sábado, 31 de março de 2012

361 - O peixe da sorte


Anemia ferropriva é um problema sério no Camboja. Chris Charles, um estudante da Universidade de Guelph, no Canadá, tentou persuadir as pessoas de uma aldeia a aumentar a quantidade de ferro na alimentação. Uma solução simples seria a de pôr pedaços de ferro dentro das panelas usadas no cozimento dos alimentos, mas Charles encontrou séria resistência a essa ideia. E a solução que, ao final, ganhou ampla aceitação foi a de moldar o ferro como um peixe que a população da aldeia considerava que trazia sorte.
"Nós projetamos que o peixe de ferro teria de 3 a 4 centímetros de comprimento. Assim, seria pequeno para ser mexido facilmente na panela, mas grande o suficiente para fornecer até cerca de 75 por cento das necessidades diárias de ferro por pessoa", disse Charles.
Um metalúrgico local produziu esses peixes de ferro por US$ 1,50 cada. Eles estão sendo utilizados há três anos com resultados animadores na prevenção e tratamento da anemia.
Uma lição de marketing social.

Lucky Iron Fish Saves Lives in Cambodia por John Farrier. In: Neatorama

quarta-feira, 28 de março de 2012

360 - Por que temos medo dos robôs?

"Se a cultura popular nos ensinou alguma coisa é que a humanidade deve um dia enfrentar e destruir a ameaça crescente dos robôs".



De Terminator (Exterminador do Futuro) a Blade Runner e de Transformers a Star Trek, os robôs estão chegando e o Apocalipse está quase a chegar.
Pelo menos é o que Hollywood quer que acreditemos. E parques temáticos ao redor do mundo estão gastando milhões de dólares na esperança de que a emoção por robôs possa atrair turistas.
"O problema com essas ferramentas - o que os robôs são de fato - é que nos tornamos dependentes delas", diz Wilson, cujo novo livro de ficção científica, Robopocalypse, está dando origem a um filme dirigido por Steven Spielberg.
"Isso é assustador: contemplar os cenários de desastres que poderiam vir de nossa excessiva dependência dessas ferramentas. É verdade - elas podem falhar algum dia - mas isso não significa que os robôs sejam maléficos ou imorais, ou tenham um viés ético."
Ler o artigo completo em BBC News

O vale misterioso
  • É uma representação gráfica do sentimento de repulsa dos seres humanos e começa quando algo parece conosco mas não é exatamente como nós.
  • Usada pela primeira vez pelo professor de robótica Masahiro Mori, representa a hipótese de que quanto mais um robô parece humano mais empatia teremos com relação a ele.
  • Quando a aparência torna-se "quase-humana", a atração muda para repulsa por causa da estranheza sentida quando algo é muito familiar e mesmo assim alienígena.
  • À medida que o robô se move no sentido de uma aparência ainda mais humana, a empatia por ele retorna e cresce até parecer indistinguível daquela que se tem por um ser humano.

www.androidscience.com

sábado, 24 de março de 2012

359 - Água na boca

Apesar de amplamente percebida, não há um mecanismo fisiológico claro para a sensação conhecida como "água na boca '", dizem os pesquisadores Yovaan Ilangakoon e Guy Carpenter, nas páginas do Journal of Texture Studies (volume 42, número 3, páginas 212-216, junho de 2011).
A equipe, com base na Unidade de Pesquisa Salivar do Kings College London Dental Institute, realizou um conjunto de estudos experimentais em que cinco participantes não só manusearam e mastigaram alimentos como também olharam para fotos de pizza, cachorro-quente, curry, morangos, bolo, limão, carne assada, doces, frango assado e outras iguarias. Enquanto isso, eles tiveram as produções de saliva cuidadosamente recolhidas e quantificadas.
Os resultados desses estudos mostraram que, "ao contrário dos animais, e dos cães de Pavlov em particular, os seres humanos são não capazes de salivar apenas pensando em alimentos", o que pode parecer contra-intuitivo e até mesmo desanimador para gourmets, chefs e profissionais das agências de publicidade.

