propensos para as doenças cardiovasculares, as infecções e o câncer.
  • As mulheres não só escapam dos riscos da testosterona como também podem se beneficiar de seu próprio "elixir da juventude" para reparar alguns dos estragos do tempo. O hormônio sexual feminino, o estrogênio, é um "antioxidante" natural, o que significa que limpa as células dos produtos químicos venenosos do estresse oxidativo.
  • Além de tudo, há uma espécie de pay-off evolutiva que dá a homens e mulheres as melhores chances de passar seus genes. Durante o acasalamento, as mulheres seriam mais receptivas aos machos alfas, "bombados" de testosterona. "Mas, uma vez que as crianças nascem, os homens são mais descartáveis", diz Kirkwood. "O bem-estar da prole está intimamente ligado ao bem-estar do corpo materno. A questão de fundo é que, para as crianças, é mais importante que o corpo da mãe esteja em boa forma, e não o corpo do pai".

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

786 - Como se faz um ser humano

Este GIF feito por hellofromthemoon explica visualmente o assunto:
Clique AQUI para ver a imagem ampliada
As melhores observações no reddit
"Eu gostaria de compartilhar isto com uma turma de futuros enfermeiros."
"É como descer uma escada rolante."
"Sempre girando, girando, girando rumo à liberdade."
"Um bebê por dia mantém o médico longe."
"Às três semanas o bebê se parece exatamente com uma chupeta."
"Quando é que o aborto acontece?"
"Atente para o bebê: desaparece no final."
"Henry Ford estaria orgulhoso dessa linha de montagem."
"Eu não vi onde foi adicionada a alma."
"É uma gravidez psicológica."
"Eu nasci com 28 semanas. Fico feliz em ver que eu teria sido basicamente o mesmo se eu tivesse esperado."
Poderá também gostar de ver
278 - Gravidez de alta duração
298 - Peanuts. O nascimento do bebê
413 - Mãe aos 5
703 - Deu à luz um bebê uma hora após saber que estava grávida
748 - O sexo do bebê

terça-feira, 6 de outubro de 2015

785 - Arte no ágar

A Sociedade Americana de Microbiologia acaba de realizar um concurso, por assim dizer, específico: Agar Art.
Sim, os microbiologistas sabem criar obras de arte com as colônias de micróbios que se desenvolvem no meio ágar das placas de Petri.
O primeiro lugar do concurso, em 2015, coube à placa "Neurônios" (ao lado), apresentada por Mehmet Berkmen, do New England Biolabs, e pela artista Maria Penil.
Neste trabalho, os vencedores usaram o Nesterenkonia amarelo, o Deinococcus e o Sphingomonas alaranjados, contaminantes frequentes em laboratórios de microbiologia. Após o crescimento das colônias a 30 ºC durante dois dias, a placa foi deixada a estabilizar e, em seguida, vedada de forma permanente com epóxi.
V. galeria no face.
No Acta:
179 - Quem criou esta imagem?
222 - Pinturas microbianas
503 - Uma homenagem a Petri
525 - Diamantes e espermatozoides
631 - A arte bacteriográfica
Nota:
O símbolo "°C" para o grau Celsius deve ser precedido por um espaço entre o valor numérico e o símbolo da escala. Exemplo:

