quinta-feira, 29 de março de 2018

1039 - Aspectos médicos da crucificação

Crucificação vista a partir da cruz, por J. Tissot.
Atualmente no Brooklyn Museum, em NY
Diversas teorias já tentaram explicar, através de conhecimentos médicos dos séculos XIX e XX, as circunstâncias da morte de Jesus na cruz. Foram elas propostas por vários tipos de profissionais: médicos, historiadores e, até mesmo, místicos.
A maior parte das teorias propostas por médicos concluíram que Jesus suportou um enorme sofrimento e muita dor na cruz antes de sua morte. Em 2006, o clínico geral John Scotson revisou quarenta publicações sobre a causa da morte de Jesus em que as teorias variaram de ruptura cardíaca a embolismo pulmonar.
Em 1847, baseando-se em João 19:34, o médico William Stroud propôs a "teoria da ruptura cardíaca" como a causa mortis de Jesus. A "teoria da asfixia" tem sido objeto de diversos experimentos que simularam a crucificação em voluntários saudáveis e muitos médicos concordam que ela causa um profundo comprometimento na capacidade respiratória da vítima. Um efeito da asfixia por exaustão é que a vítima da crucificação sente uma progressiva dificuldade para obter fôlego suficiente para falar, o que foi apresentado como uma possível explicação para os relatos de que as últimas palavras de Jesus teriam sido apenas curtas exclamações.
A "teoria do colapso cardiovascular" é a explicação moderna prevalente e sugere que Jesus morreu por causa de um estado de choque. De acordo com esta teoria, a flagelação e a fixação na cruz com pregos deixaram Jesus fraco e desidratado, levando-o finalmente ao colapso cardiovascular.
No Journal of the American Medical Association (JAMA), o médico William Edwards e seus colegas defenderam uma combinação das teorias do colapso cardiovascular (via choque hipovolêmico) e da asfixia por exaustão, assumindo que a "água" que verteu do ferimento no flanco de Jesus, descrito em João 19:34, seria o líquido pericárdico.
Em seu livro "A Crucificação de Jesus", o médico e patologista Frederick Zugibe apresentou um conjunto de teorias tentando explicar a colocação dos pregos, as dores e a morte de Jesus em grande nível de detalhe. Zugibe realizou diversos experimentos com voluntários para testar suas teorias, cujos resultados variaram com a existência de um suporte para os pés.
Pierre Barbet, um médico francês e cirurgião-chefe no Hospital de São José, em Paris, também apresentou teorias detalhadas sobre a morte de Jesus. Ele lançou a hipótese de que Jesus teria que relaxar seus músculos para conseguir fôlego suficiente para dizer suas palavras finais por conta da asfixia por exaustão. Outra hipótese proposta por ele foi que uma pessoa crucificada teria que se utilizar de seus pés, perfurados por pregos, para conseguir erguer seu corpo o suficiente para conseguir fôlego para falar.
Num artigo para a Catholic Medical Association, Phillip Bishop e o fisiologista Brian Church sugeriram uma nova teoria baseada no "trauma de suspensão".
Em 2003, os historiadores F.P. Retief e L. Cilliers revisaram a história e a patologia da crucificação como esta era realizada pelos romanos e sugeriram que a causa da morte se dava por uma combinação de fatores. Eles também afirmaram que os soldados romanos de guarda eram proibidos de deixar o local enquanto o condenado não estivesse morto.
Extraído de: Crucificação de Jesus/WIKIPÉDIA

sábado, 17 de março de 2018

1037 - O efeito Doppler

É um fenômeno físico observado nas ondas quando emitidas por um objeto que está em movimento com relação a um observador. Foi-lhe atribuído este nome em homenagem a Johann Christian Andreas Doppler (29 de novembro de 1803 - 17 de março de 1853), que o descreveu teoricamente pela primeira vez em 1842.
Quem foi Christian Doppler
Físico austríaco que descreveu como a frequência observada de ondas sonoras é afetada pelo movimento relativo da fonte e do detector. Em 1845, para testar sua hipótese, Doppler usou dois conjuntos de trompetistas: um conjunto estacionário em uma estação de trem e um outro movendo-se em um trem aberto, todos segurando a mesma nota. À medida que o trem passava pela estação, era óbvio que a frequência das notas dos dois grupos não coincidia. As ondas sonoras teriam uma frequência mais alta se a fonte se movesse em direção ao observador e uma freqüência mais baixa se a fonte estivesse se afastando do observador.
Edwin Hubble usou o efeito Doppler da luz de estrelas distantes para determinar que o universo está se expandindo. E, na medicina, a ecocardiografia utiliza-se deste efeito para medir a direção e velocidade do fluxo sanguíneo.
Um efeito interessante predito por Lord Rayleigh no seu livro clássico sobre o som: se a fonte está se movendo com o dobro da velocidade do som, uma música emitida por esta fonte seria ouvida no tom e compasso certos, mas de trás para a frente.