Museu Pavlov, Rússia.
Um dos cães usados por Pavlov em suas experiências.
Note-se que o recipiente utilizado para o armazenamento de saliva
está cirurgicamente implantado no maxilar do animal. WIKIPÉDIA

Bônus
Avalie-se se você é capaz, ou não, de salivar ao ver comestíveis e bebíveis, assistando a este vídeo que mostra a preparação de uma caipirinha brasileira:

quarta-feira, 21 de março de 2012

358 - Colonterapia

Acta Pulmonale, em três notas anteriores (112 - Uma obsessão por enemas, 118 - A fumigação em seres humanos e 152 - Um monumento ao enema) já se referiu, ainda que de forma superficial, à preocupação das pessoas com o problema da constipação intestinal. É justificável que elas recorram a enemas para resolvê-lo?
Leia-se a opinião do renomado proctologista Dr. P. H. Saraiva Leão, no artigo Colonterapia, o qual foi publicado em 21/07/2010, no Jornal "O Povo":
(trecho final)
"Modernamente, à luz da ciência, reconhece-se a imprecisão dessas verdades nocionais (hipotéticas). Está comprovado que a “estase intestinal crônica” não traz autointoxicação. Normalmente, a maioria dos constipados crônicos, “enfezados”, precisa menos de lavagens do que – principalmente – de dieta apropriada, baseada em fibras (frutas e verduras), para o exercício satisfatório de suas funções alvíneas (ligadas à evacuação). E na inércia crônica total dos cólons, justifica-se a operação para sua retirada parcial.
Tais considerações me ocorrem a propósito de notícias do sudeste do país, onde lavagens intestinais estão sendo realizadas periodicamente (ao preço mínimo de R$ 120 por sessão) em consultórios biomédicos e SPAs. Indicam-nas como analgésico (inclusive dores reumáticas), enxaqueca, “raivas antigas”(!) e até, pasme o leitor, contra depressão. Sobre revalidar crenças há muito ultrapassadas, a aludida técnica, como todo procedimento invasivo, tem contraindicações e riscos próprios, como perda acentuada de minerais, assim afetando a musculatura, inclusive o músculo cardíaco; outro risco é a perfuração do intestino pelo excesso de líquido introduzido. Este perigo é maior nos portadores de divertículos, os quais – prevalentes entre a terceira e a quinta décadas – tornam-se frequentes nos mais idosos. Fica, assim, um aviso aos pacientes incautos, amantes dos modismos e “novidades”, ainda e sempre vigente entre os desavisados.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Prezado Paulo,
Concordo com o colega Pedro Henrique na contra-indicação de tal procedimento.
Para constipação ou prisão de ventre, além do uso de novos medicamentos, a dieta, o tratamento comportamental e a fisiocinesioterapia, através da massoterapia abdominal com estímulo das zonas de hipersensibilidade de Vougler, são os novos horizontes para a melhora deste distúrbio funcional, que sempre é associado a outras disfunções do assoalho pélvico ou do próprio intestino.
Roberto Misici, médico coloproctologista

sábado, 17 de março de 2012

357 - A bordadeira de ferro

Cal Lane, 39 anos, artista canadense transforma objetos rudes do cotidiano em maravilhosas obras de arte. Em suas mãos, um objeto de ferro grosseiro e pesado adquire um aspecto inesperado - de como se ele tivesse, por exemplo, delicadas rendas.
Fica-se impressionado com a beleza que ela "descobre" num trambolho de ferro.
Nesta imagem, retirada do blog Trapitos de Colores, Cal Lane aparece trabalhando sobre uma velha caldeira.