sábado, 3 de outubro de 2015

784 - No Brasil motos já são a principal causa de acidentes no trânsito

Vladimir Platonow – Repórter da Agência Brasil
Os acidentes envolvendo motos já são a principal causa de ocorrências de trânsito no país, ultrapassando os atropelamentos de pedestres. Atualmente, mais de metade das internações pelo Sistema Único de Saúde (SUS) são de motociclistas, que respondem por três quartos das indenizações do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT).
O dado foi trazido durante o 1º Fórum Nacional da Cruz Vermelha Brasileira sobre Segurança Viária, que marcou o início da Semana Nacional do Trânsito, em 18 de outubro, pelo médico Fernando Moreira, especialista em medicina do trânsito e conselheiro da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor).
"As motos mudaram o padrão da mortalidade, com a expansão muito forte da frota de motos nos últimos dez anos, e hoje a principal vítima no trânsito já é o motociclista. O pedestre era historicamente quem mais sofria no trânsito, agora é o motociclista. Há vários fatores que incidem diretamente nesta utilização maior das motos, que é um veículo com um risco maior agregado do que um veículo de quatro rodas", disse Moreira.
O médico também chamou a atenção para a dispensa de itens obrigatórios de segurança, como capacete e calçado fechado. Além disso, ele denunciou que, em muitas cidades do país, principalmente no interior, é comum as pessoas pilotarem moto sem terem documento de habilitação.
"Lamentavelmente, em nosso país, não se usa um item obrigatório, que é o capacete. Muitas pessoas sequer tem habilitação para andar de moto. Em alguns locais do interior do país, 60% a 70% das pessoas não são habilitadas para dirigir moto, não conhecem minimamente a legislação de trânsito."
Especialista em medicina do trânsito, o médico está acostumado a testemunhar casos de fraturas graves decorrentes de motociclistas sem equipamentos de proteção, que, se fossem utilizados, salvariam muitas vidas.
"Está se formando uma verdadeira legião de pessoas com deficiências por traumas relacionados à motocicleta. Temos visto um crescimento enorme do número de pessoas com deficiência física estabelecida, em membros superiores e inferiores, e em coluna vertebral com problemas graves, como paraplegia, tetraplegia, em função da má utilização desse veículo que tem um risco maior associado.”
Segundo ele, a frota de motos tem crescido muito mais do que a de automóveis e mudou proporcionalmente a frota total de veículos no Brasil. Isso requer do motociclista ainda mais atenção e cuidados básicos, que evitam ou reduzem a gravidade de acidentes.
"O importante é que o condutor da moto entenda que ele tem de se portar no trânsito em uma atitude preventiva, utilizar todos os equipamentos de segurança, respeitar os limites de velocidade. Também tem que lembrar que o carona tem de usar o capacete. E não pode transportar crianças com menos de 7 anos de idade."
O representante da Cruz Vermelha Brasileira, José Mauro Braz de Lima, consultor do Departamento Nacional de Educação e Saúde da entidade, também alertou para o nível de acidentes graves e fatais no Brasil, que ocupa as primeira posições entre os países com maior número de mortes no trânsito.
"É inaceitável o nível de mortes e feridos nas estradas. O que o Brasil hoje deve estar atento é que, sendo o país que mais mata no mundo por acidentes de trânsito, há que ter uma atitude constante para isso. Temos que criar uma força-tarefa, em um programa de governo, como foi feito na França, para que tenhamos um modelo de atenção sistêmica", sugeriu José Mauro.
Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), citados pela Cruz Vermelha, no mundo todo, 1,3 milhão de pessoas morrem por ano em acidentes de trânsito. No Brasil, de acordo com a Cruz Vermelha, são 50 mil mortes anuais e 500 mil feridos nas ruas e estradas dos país, o que representa 25 mortes por 100 mil habitantes.
O representante da organização também sugeriu o aumento de recursos investidos em campanhas educativas e preventivas, utilizando percentual de multas de trânsito, como já é previsto na legislação. A entidade defende um programa baseado em cinco passos: informação, educação, conscientização, fiscalização e apenação.
De acordo com estatística do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), o país tinha uma frota de 23 milhões de motocicletas em 2014, o que correspondia a 27% da frota nacional. Apesar das motos representarem pouco mais de um quarto da frota, o seguro DPVAT pagou, em 2014, 580 mil indenizações, o que correspondeu a 76% do total. Deste, 4% foram por morte (22.616 casos), 82% por invalidez (474.346) e 14% por despesas médicas (83.101).

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

783 - Paciente recebe prótese de esterno e costelas feita em impressora 3D

Uma equipe de médicos do Hospital da Universidade de Salamanca, Espanha, liderada pelos Drs. José Aranda, Marcelo Jimenez e Gonzalo Varela, tornou-se a primeiro no mundo a implantar uma prótese de esterno e costelas, produzida por uma impressora 3D, na reconstrução do tórax de um paciente de 54 anos que sofria de um câncer na caixa torácica.
Nesse tipo de câncer (sarcoma) é necessário remover o esterno e algumas costelas, e substituí-los por uma prótese feita a partir de peças padronizadas. Contudo, a anatomia diferente da caixa torácica de cada paciente conduz a complicações que obrigam a subsequentes intervenções cirúrgicas.
A equipe médica entendeu que a melhor solução seria implantar uma prótese impressa em 3D, especificamente adaptada à anatomia do paciente. E os dados da tomografia computadorizada de alta resolução (TCAR) do paciente foram enviados à empresa australiana Anatomics que, utilizando-se de pó de titânio e solda a laser, imprimiu uma prótese personalizada.
A prótese tem uma peça rígida, que substitui o esterno do paciente, ligada a semi-hastes flexíveis que são aparafusadas aos cotos das costelas, simulando o comportamento das costelas verdadeiras.
De acordo com os médicos responsáveis a operação correu bem, e o paciente recebeu alta doze dias após.
Cancer patient receives 3D printed ribs in world-first surgery (c/ vídeo)
Microsiervos
Nos arquivos do Acta
735 - Médicos usam impressora 3D para salvar a vida de crianças
764 - A impressão 3D chega aos medicamentos

domingo, 27 de setembro de 2015

782 - Uma informação em conflito

"Se suas crenças pessoais negam o que é objetivamente verdadeiro sobre o mundo, então elas são mais precisamente chamadas de delírios pessoais." ~ Neil deGrasse Tyson
Infelizmente, é assim que o cérebro funciona:
Tradução: PGCS

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

781 - Os lugares mais sujos nos aviões


Não recomendada a quem tiver fobia a germes. Misofóbicos, abstenham-se de ler esta nota.

