sexta-feira, 29 de agosto de 2014

652 - Fazendo os seres humanos menores

Um recurso notável da engenharia humana é a possibilidade de fazer os seres humanos menores. Nossas pegadas ecológicas (1) (2) são, em parte, relacionadas com o o tamanho que temos. Nós precisamos de uma certa quantidade de alimentos e nutrientes para manter cada quilo de massa corporal. Isso significa que, ceteris paribus, quanto maior se é, mais comida e mais energia são requeridas. De fato, a taxa metabólica basal (que determina a quantidade de energia necessária em repouso) relaciona-se linearmente com massa e comprimento (Mifflin et al.,1990). Assim como a necessidade de comer mais, as pessoas maiores também consomem mais energia em formas menos óbvias. Por exemplo, um carro consome mais combustível por quilômetro para transportar uma pessoa mais pesada do que uma pessoa mais leve; mais tecido é necessário para vestir as pessoas grandes do que as pequenas; as pessoas mais pesadas desgastam sapatos, tapetes e móveis mais rapidamente do que as pessoas mais leves, e assim por diante.
Uma maneira de reduzir a pegada ecológica, então, seria a de reduzir o tamanho. Como o peso aumenta com o cubo de comprimento, até mesmo uma pequena redução na altura, por exemplo, e mantendo-se as outras características iguais, pode produzir um efeito significativo no tamanho. (Para reduzir o tamanho, pode-se também tentar reduzir o peso ou o peso e a altura, mas para manter a discussão simples, vamos usar apenas o exemplo de altura). Reduzir a altura em 15 centímetros significaria uma redução de massa de 23% para os homens e de 25% para as mulheres, com as correspondentes reduções de suas taxas metabólicas (15% / 18%), uma vez que menos tecidos significam também menos necessidades de nutrientes e de energia.
Como poderia tal redução ser alcançada?
A altura é determinada, em parte, por fatores genéticos e, em parte, através da dieta e do estresse. Enquanto o controle genético é poligenético, com muitos genes contribuindo para a altura total, o próprio processo de crescimento é, em grande parte, controlado pelo hormônio somatotropina (hormônio de crescimento humano). Diante disso, existem várias maneiras pelas quais poderíamos reduzir a altura adulta em seres humanos.
Uma maneira é através do diagnóstico genético pré-implantacional (PGD, em inglês). Enquanto modificações genéticas para controlar a altura são bastante complexas, e além dos conhecimentos técnicos atuais, no entanto, parece possível usar-se o PGD para selecionar as crianças menores. Isto não significaria intervir no material genético dos embriões por métodos inusitados. Seria simplesmente repensar os critérios de seleção de embriões para os implantes.
Outro método de interferir na altura é usar um tratamento hormonal para afetar os níveis de somatotropina ou para provocar o fechamento da placa epifisária mais cedo do que o normal. Isto, por vezes, ocorre acidentalmente através de overdoses da vitamina A (Rothenberg et al., 2007). Tratamentos hormonais são utilizados para a redução do crescimento em crianças excessivamente altas (Bramswig et al., 1988; Grüters et al., 1989) . Atualmente, a somatostatina (um inibidor do hormônio do crescimento) está sendo estudada como uma alternativa mais segura (Hindmarsh et al., 1995) .
Finalmente, uma forma mais especulativa e controversa de reduzir a altura adulta é reduzir o peso ao nascer. Existe uma correlação entre o peso e a altura adulta (Sorensen et al. de 1999), de acordo com a qual o peso ao nascer, encontrando-se no limite inferior da distribuição normal tende a resultar em ser o adulto ≈ 5 centímetros mais baixo. Quanto à altura ao nascer, tem um efeito ainda mais forte sobre a altura do adulto. A altura ao nascer encontrando-se no limite inferior da distribuição normal de altura tende a produzir uma altura adulta ≈ 15 centímetros mais curta. O imprinting genômico (também conhecido como imprinting parental, onde alguns genes se expressam em apenas um alelo, enquanto o outro é inativado) também afeta o tamanho como resultado de competição evolutiva entre genes paternal e maternalmente impressos (Burt e Trivers 2006). e drogas ou nutrientes, ora reduzindo a expressão de genes paternalmente impressos, ora aumentando a expressão de genes maternalmente impressos, poderiam regular o tamanho de nascimento.
Extraído do trabalho Human engineering and climate change, publicado em 2012 na revista "Ethics, Policy and the Environment", em que os autores. S Matthew Liao (professor de Bioética da Universidade de Nova Iorque), Anders Sandberg e Rebecca Roache (bolsistas da Universidade de Oxford) põem em debate a redução do tamanho dos seres humanos como uma das medidas para se lidar com as mudanças climáticas.
Compensação
Este invento (figura), patenteado pelo marceneiro Henry Addison, que é particularmente útil para as pessoas de baixa estatura quando estão em jogos de futebol e corridas de cavalos:
A Step Up, Futility Closet