Die Lunge im Netz
Falha
Trabalhando sem proteção respiratória, atentar para isso, em uma ocupação considerada de risco para a siderose pulmonar!
A siderose pulmonar (imagem radiológica) pode acometer trabalhadores expostos a atividades extrativas de minério de ferro (hematita, magnetita, limonita), produção de pigmentos naturais contendo óxidos de ferro em tintas e pisos, metalurgia de aço, ferro e ligas, solda a arco elétrico e oxietileno, polimento de metais com óxidos de ferro em cutelaria de aço e prata e outras atividades afins.
Apesar de ser uma pneumopatia ocupacional "benigna", há sempre a possibilidade de que, além das partículas de ferro geradas pela ocupação, a pessoa exposta possa também inalar outras poeiras minerais, como a silica, o que pode então conferir gravidade à doença.
Espero que Cal Lane não trabalhe sempre desse modo.

RELATO DE CASO
Souza, MB, Garcia, GF e Maciel, R. Siderose pulmonar. J Pneumol 24(1) – jan-fev de 1998.

quarta-feira, 14 de março de 2012

356 - Soins transmitem raiva e devem ser mantidos nas matas

Morre menino que foi mordido por soim, animal que deve viver na mata
Na manhã de 12 de março, o menino de 9 anos, do município de Jati, sul do Estado, que foi mordido por um soim (sagui) e internado com raiva num hospital de Barbalha, morreu. A letalidade da doença é próxima de 100%. No mundo inteiro, apenas dois pacientes, um dos Estados Unidos e outro em Pernambuco sobreviveram, mas com sequelas.
No dia 3 de fevereiro deste ano, o menino e outros quatro colegas se juntaram para caçar soim na mata. As crianças não sabiam que desobedeciam a lei e colocavam em risco a própria vida. Conseguiram pegar um soim e levaram para casa, onde um dos meninos foi mordido A mordida do soim deixou um corte profundo no polegar do menino, mas, pior do que o ferimento, transmitiu raiva. Vinte dias depois, os sintomas começaram a aparecer e, após passar pelo hospital de Jati e pelo Hospital Infantil de Brejo Santo, o menino foi internado no dia 29 de fevereiro no Hospital São Vicente, de Barbalha. O Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) confirmou a doença.
O que diz a lei
A captura e a criação de soins são práticas que ainda resistem no interior do Ceará. Esses eram os propósitos do menino de Jati e seus amigos. Mas as razões para rejeitar essas práticas são persuasivas. Do ponto de vista ambiental, a legislação é terminante. “Os animais de quaisquer espécies, em qualquer fase do seu desenvolvimento e que vivem naturalmente fora do cativeiro, constituindo a fauna silvestre, bem como seus ninhos, abrigos e criadouros naturais são propriedade do Estado, sendo proibida a sua utilização, perseguição, destruição, caça ou apanha”, determina o artigo 1º da Lei de Proteção à Fauna. Do ponto de vista da saúde individual e coletiva, o contato com soins em cativeiro e a captura desses animais em seus ambientes naturais representa grande ameaça à vida das pessoas.
As agressões de animais silvestres a humanos são classificadas como acidentes graves pelo Ministério da Saúde. Ao ser agredido por animais, deve-se lavar imediatamente a ferida com água e sabão em abundância e imediatamente procurar assistência médica, pois somente o profissional de saúde poderá realizar a avaliação do paciente e se, necessário, indicar o tratamento profilático antirrábico humano. Em casos de agressão por animais silvestres, como morcegos, macacos, saguis, raposas, mesmo que ferimentos pequenos, o tratamento profilático antirrábico humano é imprescindível e deve ser buscado o mais rápido possível. Antes da manifestação dos sintomas, período que varia de alguns dias até um ano, é possível conter a doença com o tratamento adequado. Mas para evitar qualquer risco, o mais indicado ainda é deixar os animais silvestres em ambientes naturais e evitar o contato ou atraí-los para o convívio doméstico.
Nos últimos oito anos, desde 2005, foram confirmados cinco casos de raiva humana no Estado. Desse total, quatro tiveram transmissão através de soins em São Luís do Curu, Camocim, Ipu e Jati. Em Chaval, o caso de raiva foi transmitido por um cão.
Prevenção
A raiva é uma doença viral que pode ser transmitida ao homem por mordida, lambida ou arranhão de um animal infectado, principalmente cães, gatos, saguis e morcegos. A melhor maneira de evitar a raiva em humanos é a prevenção. Além da vacinação dos animais domésticos, as secretarias de saúde dos municípios devem ser acionadas para capturar os animais de rua que podem portar a doença. Nas cidades, a presença de morcegos deve ser notificada aos departamentos de zoonoses.