Travelmath contratou um microbiologista para investigar quais seriam os lugares mais "sujos" nos
aviões. Entendendo-se por "sujos" os locais mais contaminados por bactérias.
Coletando amostras em quatro aviões e padronizando os resultados para Unidades Formadoras de Colônias (UFC), por polegada quadrada, o microbiologista deu o seu veredito de quais são os lugares mais sujos nos aviões. Em primeiro lugar, as bandejas dos assentos (nas quais são servidas as refeições).
  • Cintos de segurança: 230 UFC
  • Botões de descarga do WC: 265 UFC
  • Condutos do ar condicionado: 285 UFC
  • Bandejas dos assentos: 2.155 UFC

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

780 - Óculos inteligentes para cegos

Imagem: veio daqui
Os óculos inteligentes do pernambucano Marcos Antônio da Penha, 27, foram os vencedores do WSYA 2014 (World Summit Youth Awards 2014), na noite de 17/06/2015. Com a finalidade de auxiliar pessoas com deficiência visual a se locomoverem, o dispositivo competiu com mais 18 projetos em seis categorias.
Para o presidente do WSYA, Peter Bruck, o projeto do brasileiro "é realmente um salto em inovação tecnológica".
O que você achou do Brasil?
"O que eu acho incrível, e que é completamente diferente de dez anos atrás, é como os jovens são cosmopolitas, falam bem inglês e têm um pensamento progressista, muito mais que gerações passadas."
(trecho da entrevista de Peter Bruck para A Folha)
N. do E.
Os óculos inteligentes, segundo Marcos Antônio, não substituirão a bengala "que tem um aspecto psicológico tátil". Mas, ao identificar os objetos que ficam na "zona cega" da bengala (como os orelhões de telefone, por exemplo), auxiliarão os cegos em suas caminhadas pela cidade.
Poderá também gostar de VER
168 - Óculos autoajustáveis
235 - Exames de vista pelo celular
414 - Multióculos
557 - O "eye-phone"

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

779 - Fumante passivo (2)

O caso mais extremo?
536 - Fumante passivo (1)
Reductio ad hitlerum
No talk-show Late Night, durante uma cena que satiriza as campanhas de antitabagismo feitas pelo serviço público, Adolf Hitler é mostrado em um bunker, sendo-lhe oferecido um cigarro por um assistente, ao que Hitler responde: "NEIN!!". A cena é cortada para uma legenda, que diz "FAÇA COMO HITLER. NÃO FUME."

terça-feira, 15 de setembro de 2015

778 - O legado do amianto

Vinte lugares que sofreram as consequências da mineração do amianto
A mineração do amianto, uma prática que já foi a força econômica e a razão da existência de muitas cidades no mundo, caiu em desinteresse quando se descobriu quão perigosa essa substância realmente é. Algumas cidades foram reduzidas a cidades fantasmas, outras ainda teimosamente se agarram à vida, enquanto milhões de dólares são investidos nelas para limpar a bagunça tóxica que o amianto deixou para trás.
Neste artigo do When on Earth são mostradas algumas destas cidades que foram gravemente afetadas por este minério perigoso para a saúde humana.
Notas relacionadas no Acta
280 - Vítimas do amianto na Itália
355 - Amianto: a polêmica do óbvio
494 - Uma vitória contra o amianto
594 - A ocorrência natural de amianto em Nevada, EUA
606 - A cidade fantasma do amianto

