segunda-feira, 30 de março de 2015

723 - O teste rápido da tuberculose

O Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), unidade da Secretaria da Saúde, foi habilitado pelo Ministério da Saúde para ser o coordenador da realização do teste rápido de tuberculose. Com a habilitação, o Lacen fica responsável pelo treinamento e supervisão do serviço no Estado.
O teste é feito através do equipamento Gene Xpert (foto), apto a emitir o diagnóstico laboratorial da doença em apenas duas horas, agilizando assim o início do tratamento dos pacientes bacilíferos.
O diagnóstico de tuberculose é normalmente realizado pelo exame da baciloscopia do escarro pela coloração de Ziehl-Neelsen, um exame simples que pode ser realizado em todos os laboratórios. O processo todo, desde a chegada do material a ser examinado ao laboratório até a emissão do resultado, demora entre 24 e 48 horas.
O novo equipamento tem alta sensibilidade e especificidade que diminuem as chances de um laudo falso negativo e ainda indica se o paciente tem resistência a um dos medicamentos utilizados no tratamento.
O equipamento, fornecido pelo Ministério da Saúde, está funcionando em vários hospitais e unidades: Hospital de Messejana Dr Carlos Alberto Studart Gomes; Unidade Prisional Otávio Lobo; Centro de Saúde de Sobral; Centro de Especialidades Médicas José de Alencar; Hospital Abelardo Gadelha Rocha, em Caucaia: e, em breve no Hospital São José de Doenças Infecciosas, que está em fase de recebimento e implantação da metodologia.
Na realização do exame por meio do Gene Xpert coloca-se a amostra de escarro a ser examinada em um cartucho, semelhante ao de uma impressora, o qual, em seguida, é colocada no equipamento Gene Xpert e, em 50 minutos, sai o resultado como positivo ou negativo. O teste é muito mais sensível que a baciloscopia comum, ou seja, ele detecta mais resultados positivos e ainda indica se existe resistência à rifampicina, um medicamento utilizado no tratamento da tuberculose.

sexta-feira, 27 de março de 2015

722 - Uma corrida contra uma epidemia

Crédito da imagem: FC
Em 1925, uma epidemia de difteria varreu Nome, no Alasca. O soro salva-vidas estava a milhares de quilômetros de distância, e uma nevasca estava se formando. Aviões não podiam voar nessas condições: apenas os cães poderiam chegar lá.
The Cruelest Miles
Este livro (2003), de Gay Salisbury e Laney Salisbury, relata a heróica história de homens e cães em uma corrida através do deserto do Alasca para levar o soro antidiftérico a uma população atacada pela epidemia.
No Central Park, há uma estátua de Balto, que liderou os dogsleds para Nome. Sob a qual se lê:
"Dedicado ao espírito indomável dos cães de trenó, que transportaram a antitoxina por 600 milhas, sobre o gelo áspero, através das águas traiçoeiras e das tempestades de neve do Ártico, de Nenona para o alívio de Nome."