domingo, 11 de março de 2012

355 - Amianto: a polêmica do óbvio

Nas últimas semanas, o tema Amianto voltou a ganhar espaço na mídia nacional e internacional. No Brasil, em consequência à interpelação judicial, promovida pelo Instituto Brasileiro do Crisotila, contra o Dr. Hermano de Castro Albuquerque, pesquisador do Centro de Estudos do Trabalho e Ecologia Humana, FIOCRUZ, relacionada a achados de pesquisa sobre o mesotelioma, publicado em um periódico científico, e por suas declarações na mídia sobre riscos para a saúde associados à exposição ao amianto.
Essa repercussão foi potencializada pelo julgamento criminal ocorrido em Turim, Itália, condenando dois ex-proprietários de ramos do Grupo Eternit por omissão de informações sobre os problemas de saúde associados à manipulação do amianto, e quase 3 mil mortes que ocorreram entre ex-trabalhadores e habitantes do entorno de uma de suas empresas em Casale Monferrato.
Há duas décadas, profissionais brasileiros de renome na área do trabalho, médica e ambiental vem, de público, advertindo sobre as desastrosas consequências da manutenção da utilização do amianto no Brasil. Infelizmente, o Estado Brasileiro se esquivou, repetidamente, do problema, não respeitando o valor constitucional de proteger seus cidadãos. Nos últimos anos, perderam-se diversas oportunidades de proibir seu uso no território nacional. Perdeu-se também, a oportunidade de evitar que o risco continue a se estender a populações de outros países importadores do asbesto brasileiro (praticamente, todos com condições sanitárias tão ruins ou piores que a nossa).
Estima-se que mais de sete milhões de pessoas morram de câncer anualmente, em todo o mundo (Jemal A, et al. CA CANCER J CLIN 2011). Hábitos pessoais e condições de ambiente são responsáveis por 40% dos casos de câncer, o que significa que cerca de 3 milhões de óbitos anuais poderiam ser prevenidos.
O ambiente de trabalho é responsável por 4 a 20% de todos os casos de câncer na população. Dentre estes, o amianto, isoladamente, é responsável por 1/3 dos casos e, restringindo-se apenas ao câncer de pulmão de origem ocupacional, a parcela do amianto chega a 50% dos casos. Percentual ainda maior ocorre em relação ao mesotelioma, um câncer raro da membrana que envolve os pulmões, de péssimo prognóstico, no qual o amianto é o agente causal de mais de 80% dos casos. Dados do Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde mostram uma curva francamente ascendente de mortes por mesotelioma em São Paulo.
Atualmente, o Brasil é o terceiro maior produtor mundial de amianto. Entre 1975 e 2005, o mercado brasileiro consumiu 5 milhões de toneladas, traduzido em produção, transformação (produtos de cimento-amianto e outras centenas), instalação, remoção e descarte. Entre 2008 e 2010 a produção aumentou, assim como a importação e o consumo interno. Em 2010, o consumo estimado foi de 0,9 Kg/brasileiro. Estes produtos estão espalhados pelo ambiente.
Não é necessário esforço para entender que o problema extrapola o ambiente de trabalho. A chance de um cidadão se expor ao amianto, assim como a outros cancerígenos reconhecidos, aumenta na proporção do seu uso.
A nocividade do amianto crisotila é inconteste, classificado desde 1987 dentro do Grupo 1 das substâncias carcinogênicas pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), organismo da Organização Mundial da Saúde (OMS). Isto significa que há suficientes evidências experimentais e epidemiológicas que permitem classificá-lo como cancerígeno para humanos.
A OMS e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) entendem que a única forma de se prevenir as doenças associadas ao amianto é através da cessação da sua utilização (http://www.who.int/occupational_health/publications/asbestosrelateddiseases.pdf, http://www.ilo.org/public/english/standards/relm/ilc/ilc95/pdf/pr-20.pdf). Em adição ao câncer de pulmão e do mesotelioma, o amianto é, também, causalmente associado ao câncer de laringe e câncer de ovário (www.thelancet.com/oncology, Vol. 10 Maio 2009).
Sob o conceito de “fato relevante”, a Eternit no Brasil encaminhou matéria paga a veículos de grande circulação, em que tenta se distanciar da gravidade da questão, reduzindo um grave problema de Saúde Pública a uma suposta querela comercial e de disputa de mercado. Apega-se, de má-fé, à Lei Federal no. 9.055/95, cuja flagrante inconstitucionalidade já tem parecer favorável do Ministério Público Federal e do Ministro Relator do STF, e ainda, tenta desqualificar a inteligência e a sensibilidade dos legisladores dos estados onde o amianto já foi proibido, reduzindo o clamor de milhares de vítimas das doenças do amianto crisotila, à suposta pressão de concorrentes da Eternit.
A “utilização segura” e o “uso controlado” do amianto, no seu ciclo de vida e ao longo da cadeia produtiva, são conceitos enganosos e inviáveis. Quem controla a sua “utilização segura” na construção civil? Quem controla a sua “utilização segura” em manutenção de máquinas, equipamentos e instalações que o contenham? Quem controla a sua “utilização segura” em reformas e demolições? Quem controla a contaminação de locais previamente utilizados para armazenamento e/ou a produção de produtos contendo amianto? Quem controla o descarte de materiais contendo amianto após o seu uso?
Qual é a necessidade de se manter a sua produção e uso? Há substitutos seguros para todas as utilizações conhecidas do asbesto. Nenhuma fibra substituta faz parte da lista de cancerígenos da IARC. Em adição, há estudos que demonstram a viabilidade técnica e econômica de sua substituição.
Como cidadãos e profissionais ligados à Saúde, registramos a indignação pela manutenção da produção, transporte, consumo, descarte, exportação e importação do amianto, e conclamamos o Poder Legislativo, o Poder Judiciário e o Poder Executivo Federal que se unam para acelerar as iniciativas pelo banimento total do amianto crisotila no Brasil, imediatamente.
Que o Brasil não faça vexame na Conferência Rio + 20, de junho, e consiga mostrar – a nós e ao mundo – que suas políticas públicas não são definidas pelos lobbies de uma empresa, e sim, são comprometidas com a defesa da saúde e do ambiente, como reza a Constituição Federal.

