sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

935 - Já existe uma vacina eficaz contra uma variante do Ebola

Uma vacina experimental (VSVD-ZEBOV) contra o vírus Ebola mostrou ser 100 por cento eficaz, de acordo com um estudo publicado em The Lancet, nesta quinta-feira.
Esses resultados oferecem a esperança de proteção contra a doença que atingiu a África Ocidental em 2014, matando mais de 11 mil pessoas.
A vacina foi administrada em pessoas na Guiné que estiveram em contato com doentes de Ebola. Poucos meses após os primeiros testes, a Organização Mundial de Saúde disse que os resultados preliminares foram "extremamente promissores".
De um total de 5.837 pessoas que receberam vacina nenhuma apresentou o Ebola depois de 10 dias ou mais, de acordo com o estudo. Entre as que não receberam a vacina imediatamente, houve 23 casos.

sábado, 24 de dezembro de 2016

933 - Papai Noel Baseado em Evidências

por Luis Cláudio Correia (*)
Publicado In: Medicina Baseada em Evidências, 24/12/2015
Papai Noel existe? Essa é uma pergunta comum nesta época do ano. Considerando que este Blog se propõe a discutir a veracidade dos fatos sob o paradigma científico, precisamos abordar esta importante questão, a qual impactará na vida de milhares de famílias nas próximas horas.
Partimos inicialmente do Princípio da Hipótese Nula, o qual afirma que todo fenômeno é inexistente até que se prove o contrário (prova científica). Esta é a justificativa para eventualmente nos questionarmos sobre a existência de Papai Noel. Ou seja, duvidar faz parte do pensamento científico. Mas não podemos parar por aqui, temos que evoluir nosso pensamento.
Devemos evoluir e nos perguntar se a presente questão se adequa ao Princípio da Plausibilidade Extrema. Este princípio se aplica a situações de exceção, onde o fenômeno é tão plausível, que dispensamos comprovação científica. Por exemplo, na prática clínica ter uma boa relação médico-paciente, saber ouvir e conversar com nosso cliente, representa uma habilidade que deve ser utilizada, mesmo sem um ensaio clínico randomizado demonstrando que a boa relação é benéfica. É extremamente plausível que um médico atencioso faz bem ao seu paciente e por isso aplicamos (ou devemos aplicar) essa abordagem mesmo na ausência de evidência científica.
A existência de Papai Noel é extremamente plausível. Isto porque esta existência só se materializa se formos capazes de acreditar. Se acreditarmos, Papai Noel existirá, se não acreditarmos, ele desaparecerá (ou não aparecerá). É um perfeito exemplo do Princípio da Plausibilidade Extrema, que deve ser aplicado apenas a situações especiais, onde dispensamos a necessidade de demonstração e ficamos como a verdade, simplesmente porque aquela verdade é indubitável. Há também plausibilidade extrema do benefício em se acreditar em Papai Noel. Óbvio que esta crença faz bem para a alma, portanto devemos nutri-la. E não faz bem apenas para crianças, para adultos também. Nós todos devemos acreditar em Papai Noel.
É tão plausível que ao imaginarmos um ensaio clínico randomizado para provar esta questão, percebemos que o resultado deste seria previsível. Imaginem que vamos randomizar famílias, metade para acreditar em Papai Noel e metade para não acreditar. É óbvio que nas famílias que acreditarem, as árvores acordarão repletas de presentes, enquanto nas famílias randomizadas para não acreditar, as árvores estarão vazias, se é que nestas casas haveria árvores de natal. É tão óbvio que seria anti-ético fazer esse estudo.
Poderíamos então fazer um estudo observacional. Observem como o Natal de famílias crentes em Papai Noel é mais mágico do que o Natal de famílias descrentes. Percebam que todo esse pensamento é baseado em uma sequência lógica que respeita dos princípios da medicina baseada em evidências. Mas para aqueles que ainda permanecem com o Princípio da Hipótese Nula a despeito de meus argumentos, vamos fazer um teste: amanhã, ao acordar, se houver presentes na árvore, estará provado que Papai Noel passou em sua casa.
Na verdade, todo mundo acredita em Papai Noel, mesmo aqueles que fingem não acreditar.
Feliz Natal a todos.
(*) Luis Cláudio Correia é Professor Livre Docente em Cardiologia, Doutor em Medicina e Saúde e Professor Adjunto da Escola Bahiana de Medicina