sábado, 12 de setembro de 2015

777 - Picadas de abelhas

Para a grande maioria das pessoas, uma picada de abelha não é um risco à vida. Especialistas dizem que um adulto médio pode suportar até mais de 1.000 picadas de abelhas. Menos picadas, porém, podem se mostrar perigosas para um bebê ou criança pequena. O que torna as picadas mortais não é geralmente a toxicidade do veneno de abelha, mas uma alergia desenvolvida como resultado de picadas anteriores.
Os sinais de uma reação alérgica grave incluem dificuldade em respirar, urticária, inchaço da face, garganta ou boca, ansiedade, pulso rápido, e uma queda da pressão arterial. A morte pode acontecer em menos de 10 minutos. Por isso, indivíduos com alergias graves costumam ser aconselhados a transportar consigo a adrenalina injetável (comumente chamado de EpiPen), a ser administrada imediatamente após uma picada.
Qualquer um que já tenha sido picado sabe o quão doloroso pode ser. A dor é devido, principalmente, a um componente do veneno de abelha conhecido como melitina, uma proteína que interfere com a função normal de membranas celulares. Outro componente do veneno de abelha, a histamina, pode fazer a área afetada se tornar inchada, vermelha, quente e com intenso prurido.
Algumas abelhas não podem picar. Abelhas do sexo masculino, por exemplo, não têm ferrão, o que faz sentido quando se sabe que o ferrão de uma abelha é, na verdade, uma forma modificada de um órgão que insetos usam para depositar os ovos. E, na maioria das situações, as abelhas são atacam. Fazem-no apenas quando provocadas, como acontece quando um cortador de grama perturba uma colmeia.
Uma razão contra a inclinação a picar é que o ato de picar, muitas vezes, mata a abelha. Seus ferrões são farpados, e quando a abelha se afasta, ela arranca parte de seu abdômen, o que causa a morte do inseto em poucos minutos.
Por outro lado, quando a colmeia se sente ameaçada, as abelhas podem lançar o que parece ser um ataque coordenado. Isto é facilitado pela libertação de feromonas de alarme, que atraem outras abelhas para o local. Uma vez que tal ataque começa, eles podem continuar a picar até que o potencial agressor deixe a cena ou morra.
Uma picada de abelha em geral não exige nenhum tratamento específico, embora haja um certo número de medidas que podem proporcionar alívio dos sintomas. A primeira é a remoção do ferrão, a fim de limitar a quantidade de veneno recebido. A melhor maneira de fazer isso é por raspagem com uma unha. Espremer o saco do ferrão só vai injetar mais veneno.
Também é uma boa ideia lavar a área afetada com água e sabão. Se a mão foi atingida pelas ferroadas, os anéis devem ser removidos antes do desenvolvimento do inchaço. O inchaço pode ser reduzido com um saco de gelo e o uso de um anti-histamínico, que também pode aliviar a coceira. Medicamentos como a aspirina ou ibuprofeno podem aliviar a dor, embora seja importante ter em conta suas contra-indicações.
Apesar do número de casos letais associado a suas picadas, as abelhas não são criaturas naturalmente agressivas, e quando atacam, fazem-no em defesa contra uma ameaça percebida. A chave para evitar as picadas de abelhas é mapear onde estão suas colmeias e, ao operar equipamentos motorizados tais como máquinas de cortar grama, fazê-lo com cuidado e usando vestuário de proteção

No Blog EM: Animais mortíferos
No Acta: 648 - O mel como arma

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

domingo, 6 de setembro de 2015

775 - Caçadores de tatus

Um homem no Texas ficou ferido após atirar em um tatu e a bala ricochetear na armadura do animal, atingindo-o em seguida no rosto.
O xerife do condado de Cass, Larry Rowe, disse à agência de notícias Reuters que o atirador abriu fogo assim que acordou pela manhã e viu o tatu em sua propriedade.
"Ele foi para fora, pegou seu revólver 38 e atirou três vezes no tatu", explicou o xerife. Três tiros foram disparados e pelo menos um ricocheteou.
O homem, com um ferimento na mandíbula, recebeu atendimento médico. O animal, no entanto, não foi localizado, e ninguém sabe o que aconteceu com ele.
O incidente não foi o primeiro, nos Estados Unidos, em que alguém se feriu por bala desviada em armadura de tatu. Meses atrás, segundo noticiou a TV local WALB News, outro homem feriu a sogra com uma bala que ricocheteou em outro tatu, A bala pegou uma cerca de raspão, entrou no trailer da sogra, atravessou uma poltrona e alojou-se nas costas dela. Neste caso, o tatu morreu.
Não tirem conclusões apressadas.
Fonte: BBC
183 - A doença dos caçadores de tatus

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

774 - "Sine cera"