Subscrevem o documento 12 instituições/organizações e 41 profissionais. Seus nomes constam da nota Amianto: Entidades e profissionais querem banimento já, publicada em 10/03/2012, no sítio eletrônico VI O MUNDO (acessada em 11/03/2012).

quinta-feira, 8 de março de 2012

354 - Há risco de adquirir silicose na Lua?

Astronauta da missão Apollo 17.
poeira lunar cobre o terço inferior
de seu traje espacial. 
Se o plano de criar uma base na lua se tornar uma realidade, os cientistas terão antes de encontrar uma maneira de lidar com um inimigo pequeno, mas onipresente: a poeira lunar.
A poeira lunar é extremamente abrasiva, como os astronautas logo aprenderam nas missões Apollo dos anos 1960 e 70. Poucas horas depois da chegada à Lua, a poeira já cobria significativamente seus trajes espaciais e equipamentos.
Felizmente para os astronautas, o contato com a poeira lunar era curto.Mas os exploradores - que terão de viver em uma base lunar por semanas ou mesmo meses - sofrerão uma exposição prolongada que, em caso de falhas nos trajes espaciais e/ou nas câmaras pressurizadas, poderá lhes causar problemas pulmonares.
A poeira lunar é muito mais irregular do que a poeira da Terra, porque não há água ou vento na Lua para alisar suas bordas. É criada quando os meteoritos, raios cósmicos e ventos solares batem na Lua, transformando suas rochas em pó. Além disso, a poeira está repleta de cacos de vidro e minerais, numa mistura conhecida como aglutina, formada no calor do impacto dos meteoritos. Essa aglutina não é encontrada na Terra, e os cientistas temem que o corpo humano não seja capaz de eliminá-la de forma eficiente quando inalada.
Portanto, a poeira é o problema ambiental número 1 da Lua. Contendo sílica e apresentando-se na forma de pequenas partículas, com diâmetros de poucos micra, teme-se que eventualmente possa causar silicose nos operadores de uma base lunar.