terça-feira, 26 de agosto de 2014

651 - A gravidez em 6 segundos, segundo Vine

Os vídeos Vine têm apenas 6 segundos de duração. VIA
Você grava pressionando a superfície do seu smartphone e, em seguida, liberando-a quando você deseja que o aplicativo pare a gravação. Pressionando e soltando rapidamente, várias vezes, você pode gravar um longo acontecimento em segmentos.
Ian Padgham desenvolveu este novo meio de comunicação em forma de arte. Ele mostrou sua habilidade em casa, neste vídeo de sua esposa Claire Pasquier durante seus nove meses de gravidez. Todo mês ele gravava 2 frames.
Ele deverá ter a mesma abordagem do seu filho ao crescer. Afinal, as crianças crescem tão rapidamente.
Para não dizer que eu não falei de... gravidez de alta duração

sábado, 23 de agosto de 2014

650 - Pessoas ruivas precisam de anestesia extra?

Os anestesiologistas, com base na vida prática, já suspeitavam de que os ruivos precisam de mais anestésicos para serem anestesiados.
Pesquisadores da Universidade de Louisville confirmaram esta suspeita. Numa experiência em que 20 mulheres foram anestesiadas com o gás desflurano por motivos diversos.
Eles escolheram apenas mulheres para excluir a possibilidade de o gênero interferir nos resultados do estudo. Os pesquisadores também escolheram mulheres cujos ciclos menstruais estivessem em sincronia, uma vez que as variações nos níveis dos hormônios poderiam desempenhar algum papel na susceptibilidade à anestesia.
No estudo, dez mulheres eram ruivas e as dez outras, que formavam o grupo controle, apresentavam os cabelos escuros.
Após a anestesia entrar em ação, os pesquisadores iniciaram a aplicação de choques elétricos em cada mulher, usando uma tensão que uma pessoa consciente descreveria como "intolerável". Se ela podia sentir dor, os anestesiologistas aumentavam a dose de desflurano e os pesquisadores continuavam a administrar choques até não obter mais resposta a eles.
Esta experiência ("um pouco cruel, mas para o bem da ciência") resultou na conclusão de que as ruivas, com relação às não ruivas, necessitavam de mais 20 por cento do anestésico desflurano para serem anestesiadas.
Acredita-se que isso tenha a ver com um fator genético comum a todas as pessoas de cabelos vermelhos, que, além de lhes fornecer a cor natural dos cabelos, torna as pessoas ruivas particularmente sensíveis à dor, e, portanto, mais difíceis de fazê-las "dormir" com a anestesia.
Arquivo
124 - Rutilismo e dor

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

649 - O Dia de Sobrecarga da Terra

De uma forma simples, a pegada ecológica define-se pela quantidade de dióxido de carbono que produzimos (através do consumo de combustíveis fósseis), mas inclui também parâmetros como a desflorestação e a perda de biodiversidade. O dióxido de carbono é o principal gás responsável pelo efeito estufa e pelo aquecimento global e muitos cientistas estão alarmados com o degelo acelerado que se verifica nos polos, em especial no circulo ártico — a tundra do Alasca, norte do Canadá e Sibéria. Se a terra rica em biomassa que se encontra congelada nestas vastas regiões descongelar, quantidades gigantescas de metano – um gás com efeito de estufa vinte vezes superior ao dióxido de carbono – serão liberadas para a atmosfera do planeta.
Ninguém sabe, ainda, quando se dará esse ponto de viragem.
Nas contas feitas pela Global Footprint Network (GFN), ontem (19 de agosto), ultrapassamos a capacidade regenerativa do planeta Terra. Quer dizer: já gastamos até o limite máximo disponível para este ano e, no resto do mesmo, vamos usar o "cheque especial". Em 2000, o primeiro ano em que esses cálculos foram feitos, "furamos o orçamento" apenas em primeiro de outubro.
A cada ano, o Earth Overshoot Day (Dia de Sobrecarga da Terra) chega mais cedo.