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

932 - A pulseira que neutraliza os tremores do Parkinson

O Parkinson é uma doença que afeta o sistema nervoso, causando falta de coordenação e tremores. Nos casos mais comuns, a enfermidade é reconhecida pelos tremores nos braços e pernas, o que faz com que o portador necessite da assistência de outras pessoas para realizar as tarefas mais simples do quotidiano.
A ciência tenta ajudar os portadores desta enfermidade de várias maneiras, embora a mais importante e prioritária continue sendo a busca da cura. Enquanto não se chega a esse ponto, há invenções que tentam tornar mais fácil a vida dos enfermos, como esta pulseira que lhes permite escrever e, até mesmo, desenhar.
É um projeto da Microsoft Research para o programa BBC2 The Life Big Fix. Liderados por Haiyan Zhang, diretor de inovação do programa, seus pesquisadores criaram uma pulseira ou bracelete que contrabalança os tremores das mãos. O dispositivo se baseia no funcionamento de pequenos motores que emitem microvibrações contrárias aos movimentos involuntários do braço. Assim, compensando seus  tremores na medida do possível, é que as pessoas afetadas pelo Parkinson podem voltar a escrever.
A primeira pessoa a usá-la foi Emma Lawton, uma ilustradora e escritora de 33 anos, que tem o diagnóstico de mal de Parkinson desde os 29. Graças a esta pulseira, não muito maior do que um SmartWatch, ela pôde voltar a escrever com boa qualidade.
É um conceito, ainda não é um produto final a ser vendido. A ideia e seu desenvolvimento está nas mãos da Microsoft, a qual poderá torná-la disponível a qualquer empresa do mercado.

sábado, 17 de dezembro de 2016

931 - Cientistas imaginários influentes, nestes tempos de fatos imaginários influentes

Por que falsificar dados quando você pode falsificar um cientista?
Inventar nomes e currículos é um dos mais recentes truques em Ciência.
Essa é a manchete de um artigo na revista Nautilus, escrito por Adam Marcus e Ivan Oransky. Aqui está parte do artigo:
 ... O fato é que o avanço profissional para cientistas de todo o mundo está se tornando um desafio cada vez maior em uma era de financiamento para a investigação científica cada vez mais escasso e, com isso, apertando a competição por pontos no corpo de pesquisadores. Para ter sucesso no ambiente de publicar-ou-perecer da academia, a maioria dos cientistas tranca-se no laboratório e joga dentro das regras. Alguns, porém, abrem uma escotilha....
[Uma] da maior parte das novas fraudes de hoje é incrivelmente simples: invente novas pessoas.
Jesús Ángel Lemus é um médico veterinário espanhol que perdeu 13 trabalhos por retratação devido à falta de veracidade em seus dados. Essa conduta não é tão incomum - mesmo 13 retrações não coloca Lemus entre os 30 maiores pesquisadores por retrações. O que torna Lemus interessante é que ele parece ter criado um coautor fictício para cinco de seus artigos, um "big Xavier" (cujas vagas filiações, ironicamente, fizeram dele um grande homem no campus da Universidade de Castilla -La Mancha ). É difícil entender por que o fato de aumentar o número de autores seja também uma forma de aumentar a aparente credibilidade de um estudo, especialmente se eles acontecem em uma prestigiada instituição.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