sexta-feira, 2 de março de 2012

352 - A moda do cigarro eletrônico

Dispositivo que reproduz um cigarro comum, mas sem tabaco, conquista personalidades no exterior. Seus efeitos ainda são desconhecidos, por isso, no Brasil, ele está proibido.
Paula Rocha, ISTOÉ
De longe ele parece um cigarro comum. Quando tragado, fica vermelho na ponta e libera fumaça. Ao chegar mais perto, porém, é possível perceber que a brasa não passa de uma luz de LED e a fumaça – para a felicidade de muitos fumantes e não fumantes – não possui cheiro algum. Conhecidos como cigarros eletrônicos ou e-cigarettes, esses dispositivos patenteados na China em 2003 ganharam força recentemente entre celebridades internacionais e personalidades brasileiras. Famosos como a modelo Kate Moss, os atores Mel Gibson, Leonardo DiCaprio e Charlie Sheen e a cantora Britney Spears trocaram seus cigarros de tabaco convencionais pela versão eletrônica, com a promessa de que os novos aparelhos são menos nocivos do que o cigarro tradicional. A falta de estudos conclusivos sobre os e-cigarettes, porém, ainda mantém as desvantagens e implicações do uso desses dispositivos envoltas em fumaça, e por isso sua importação, comercialização e propaganda estão proibidas no Brasil desde 2009.
Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o cigarro eletrônico nunca teve registro no País devido ao “princípio da precaução”, uma vez que falta comprovação científica sobre a segurança e eficácia do produto. Nos Estados Unidos, a FDA (Food and Drug Administration) tentou, em 2010, banir os e-cigarettes. Porém, a associação dos produtores de cigarros eletrônicos – que conta com mais de 100 afiliados – processou o órgão americano e venceu em 2011. Hoje, esses cigarros podem ser comprados legalmente nos Estados Unidos em bares, lojas de conveniência ou pela internet, e seu uso é tolerado em locais onde seria impensável acender um cigarro comum, como aeroportos e até mesmo hospitais. A facilidade para comprar e usufruir os dispositivos para fumar fizeram aumentar o número de usuários dessa nova tecnologia. De acordo com dados do U.S. Centers for Disease Control and Prevention (centros americanos para prevenção e controle de doenças), o número de americanos que haviam fumado um cigarro eletrônico aumentou mais de quatro vezes em apenas um ano, passando de 0,6% da população, em 2009, para 2,7% em 2010, o que equivale a mais de oito milhões de pessoas.
Aqui no Brasil não há levantamentos sobre o total de adeptos dos cigarros eletrônicos. O uso do produto em si não é proibido e, segundo a Anvisa, quem for flagrado utilizando ou trazendo um desses aparelhos do Exterior para consumo próprio não pode sofrer nenhuma sanção. Já quem comercializa os e-cigarettes está cometendo um ato ilegal. No entanto, mesmo com a venda proibida, muitos sites nacionais oferecem versões importadas do produto, com preços que variam entre R$ 79 e R$ 299, incluindo acessórios como carregadores de bateria e refis – líquidos que podem conter ou não nicotina e sabores, como banana, bacon e até peixe, e são acoplados à estrutura de plástico do cigarro na forma de cartuchos. Dentro do aparelho, um aquecedor transforma os líquidos em vapor de água, que é inalado como a fumaça do cigarro tradicional (leia quadro) e, na presença de nicotina, provoca a mesma sensação de prazer obtida com o tabaco.
[...]