por Audinne F.
do Blog Pacientes Ensinam
Havia uma movimentação estranha na porta do consultório. Era habitual que, no atendimento do posto de saúde, sempre houvesse muitos risos e falatório do lado de fora, mas naquela manhã estavam muito intensos. Quando abri a porta do consultório e anunciei o nome do próximo paciente, uma figura baixinha, algo encurvada, com a expressão de quem não estava para brincadeiras gritou em alto e bom som "Ave Maria, finalmente me chamou! Deus me livre, como é que a gente espera tanto pra ser atendida, minha filha? Sou uma idosa, tenho pressão alta e diabetes, sabia? Já 'tava' passando mal!". Eu, que venho treinando o meu melhor sorriso para todas as ocasiões em que os pacientes nos veem com essas, ajudei a senhora a entrar ano consultório com o sorriso no rosto e sem dizer palavra. AFINAL, DEFINITIVAMENTE NÃO ERA A PRIMEIRA VEZ QUE LIDAVA COM UMA SITUAÇÃO ASSIM.
Ela começou então a falar dos remédios que tomava e das dores que sentia. Doía aqui e doía ali. Aparentemente estava começando uma "virose" e, depois de perguntar sobre alguns "sinais de alarme", levantei e avisei que iria examiná-la. A paciente, que já não estava tão emburrada e falava alegremente dos netos pequeninos, continuou falando quando eu lhe disse "Vou examinar seu coração, Dona Fulana". Rapidamente coloquei o estetoscópio em posição e fui ajustando o aparelho no tórax dela, sobre o foco aórtico (é por onde geralmente inicio a ausculta, localiza-se do lado direito do tórax). Ela subitamente parou de falar, me olhou como quem repreende um neto e disse:
– Não, minha filha, o coração fica do lado esquerdo do peito!
° ° °
OS PACIENTES PODEM ALGUMAS VEZES NÃO ENTENDER O QUE ESTAMOS FAZENDO, E ESSA INCERTEZA ASSUSTA. Como pode ser examinada por uma médica que nem sabe que lado fica o coração? Eu expliquei àquela senhora que a gente escutava um monte de pontos no tórax pra saber se o coração estava bem, inclusive "o lado direito". Mas isso me fez lembrar das centenas de vezes que fiz esse gesto e que o paciente quis perguntar a mesma coisa e não o fez. A idosa usou da permissão que o passar dos anos nos dá para falar, falar o que a sociedade nos tolhe quando somos mais jovens. Achei bonita a sinceridade. Acho que nos engrandece um pouco ser, por vezes, confrontados. Essa é a arte de lidar com pessoas.
P.S.: Diz que a palavra "sincero" teve origem na Roma Antiga ("sine cera") quando, na fabricação de estátuas de mármore, os escultores desonestos cobriam as imperfeições com cera. Assim, aqueles que eram considerados honestos, não usavam deste artifício, fazendo esculturas "sem cera".

domingo, 30 de agosto de 2015

773 - Oliver Sacks, médico e autor de "Tempo de despertar", morre aos 82 anos

O neurocientista e escritor britânico Oliver Sacks morreu aos 82 anos neste domingo (30), vítima de um câncer terminal (melanoma), informa o jornal "The New York Times", que o descrevia como "o aclamado poeta da medicina moderna". O autor de livros de sucesso como "Enxaqueca" (1970), "Tempo de despertar" (1973), "O homem que confundiu sua mulher com um chapéu" (1985), "Um antropólogo em Marte" (1995), "A ilha dos daltônicos" (1997), "Vendo vozes" (1998)"Alucinações musicais" (2007) e "Sempre em movimento" (2015) faleceu em sua casa, em Nova York.
Obras
The Best Oliver Sacks Books BooksEm suas obras, Sacks usou experiências clínicas para falar, de modo acessível e com abordagem literária, sobre mistérios do cérebro e do corpo humano.
Em "Tempo de despertar", Sacks faz um relato autobiográfico em que conta sua experiência com pacientes que sofriam de uma condição chamada encefalite letárgica. Narra também como, a partir da administração de um remédio de uso controverso, chamado levodopa, os doentes conseguiram sair, pelo menos brevemente, de seus estados catatônicos.
A história foi adaptada em um filme homônimo em 1990, protagonizado por Robin Williams, no papel do médico, e Robert De Niro, no papel de um paciente.,
Em "O homem que confundiu sua mulher com um chapéu", Sacks contou histórias relacionadas a várias condições neurológicas raras. Entre as pessoas estudadas, havia pacientes que perderam a memória e outros incapazes de reconhecer objetos comuns, além de autistas capazes de feitos matemáticos ou artísticos extraordinários.
711 - Minha própria vida, por Oliver Sacks
"Há um mês, eu sentia que estava em boas condições de saúde, robusto até. Aos 81 anos, ainda nado uma milha por dia. Mas a minha sorte acabou – há algumas semanas, descobri que tenho diversas metástases no fígado. Nove anos atrás, encontraram um tumor raro no meu olho, um melanoma ocular. Embora a radioterapia e o laser para remover o tumor tenham me deixado cego desse olho, apenas em casos raros esse tipo de câncer dá metástases. Faço parte dos 2 por cento azarados."
(publicado originalmente em The NYT, em 19 de fevereiro de 2015)