930 - Artrite reumatoide. Cartilha para pacientes

Le déjeuner des canotiers (O almoço dos barqueiros), 1880, Renoir
Pierre-Auguste Renoir (1841-1919), um dos mais célebres pintores de todos os tempos e um dos mais importantes nomes do movimento impressionista, sofreu com as manifestações da artrite reumatoide durante grande parte de sua vida. A doença do pintor se iniciou por volta dos 50 anos, tornou-se agressiva a partir de 1903, quando ele tinha cerca de 60 anos, e levou-o à quase completa incapacidade após os 70 anos. Embora as deformidades que a artrite reumatoide impingiu a Renoir tenham sido incapacitantes, o pintor nunca deixou de pintar ou apresentou queda na qualidade de suas obras em função da doença. Sua obra é uma prova de imensurável magnitude da capacidade de superar a dor e a limitação física.
A Sociedade Brasileira de Reumatologia usou uma reprodução deste quadro do pintor impressionista francês Renoir como ilustração da capa de Artrite Reumatoide. Cartilha para pacientes.  

domingo, 11 de dezembro de 2016

929 - NICOLELIS. Palestra e lançamento de livro



Jornal GGN - Miguel Nicolelis, neurocientista brasileiro e líder do projeto "Andar de Novo", fará uma palestra gratuita na próxima segunda-feira (12), no Instituto Sedes Sapientae (Rua Ministro Godoi, 1484, Perdizes), em São Paulo - SP.
"A sociedade tem que entender que ciência é essencial, que a ciência é dela, e é uma forma de defender a soberania da sua cultura e do seu país. Se não dominarmos a indústria do conhecimento de ponta do século 21, quem vai pagar o preço é a sociedade brasileira. De várias maneiras: custo alto para tudo, saúde, energia, comida", afirma o cientista, que irá contar a experiência de realizar um projeto científico na periferia de uma capital do nordeste brasileiro.
Na abertura da Copa do Mundo de 2014, o paraplégico Juliano Pinto (foto) apresentou o exoesqueleto construído pelo projeto de Nicolelis. "Tenho esperança de tentar aproveitar essa tecnologia para tratar múltiplas doenças neurológicas", afirma o cientista.
Para ele, a soberania do Brasil está diretamente ligada com o desenvolvimento tecnológico, que inclui avanços na área espacial, energética, eletrônica, robótica, nanotecnológica e biotecnológica.
Nicolelis é professor titular da Duke University (EUA) e criou o projeto do Campus do Cérebro no Rio Grande do Norte.
Na palestra, que terá a mediação da jornalista Eleonora de Lucena, ele irá autografar seu livro "Made In Macaíba" (A história da criação de uma utopia científico-social no ex-império dos Tapuias.)

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

928 - As 7 Bruxas da Menopausa


Comichona, Maliciosa, Suarenta, Dorminhoca, Inchada, Esquecida e Psíquica.

(Bits and Pieces)

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

927 - O amor nos tempos do smartphone



Se você, às vezes, é tentado a perguntar: "Qual é a relação entre o smartphone com multitarefas e a intimidade romântica?". Então, podemos lhe recomendar que leia este paper, na Psychological Reports, de 5 de agosto de 2016, intitulado: Intimacy and Smartphone Multitasking — A New Oxymoron?
"Esta pesquisa sugere que o smartphone com a função multitarefas tem uma associação negativa com as interações cara a cara. As pessoas ficam atentas aos custos de seus smartphones durante essas interações."
A imagem (ao lado) é amplamente atribuída ao renomado artista Bansky, do Reino Unido, e eu só criei o título da postagem.

Que é oxímoro?

Ver também:
O amor nos tempos da gripe 1 e 2.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

926 - Uma cadeira especial para uma cadela especial

Esta é Bella. A cadela foi diagnosticada como tendo megaesôfago congênito, logo após haver sido encontrada quando tinha 4 meses de idade.
Isto significa que o seu esôfago é dilatado. Mas o órgão não tem a mobilidade muscular necessária para engolir os alimentos enquanto Bella está na posição horizontal.
Bem, esta é sua Bailey Chair, a cadeira especial para cães com megaesôfago em que ela precisa se sentar, enquanto come e por 10 minutos depois que come. Ela come alimentos macios próprios para cães, porém misturados com um pouco de água.
Ela está agora com sete meses de idade e vai indo muito bem!