quinta-feira, 8 de março de 2018

1036 - Nise da Silveira, uma psiquiatra rebelde

Nise da Silveira
Retrato por Pedro Celso Cruz
Psiquiatra brasileira e aluna de Carl Jung, Nise da Silveira (Maceió, 15 de fevereiro de 1905 — Rio de Janeiro, 30 de outubro de 1999) ficou conhecida pela contribuição à luta antimanicomial e por ter implementado a terapia ocupacional e as artes no tratamento das doenças psiquiátricas.
Ela se formou em 1926 - era a única mulher em uma turma com 157 alunos. Casou-se à época com o sanitarista Mário Magalhães da Silveira, seu colega de turma na faculdade, com quem viveu até o falecimento de Mário em 1986. O casal não teve filhos, por um acordo entre ambos, que queriam dedicar-se intensamente à carreira médica.
Foi presa durante o Estado Novo, acusada de envolvimento com o comunismo, e dividiu a cela no presídio da Frei Caneca com Olga Benário, militante do movimento no Brasil. Naquele presídio também se encontrava preso Graciliano Ramos, e ela se tornou uma das personagens de seu livro "Memórias do Cárcere".
Reintegrada ao serviço público, iniciou seu trabalho no Centro Psiquiátrico Nacional Pedro II, no Engenho de Dentro, no Rio de Janeiro, onde retomou sua luta contra as técnicas psiquiátricas que considerava agressivas aos pacientes. Por sua discordância com os métodos adotados nas enfermarias, recusando-se a aplicar eletrochoques em pacientes, Nise da Silveira foi transferida para o trabalho com terapia ocupacional, atividade então menosprezada pelos médicos.
Em 1946, fundou naquela instituição a "Seção de Terapêutica Ocupacional". No lugar das tradicionais tarefas de limpeza e manutenção que os pacientes exerciam sob o título de terapia ocupacional, ela criou ateliês de pintura e modelagem. Com a intenção de possibilitar aos doentes reatar seus vínculos com a realidade, e assim revolucionando a psiquiatria praticada no país.
Nise criticou, discutiu e revolucionou o tratamento psiquiátrico e as condições dos manicômios no Brasil.
Em 1952, ela fundou o Museu de Imagens do Inconsciente, no Rio de Janeiro, um centro de estudo e pesquisa destinado à preservação dos trabalhos produzidos nos estúdios de modelagem e pintura que criou na instituição, valorizando-os como documentos que abriam novas possibilidades para uma compreensão mais profunda do universo interior do esquizofrênico.
Sua pesquisa em terapia ocupacional e o entendimento do processo psiquiátrico por meio das imagens do inconsciente deram origem a diversas exibições, filmes, documentários, audiovisuais, cursos, simpósios, publicações e conferências.
Em reconhecimento a seu trabalho, Nise foi agraciada com diversas condecorações, títulos e prêmios em diferentes áreas do conhecimento.

quinta-feira, 1 de março de 2018

1035 - Frenologia e cranioscopia



O médico alemão Johann Spurzheim foi assistente de Franz Joseph Gall, que desenvolveu a frenologia, uma teoria comumente aceita no século 19 e início do século 20, que reivindicava ser possível determinar o caráter, as características da personalidade e o grau de criminalidade pela forma da cabeça.
Com o que aprendeu durante os anos em que conviveu com o mestre, Spurzheim elaborou a cranioscopia.
O dispositivo aqui retratado era usado para estudar as características do crânio para a frenologia.
Cabinet of curiosites, via Pat's blog.
859 - O destino da frenologia