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

772 - Uma técnica de tratamento antirronco

Marcio Diniz
Quem nunca passou uma noite em claro por causa de um roncador insistente que atire o primeiro travesseiro. Segundo estimativas, cerca de 54% da população adulta sofre de ronco --com grande prevalência em obesos, idosos e mulheres na pós-menopausa (sim, nessa fase da vida feminina, muitas delas vão se tornar roncadoras, se nada for feito).
E, a depender das estatísticas, os brasileiros vão roncar cada vez mais, já que dois dos fatores que levam ao ronco continuam a crescer no país: a obesidade pesa sobre 18% da população, e a progressão da idade continua a avançar (em 2030, 13% dos brasileiros terão mais de 65 anos).
Pesquisadores do Laboratório do Sono do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas) desenvolveram uma técnica de tratamento pioneira que, se praticada diariamente e com orientação de fonoaudiólogo, reduz a frequência e a altura do ronco até ele se tornar quase imperceptível, em alguns casos.
A nova técnica consiste numa série de seis exercícios para fortalecer os músculos envolvidos direta ou indiretamente na produção do ronco e na apneia obstrutiva do sono. Com duração de oito minutos, os exercícios são realizados três vezes ao dia e, para facilitar ainda mais a adesão do paciente ao tratamento, sempre incorporados às atividades rotineiras (como se alimentar, escovar os dentes ou no percurso para o trabalho, por exemplo).
Exercícios
De forma simplificada, os seis exercícios que compõem o tratamento antirronco do Incor são:
  1. empurrar a língua contra o céu da boca e deslizá-la para trás;
  2. sugar a língua para cima, pressionando-a por completo contra o céu da boca;
  3. forçar a parte posterior da língua contra o “chão” da boca, mantendo a sua ponta em contato com os dentes incisivos inferiores;
  4. elevar a parte de trás do céu da boca e a úvula (conhecida popularmente como “campainha”) enquanto diz a vogal “A”;
  5. posicionar o dedo na parte interna da bochecha entre os dentes e pressionar a bochecha para fora (cada lado da boca);
  6. durante a alimentação, manter uma mastigação bilateral alternada e deglutição usando a língua no palato.
Extraído por Fernando Gurgel de: https://queminova.catracalivre.com.br/saude/incor-desenvolve-tecnica-inedita-de-tratamento-do-ronco/
Notícia relacionada
564 - Implante magnético contra o ronco

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

771 - O que queremos / quando queremos

O que queremos? 
Não procrastinar.
E quando queremos?
Ano que vem.
O que queremos? 
Melhorar a memória.
E quando queremos?
Queremos o quê?
O que queremos? 
A cura do transtorno bipolar.
E quando queremos?
Não queremos mais.
O que queremos? 
A cura do câncer.
E quando queremos?
Depois que deixarmos o cigarro.

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

770 - O que é hiperinsuflação pulmonar

Nesta condição clínica, o volume de ar que permanece no pulmão depois de uma expiração é maior é do que o volume previsto, o que significa que o órgão não esvazia efetivamente. Assim, um excesso de ar fica preso no pulmão a cada ciclo respiratório, resultando em uma contenção aumentada do ar residual. Qualquer obstrução nos brônquios que transportam o ar para os alvéolos pulmonares pode causar a hiperinsuflação. Para conseguir diagnosticar este problema, atente-se às causas e aos sintomas e principalmente procure um médico.
Existem dois tipos principais de hiperinsuflação pulmonar:
Hiperinsuflação estática - Este tipo é causado pelo declínio na elasticidade natural do pulmão (como o que acontece no processo de envelhecimento).
Hiperinsuflação dinâmica - Este pode se desenvolver de forma independente ou em conjunto com o tipo estático. Ocorre quando o ar fica preso no pulmão, após cada ciclo respiratório, como resultado de um desequilíbrio entre os volumes de ar inspirado e expirado.
A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), que é geralmente causada pelo consumo de cigarros, é a grande causa da hiperinsuflação.
Indivíduos com DPOC comumente apresentam dificuldades para respirar, ainda que em estágios iniciais esse sintoma seja observável apenas durante as atividades físicas. Mas, à medida que a doença progride, a dificuldade de respirar começa a ser percebida mesmo durante o repouso. Quando uma quantidade maior de ar fica presa no pulmão, este órgão começa a hiperinsuflar, o que expande o tórax. Isso pode, eventualmente, resultar em uma condição clínica conhecida como peito em barril (ou em tonel). V. figura ao lado.
As radiografias de tórax (que devem ser feitas em duas posições: frontal e perfil) podem confirmar a hiperinsuflação pulmonar. Normalmente, as radiografias mostram as extremidades anteriores da quinta e da sexta costelas projetando-se sobre o diafragma (o principal músculo da respiração). Na incidência frontal, a projeção de extremidades de costelas mais baixas sobre o diafragma sugerem hiperinsuflação. Além disso, na incidência de perfil, a transparência pulmonar se apresenta aumentada e com o rebaixamento e/ou achatamento das cúpulas diafragmáticas.
A tomografia computadorizada (TC) de tórax, que utiliza um aparelho de raio-X especial para produzir uma representação tridimensional do corpo, traz importantes informações. As imagens geradas pela TC servem inclusive de guias para o médico determinar a extensão da hiperinsuflação. Para confirmar o diagnóstico de hiperinsuflação pulmonar, é necessário visualizar um aumento de tamanho do pulmão (ou dos pulmões), por conta do ar aprisionado, o que também confere uma tonalidade mais escura à imagem tomográfica.
Dentre os testes de função pulmonar, o mais comumente utilizado é a espirometria, que registra o volume e o fluxo do ar em cada ciclo respiratório. Na espirometria são avaliados principalmente dois parâmetros: o VEF1 (volume expiratório forçado do primeiro segundo) e a CVF (capacidade vital forçada), que é a quantidade total de ar que você consegue soprar. Os resultados normais de VEF1 e FVC devem ser maiores do que 80%. Uma porcentagem menor (principalmente na relação VEF1/CVF) pode indicar hiperinsuflação pulmonar, já que o paciente com esse problema não consegue expelir o ar tão rapidamente quanto uma pessoa saudável. No entanto, mais acurado para quantificar a hiperinsuflação pulmonar é a Pletismografia.
E, para medir as trocas gasosas que os pulmões fazem com o ar ambiente, conta-se ainda com a gasometria arterial. Neste procedimento, as amostras de sangue são geralmente coletadas da artéria radial (pulso), braquial (braço) ou femoral (virilha). Na hiperinsuflação pulmonar, dependendo do grau comprometimento do pulmão, pode haver diminuição do oxigênio e aumento do gás carbônico no sangue arterial.
Fonte: wikiHow
Nota 
Todos os trechos em itálico são nossos. PGCS

