quinta-feira, 30 de outubro de 2014

673 - Micróbios em ponto de cruz



No site Etsy, Alicia Watkins "vende vírus e bactérias" em ponto de cruz. Já feitos ou em telas para que você os faça.
Ponto de cruz, para quem não sabe, é uma técnica de bordado.

Tudo em tricô
420 - Doença

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

672 - Carvão mineral aumentou emissões de gás carbônico no mundo

A relação entre o consumo de energia e as emissões de CO2 mundiais piorou nos últimos dez anos, de acordo com o boletim "Energia no Mundo".
Com o crescimento de 28% na demanda mundial de energia, entre 2003 e 2013, e maior uso relativo de carvão mineral em relação ao petróleo e gás, as emissões de gases do efeito estufa passaram de 2,33 tCO2/tep em 2003 para os atuais 2,37 tCO2/tep. (*)
Quanto ao consumo mundial de petróleo, o boletim aponta que em 2013 foram consumidos 91,3 milhões de barris por dia (Mbbl/d), equivalente a 31 vezes o consumo do Brasil no mesmo ano. Já o consumo de gás natural mundial foi de 3.348 bilhões de metros cúbicos (Gm³), volume 89 vezes maior que o consumido no Brasil.
No carvão mineral, o consumo mundial foi de 3.827 Mtep no ano passado, o que equivale a 232 vezes o consumo do Brasil.
 O boletim Energia no Mundo é produzido anualmente pelo Núcleo de Estudos Estratégicos de Energia do Ministério de Minas e Energia, e apresenta gráficos e dados sobre as matrizes energética e elétrica de 89 países. O documento também traz indicadores sobre a produção e o consumo de energia nesses países e suas relações com o PIB, população, emissões de CO2, entre outros.
N. do E.
(*) tep = tonelada equivalente de petróleo. Em 2013, o Brasil emitiu 1,55 tCO2/tep (este indicador é 37% menor do que o indicador mundial).
A extração e o transporte do carvão mineral, sem o cumprimento das medidas de controle recomendadas, causam o adoecimento pela pneumoconiose dos trabalhadores do carvão.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

670 - O metal pesado que abalou um império

Macio, flexível e maravilhosamente onipresente, o chumbo foi muito usado pelos antigos romanos para fazer moedas, canos, panelas e jarras para vinho. Era ainda utilizado na fabricação de tintas e pós faciais. E o resultado disso tudo foi "a morte por envenenamento lento do maior império que o mundo já conheceu".
Dois terços dos imperadores romanos – de Calígula a Nero – mostravam sintomas de envenenamento pelo chumbo. Análises de ossos retirados de cemitérios romanos da época acusaram depósitos de chumbo que mediam três vezes o padrão da Organização Mundial de Saúde para o envenenamento grave pelo metal.
Em muitos aspectos, o chumbo é uma má notícia para o corpo humano: ele danifica os rins e o coração, prejudica a produção das hemácias e inibe o crescimento das células ósseas. Além disso, afetando a regulação do crescimento dos neurônios e da formação das sinapses, interrompe o processo cognitivo.
Alguns historiadores acreditam que o veneno comprometia não apenas o cérebro dos imperadores romanos, mas de todos em Roma. De repente, Calígula declarando sua própria divindade, nomeando seu cavalo para o Senado e ordenando seus soldados que marchassem para o oceano ("para lutar contra o deus do mar") fazem um pouco mais de sentido.

sábado, 18 de outubro de 2014

669 - DIA DO MÉDICO. Pensamentos

Uma curta coletânea de pensamentos sobre o médico
O bom médico conhece bem os guidelines, mas o ótimo médico sabe quando não utilizá-los. ~ J. W. Hurst
Nunca vá a um médico que deixa as plantas morrerem no consultório. ~ Erma Bombeck, As plantinhas do consultório
A natureza é o mestre do médico, já que ela é mais antiga do que ele e ela existe dentro e fora do homem. ~ Paracelso
Não é suficiente dizer aos enfermos: "Coragem! Isto passará". Tais palavras devem vir animadas pelo coração, para que elas cheguem até à alma e o coração de quem sofre. ~ Esquirol, médico francês
Nosso médico nunca operaria, a menos que fosse necessário. Ele era assim. Se ele não precisasse de dinheiro, ele nunca encostaria a mão em você. ~ Herb Shriner
Um paciente deve pagar a consulta que o médico cobra para ajudar o médico a viver. Deve comprar todos os remédios recomendados para ajudar o farmacêutico a viver. E deve jogar fora todos esses remédios adquiridos para ele mesmo viver. ~ Anônimo
Nós médicos deveríamos aprender com os farmacêuticos a ler a escrita de nossos colegas. ~ Paulo Gurgel