domingo, 17 de agosto de 2014

648 - O mel como arma

65 a.C. – Os soldados de Pompeu, o Grande, estavam exaustos. As legiões romanas haviam marchado em torno da margem sul do Mar Negro e lutado contra Mitrídates VI, o governante do Ponto. Então, algo mágico aconteceu: As tropas romanas descobriram estoques de favos de mel espalhados pelo caminho e se lançaram sobre essas guloseimas pegajosas como ursos famintos.
Dentro de pouco tempo, as tropas começaram a cambalear às cegas e a cair no chão. E os partidários de Mitrídates, que haviam plantado os favos de mel ao longo da rota dos soldados, prontamente apareceram e massacraram seus inimigos incapacitados.
Pompeu perdeu três esquadrões nas escaramuças, uma derrota que ele poderia ter evitado se tivesse estudado a história militar da região. Num livro publicado quase 400 anos antes, o general grego Xenofonte relatou que os seus homens, depois de banquetearem-se com o mel silvestre da região, "acabaram todos nocauteados".
Somente em 1891, é que os cientistas descobriram a causa do "mel louco": rododendros (ao lado, a imagem de uma das espécies). As abelhas que frequentam as flores dessas plantas sugam, não só o néctar, como também a graianotoxina, um veneno que perturba o funcionamento das células nervosas.
Os sintomas da ingestão da toxina pelo ser humano são: náuseas, dor de cabeça, tonturas, perda do controle muscular, e inconsciência, podendo assemelhar-se a uma intoxicação pelo álcool.
Mas Mitrídates não precisava saber disso para usar o mel como arma. Seus soldados venceram a batalha, atrasando (embora não impedindo) a transformação do reino do Ponto em uma província romana.
Quanto aos romanos, nunca mais cometeriam esse erro em particular. Décadas mais tarde, o escritor Plínio, o Velho, ainda advertia das "qualidades perniciosas do mel dourado do Mar Negro".
Extraído de 4 Toxic Moments in History, Neatorama