terça-feira, 18 de agosto de 2015

769 - Prevenção de acidentes humanos em redes elétricas

Um projeto simples, de tramitação rápida e extrema importância para a preservação da vida – essa é a definição do PL 8110/14, de autoria do deputado federal Rogério Peninha. A proposta prevê que seja obrigatória a montagem de disjuntores DR (Diferencial Residencial) em instalações elétricas de baixa tensão. A medida evitará mortes em decorrência de choques elétricos, porque o equipamento atua em 25 milissegundos e desliga a rede energizada.
A iniciativa de apresentar a matéria surgiu depois que três irmãos morreram eletrocutados enquanto brincavam no pátio de casa no município de Petrolândia, interior de Santa Catarina.
Recentemente, o deputado recebeu em seu gabinete o Sr. Edson Martinho, diretor executivo da Associação Brasileira de Conscientização para Perigos da Eletricidade (Abracopel), que lhe passou às mãos o Panorama da Situação das Instalações Elétricas Prediais no Brasil.
O relatório da Abracopel traz dados preocupantes. Aponta, entre outros problemas, para um aumento de 17,7% no número de acidentes registrados de 2013 para 2014. Só nos casos de fatalidade em decorrência de choques elétricos, o índice subiu mais de 6%, ou seja, em 2013 ocorreram 592 mortes e no ano passado o número subiu para 627. Os homens ainda são ampla maioria, com 560 casos contra 67 de acidentes fatais vitimando mulheres. No caso dos curtos-circuitos, o total foi de 311 casos, sendo que 295 evoluíram para incêndio, resultando em 20 mortes (todas elas em residências). A faixa etária que mais vitima as pessoas continua entre os 21 e 40 anos, com 325 mortes.
A lamentar não ser ainda cumprida a norma ABNT 5410, em vigor desde 2004, que já prevê a instalação dos disjuntores DR. No entanto, com a possível aprovação deste projeto, a norma passa a ter efeito de lei e se torna obrigatória, com punição para quem desrespeitá-la.
Fonte: Rafael Panzeti, assessoria do Deputado Rogério Peninha Mendonça
Evite ser vítima de acidentes
Manutenção - A rede elétrica interna deve passar por manutenção a cada cinco anos.
Fios e tomadas - O cuidado precisa ser intensificado, principalmente se houver crianças na residência. Verifique se os fios estão bem isolados e tampe as tomadas com protetores.
Chuveiro elétrico - Nunca ajuste a temperatura do chuveiro com ele ligado. Desligue a fonte para isso.
Geladeira - Este ou qualquer outro equipamento que esteja dando pequenos choques precisam ser trocados e não podem ser doados.
Secador de cabelo e chapinha - Use-os em um local seco, como o quarto. Após o banho, com o corpo ainda molhado, não é recomentado.
Trovoadas e raios - Não use celulares ou outros dispositivos que estejam carregando. Evite utilizar telefone fixo.
Fonte: Programa Casa Segura, do Instituto Brasileiro do Cobre