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

668 - Gaiolas para bebês

O sol é fundamental para a saúde e o funcionamento do corpo. Por meio dos raios do tipo ultravioleta B, nosso organismo obtém a vitamina D e, com ela, melhora a absorção do cálcio, fortalecendo os ossos, e o desempenho do sistema ecológico. A exposição solar é responsável por cerca de 90% da aquisição de vitamina D pelo homem, e os alimentos (como leite, gema de ovo, manteiga, peixes de água fria e óleo de fígado de bacalhau) respondem pelos outros 10%.
Gaiolas, do tipo mostrado acima, já foram usadas para que os bebês recebessem luz solar e ar fresco nos apartamentos (1937).
Ver também:
591 - Rússia, 1977

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

667 - O Diatomista

The Diatomist ( O Diatomista) é um documentário sobre Klaus Kemp, mestre da arte vitoriana do arranjo de diatomáceas.
As diatomáceas são algas unicelulares que criam carapaças de vidro (sílica amorfa) em torno de si. Microscopistas da era vitoriana organizavam-nas em padrões complexos, invisíveis a olho nu, mas espetaculares quando vistos sob ampliação óptica.
Klaus Kemp tem dedicado toda a sua vida a compreender e aperfeiçoar os arranjos de diatomáceas. É atualmente reconhecido como o último grande praticante dessa bela combinação de arte e ciência.
Slideshow 
221 - PNEUMOCONIOSE DIATOMÍTICA
22/10/2014 - Atualizando...
As "diatomáceas das lagoas" também estão presentes no soneto "Budismo Moderno". Augusto dos Anjos valia-se do "cientificismo" como recurso lírico.
19/12/2014 - Atualizando...
Esta nota (667) foi republicada em 14/12/2014 no Jornal GGN.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

666 - A morte por explosão no espaço sideral

Este é um dos mitos criado por Hollywood. Muitas vezes, os cineastas não estão realmente preocupados com os fatos. Eles costumam tomar liberdades com a realidade a fim de fazer uma cena parecer mais interessante.
Dos filmes, sabemos que no instante em que um ser humano é exposto ao espaço sem uma roupa de proteção, ele é um caso perdido. Muito provavelmente, vai explodir em um espetáculo de sangue e vísceras (dependendo da classificação do filme).
É certo que a exposição ao espaço vai certamente matá-lo.  Mas não de uma maneira tão visceral assim. Exposto ao espaço, um ser humano poderá sobreviver por cerca de meio minuto sem dano permanente. Não vai ser agradável, mas a morte não será instantânea. Provavelmente, irá morrer de asfixia por falta de oxigênio.
N. do T.
A película que trata este assunto corretamente, segundo o Microsiervos, é "2001: Uma Odisseia no Espaço".
492 - Sem a roupa espacial

terça-feira, 7 de outubro de 2014

665 - It's Payback Time

O mundo deles está com os dias contados. Uma misteriosa substância azul está levando-o à destruição catastrófica.
O que está por trás de tudo isso?
É um vídeo do STAND UP TO CANCER, que promoverá em 15 cidades da Grã-Bretanha, no dia 11 de outubro, uma marcha de sensibilização para a arrecadação de fundos para a luta contra o câncer.
N. do E.
Payback time, em Economia, refere-se ao período de tempo necessário para recuperar os fundos gastos em um investimento ou para que este alcance o ponto de equilíbrio . Por exemplo, um investimento de 1.000 dólares, que retorne a 500 por ano, teria um payback time ou período de retorno de dois anos. O valor do dinheiro no tempo não é levado em conta. O período de retorno mede quanto tempo leva para algo "pagar a si próprio".

sábado, 4 de outubro de 2014

664 - A doença do chapeleiro maluco

A expressão "louco como um chapeleiro" é provavelmente uma referência ao envenenamento por mercúrio.
E a chamada "doença do chapeleiro maluco" já foi também comum entre os modistas. É que, nos séculos 18 e 19, estes profissionais inalavam fumos de compostos à base de mercúrio, durante a fabricação de chapéus de feltro, e adoeciam devido à toxicidade mercurial.
The Mad Hatter, personagem de "Alice no País das Maravilhas", foi, presume-se, inspirado em um excêntrico comerciante de móveis chamado Theophilus Carter. Mas Carter não foi vítima da "doença do chapeleiro maluco".
Embora Lewis Carroll, o consagrado autor de "Alice...", ao que tudo indica, estivesse familiarizado com a alta prevalência da demência entre os chapeleiros.
Lewis Carrol no Acta
267 - O uso do narguilé
Mercúrio no Acta
305 - Um ano com Mercúrio! | 561 - O uso do mercúrio contra a pediculose na Renascença | 569 - A guerra dos químicos
28/11/2014 - Atualizando...
Esta nota (664) foi publicada no LN Online, em 26/11/14, acrescida por 5 comentários.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

663 - Exatidão x Precisão

Exatidão (= acurácia) consiste no grau de conformidade de um valor medido ou calculado em relação à sua definição ou com respeito a uma referência padrão.
Precisão é o grau de variação de resultados de uma medição. Não é o mesmo que exatidão, que se refere à conformidade com o valor real. A precisão tem como base o desvio-padrão de uma série de repetições da mesma análise.



A exatidão do instrumento pode ser alterada. Já a precisão, por ser uma característica do instrumento, não pode ser alterada.