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

647 - Os animais e as crises de alergia

Dificuldade para respirar, espirros incessantes e coceiras são alguns dos sintomas que podem indicar que a convivência entre o animal de estimação e seu filho ia muito bem até a chegada de uma alergia. “Cuidado apenas para não radicalizar e, ao primeiro espirro, culpar o animal, pondera doutor Pedro Takanori”, infectologista pediátrico.
Os sintomas alérgicos podem se confundir com quadros gripais de repetição, muito frequentes nos pequenos. Por isso, na dúvida, visite o pediatra para que ele investigue o histórico de alergia da criança e da família. Assim, se julgar necessário, fará testes de alergia para constatar ou descartar o problema”, pondera Antonio Carlos Pastorino, médico pediatra alergista e imunologista.
A recomendação de procurar o pediatra deve ser enfatizada, pois são muitos os aspectos que compõem a tendência à alergia e também o seu diagnóstico, a começar pela genética.
Doutor Pastorino explica que se a criança tem pai ou mãe alérgicos terá duas vezes mais chance de desenvolver o problema. Quando os dois são alérgicos, a chance quadruplica. Mesmo assim, em uma família em que os pais são alérgicos, durante algum período, a criança pode conviver muito bem com animais. Mas em um dado momento, se apresenta sintomas ao entrar em contato com cães, gatos ou poeira, significa que o pequeno já passou pela fase de sensibilização aos alérgenos (agentes causadores de alergia) e estes já estão provocando sintomas. A partir daí, pode-se desenvolver uma doença alérgica. Ainda assim, os fatores genéticos não isentam uma criança sem histórico familiar de apresentar alergia.
Entenda a tendência à alergia
Trocando em miúdos, a tendência à alergia é obtida pelo equilíbrio ou não do resultado das "balanças" de imunidade que existem no nosso organismo: “uma delas se refere às células que conferem imunidade e a outra que deixa o organismo suscetível a desenvolver alergia. Há ainda a 'balança' reguladora, que confere tolerância aos possíveis alérgenos. Ao nascer, e mesmo dentro do útero materno, o bebê tem uma tendência à alergia, mas que vai se modificando aos poucos, à medida em que a criança entra em contato com o mundo fora do útero em que enfrenta vírus, fungos e bactérias. Aos poucos, esses 'vilões' promovem um equilíbrio entre as balanças. Assim ocorre com a maioria das crianças, que se torna normal”, detalha doutor Pastorino.
Mas, no decorrer da vida, essas balanças continuam variando conforme a idade, exposição aos agentes alérgicos, quantidade e tempo de exposição e à influência dos fatores genéticos e ambientais como a poluição.
No Ambulatório de Imunologia do Instituto da Criança, doutor Pastorino atende cerca de 300 pacientes asmáticos graves. Do total, 95% tem rinite como doença associada. Ao aplicar o teste de alergia nessas crianças foi detectado que 90% delas tinham alergia aos ácaros, bichinhos com os quais convivemos diariamente no colchão, travesseiro, na escola, carpete etc. Menos de 10% apresentou alergia aos gatos e cachorros.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

646 - Anatomia e fisiologia da laringe

Vídeo da fonoaudióloga Ana Beatriz Ferrari dos Santos em que a palestrante dá interessantes dicas mnemônicas sobre as ações dos nervos e músculos que comandam e executam os complexos movimentos da laringe inclusive das pregas vocais.
"Cria-se uma frase sem sentido, bem louca, porque assim a gente consegue decorá-la. Pode ter certeza que funciona" – ABFS
+ mnemotécnica no Acta
398 - Nervos cranianos

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

645 - Em homenagem a uma criança morta

Liang Yaoyi de Shenzhen, da província de Guangdong, China, morreu no dia 6 de junho de um câncer no cérebro. Ele tinha 11 anos e queria ser médico quando crescesse. Não teve essa chance.
Mas Yaoyi cumpriu o seu sonho de salvar vidas. Antes de morrer, ele pediu que seus órgãos fossem doados para pessoas que estivessem precisando deles.
A foto mostra o exato momento em que os médicos, após realizada a captação de seus órgãos, se curvavam para homenageá-lo.

Imagem: veio daqui

No prazo de oito horas, seus rins e fígado estariam transplantados.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

644 - Efeitos reprodutivos de usar um kilt

Homens da Escócia,
Há fatos para vocês refletirem neste novo estudo médico:
Real men wear kilts’.. The anecdotal evidence that wearing a Scottish kilt has influence on reproductive potential: how much is true?  (Homens de verdade usam kilts. A evidência anedótica de que usando um kilt escocês tem influência sobre o potencial reprodutivo: quanto é verdade?) Erwin JO Kompanje [possivelmente na foto ao lado], Scottish Medical Journal , vol. 58, n º 1, fevereiro de 2013.
Conclusão
"Com base na literatura sobre a temperatura escrotal, espermatogênese e fertilidade, a hipótese de que homens que usam regularmente um kilt durante os anos em que desejam procriar terão, como grupo, índices significativamente melhores de qualidade do esperma e uma maior fertilidade"

sábado, 2 de agosto de 2014

643 - Cuspidores de fogo

Engolidores/cuspidores de fogo praticam uma atividade circense potencialmente perigosa.
Dentre os riscos dessa prática para a saúde, encontram-se as lesões inalatórias por hidrocarbonetos – que evoluem para as pneumonias químicas.
Depois de pesquisar materiais atóxicos e supostamente seguros, um destes profissionais apresenta a sua descoberta: amido de milho.
No Acta
23 - Pneumonias por produtos do petróleo
462 - Pneumonia química ameaça sobreviventes do incêndio