sábado, 15 de agosto de 2015

768 - (B)ar alcoólico

Um bar recentemente inaugurado em Londres, o Alcoholic Architecture (o Arquitetura Alcoólica), inovou na maneira de servir seus clientes. Além de oferecer bebidas alcoólicas, como qualquer bar que se preza, ele disponibiliza para seus frequentadores uma "nuvem de álcool", apelidada de "drinque respirável". Trata-se de um vapor que mistura álcool e energético numa proporção de 1:3.
Os efeitos são bastante fortes, pois o álcool é absorvido pelo corpo humano através dos pulmões, olhos e pele. Dessa forma, ele entra diretamente na corrente sanguínea, sem passar pelo fígado (onde seria metabolizado), o que acentua seus efeitos sobre o cérebro. Por isso, os clientes só têm autorização para ficar 50 minutos desfrutando da citada "nuvem".
Não se sabe, porém, se o bar será uma nuvem passageira. Psiquiatras ouvidos pelo jornal The Independent já se mostraram totalmente contrários a essa novidade.
E Dr. Niall Campbell, um especialista em dependência de álcool, do Hospital Priory, em Roehampton, foi ainda mais contundente:
"A última coisa que este país precisa é de uma outra maneira de alcoolizar-se."

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

767 - O queixo exclusivo da espécie humana

Por que os seres humanos modernos somos a única espécie que têm queixo? Os pesquisadores dizem que não é devido a forças mecânicas, tais como mastigação, mas que essa exclusividade se deve a uma adaptação evolucionária. Como nossos rostos ficaram menores. em nossa evolução de humanos arcaicos para a espécie a que hoje pertencemos, isso exigiu uma "reformulação do crânio", a qual, com a progressão, expôs a proeminência óssea que existe na parte mais baixa de nossas cabeças.
Leia-se: queixo.
Na figura abaixo, observe-se: um crânio do Homo sapiens (à esquerda) e um crânio do Homem de Neandertal (à direita). Só o crânio do Homo sapiens, cujo rosto é cerca de 15% menor, é que apresenta o queixo.
Crédito: Tim Schoon, Universidade de Iowa
O "crescimento" do queixo, portanto, teria a ver com a forma como o rosto se adaptou às mudanças nas dimensões do crânio. Meio parecido ao que precisaríamos fazer para encaixar as peças em um quebra-cabeças tridimensional.
Referências
N. E. Holton, L. L. Bonner, J. E. Scott, S. D. Marshall, R. G. Franciscus, T. E. Southard. The ontogeny of the chin: an analysis of allometric and biomechanical scaling. Journal of Anatomy, 2015; DOI: 10.1111/joa.12307
University of Iowa. Why we have chins: Our chin comes from evolution, not mechanical forces. ScienceDaily. ScienceDaily, 13 April 2015.

13/10/2016 - Atualizando ...
The enduring puzzle of the human chin, Wiley Online Library

domingo, 9 de agosto de 2015

766 - Paizão

Charlotte Campbell, de Taupo, Nova Zelândia, conseguiu seu primeiro implante coclear em 2013, quando ela tinha quatro anos. Agora ela tem dois implantes.
Quando o segundo foi colocado, seu pai Alistair decidiu ter seu próprio "implante" como demonstração de apoio. E para tê-lo recorreu à tatuagem.
Ao ver a versão tatuada de um implante coclear no pai, a menina riu, tocou-o e lhe disse que era "cool".
O cabelo deve voltar a crescer, mas Campbell (que não tem outras tatuagens) pode raspar a cabeça em "ocasiões especiais". Ou se Charlotte apenas quiser ver a tatuagem.
Achamos que ele deve manter a cabeça raspada. Calvo é mais bonito, especialmente neste caso.

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

765 - Sorria... mesmo sem saber a quem

A equipe que julgou recentemente um concurso de trabalhos científicos em Londres deu um duro danado. Teve que escolher, dentre 600 trabalhos, apenas dois deles. Sendo um, na categoria cientistas profissionais (pós-graduação e acima), e outro, na categoria não profissionais (incluindo alunos de graduação).
Richard Stephens foi o vencedor da primeira categoria, com o trabalho "Don't say cheese, say cheeks" ("Não diga queijo, diga bochechas") sobre o ato de sorrir. Não li o artigo, mas imagino que traga conclusões aplicáveis em fotografia.
Na segunda categoria, ganhou Kate Szell, com o trabalho intitulado "Prosopagnosia - um problema comum, comumente ignorado". Também conhecida como "cegueira para feições", a prosopagnosia é a incapacidade de reconhecer as pessoas pelo rosto. Neste distúrbio neurológico, a capacidade de reconhecer os rostos das pessoas está afetada, embora a de reconhecer os objetos possa estar relativamente intacta. As pesquisas disponíveis sugerem que 2 por cento da população sofre de algum grau desse distúrbio.
No Preblog: LAPSOS DE MEMÓRIA