terça-feira, 24 de março de 2015

721 - O iogurte da Ceci

Janet Jay, em Motherboard
Uma experiência ousada com um probiótico de origem humana
Cecilia Westbrook é uma estudante de MD/PhD na Universidade de Wisconsin, Madison.
Sabendo das propriedades probióticas da vagina, um dia ela brincou dizendo que iria fazer iogurte com secreções vaginais.
Mas Cecília não estava brincando. Com a curiosidade aguçada, ela começou a pesquisar a sério. Uma busca no Google foi realizada sobre o assunto: nada encontrado. Nem mesmo na literatura médica.
Então, que melhor escolha existiria do que experimentar a partir de si mesma?
Cada vagina é o lar de centenas de diferentes tipos de microrganismos. Estes organismos – coletivamente conhecidos como flora vaginal – produzem ácido láctico, peróxido de hidrogénio e outras substâncias que mantêm a vagina saudável. As bactérias predominantes na flora são os lactobacillus, que são também os que estão na cultura do leite, queijo e iogurte.
Mas Cecília não fez o iogurte apenas para ouvir algumas piadas previsíveis (sobre os benefícios da dieta eating pussy). E ela certamente não o fez porque estava com fome. Ela sabia o suficiente sobre a biologia da vagina para pensar que comer um lote de iogurte de seus sucos vaginais seria bom para ela. Sério.
Acredita-se que os probióticos, com suas bactérias amigas, quando ingeridos ajudem a manter nossos intestinos saudáveis. Certamente você já viu os anúncios de iogurtes probióticos para os seus intestinos. Mas há probióticos específicos para manter a vagina saudável, como a confirmar que lá em baixo há mais bactérias "boas" do que "más".
"Você pode tomar um probiótico por via oral e essas bactérias também irão para a vagina", diz Larry Forney, um microbiologista da Universidade de Idaho. "Assim, a idéia de comer iogurte para tratar a vagina de alguma forma funciona ".
Em teoria, de alguma maneira. E o que poderia ser mais saudável do que tomar bactérias saudáveis ​​da própria vagina?
O "método de coleta" consistiu de uma colher de pau. Ela criou um controle positivo (feito com iogurte real como cultura-mãe) e um controle negativo (leite puro sem nada adicionado), e usou seu próprio ingrediente caseiro para o terceiro lote de iogurte. Durante a noite, a magia da biologia criou uma tigela de respeitável porte.
O primeiro lote desse iogurte tinha um sabor amargo, picante e produziu um pequeno formigamento na língua. Ela comparou-o com um iogurte indiano, e comeu-o com alguns blueberries.
Mas esta não foi, ao que parece, uma idéia muito boa em tudo.
De acordo com Forney, "Quando você toma secreções vaginais, você não está apenas tomando os lactobacilos. Você está levando de tudo." E é possível que, de um dia para outro, ou de uma mulher para outra, "o que você está tomando em seu iogurte já não seja dominado por lactobacilos, mas por outras bactérias, algumas das quais patogênicas ", explica. Às vezes, esse desequilíbrio pode causar infecções fúngicas e outras infecções também desagradáveis. "É uma má idéia em geral", diz Forney. "Mas há um elemento da mesma que tem algum apelo: ela está usando bactérias de sua própria vagina".
"Uma vez que cada mulher tem um equilíbrio diferente de lactobacilos, os probióticos vaginais podem ser de utilidade questionável. Mas se uma empresa ou universidade desenvolve probióticos personalizados para a flora microbiana vaginal de uma mulher, estes seriam mais eficazes", explica Forney.
Os benefícios para a saúde de comer probióticos pessoais poderiam não ter sido tão diretos como Cecília esperava, mas, pelo menos, o seu plano teve algum mérito. "Eu gosto do que ela está fazendo, em princípio, mas é arriscado. Porque ela pode acabar com um lote ruim", diz Forney.
A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA também concorda. De acordo com Theresa Eisenman, assessora de imprensa no Centro da Agência para a Nutrição e Segurança Alimentar e Nutrição Aplicada", as secreções vaginais não são consideradas "alimentos" e podem transmitir doenças.
Em outras palavras, como o leite cru e certos tipos de queijo fedorento, você não vai encontrar o "Iogurte da Ceci" à venda em uma prateleira de supermercado muito em breve.
Cecilia já tinha feito um segundo lote (antes de aprender que fazer iogurte com sua flora vaginal não era uma coisa que deveria continuar fazendo). Mas, apesar do desânimo de todos, de Forney ao FDA, ela está se sentindo bem. Apenas não vai mais cultivar seus bacilos para ingeri-los.
"De certa forma, é tão óbvio. Pensar que você pode fazer iogurte com sua flora natural. Mas quem pensaria em fazê-lo? ", diz Cecília. "A feminista que há em mim, claro. Que tem algo a dizer sobre a beleza que existe em ligar o corpo à comida e explorar o poder da vagina. Parte disso é uma coisa do tipo hippie místico, mas parte também é querer ficar confortável com o próprio corpo, especialmente em uma sociedade que é tão incômoda com relação aos corpos das mulheres."
No blog EM
Um tratamento ortodoxo - 1 e 2

sábado, 21 de março de 2015

720 - À prosaica aspirina

O poeta João Cabral de Melo Neto, falecido em 1999, transcorreu parte de sua vida sob a tortura de uma terrível enxaqueca. Não foi para menos, portanto, que o pernambucano dedicou uma verdadeira ode àquilo a que ele sempre recorria para aliviar sua cefaléia e, com a cabeça mais leve, então arquitetar intrincados poemas. O seu poema "Num monumento à aspirina" produz, já pelo título, um certo estranhamento no leitor, dada a combinação, meio estrondosa, dos substantivos "monumento" e "aspirina". Pois, em geral, fazemos monumentos às coisas grandes, aos acontecimentos e personagens históricos de relevo. Mas, a um prosaico comprimido de aspirina...

Cinquenta e sete anos atrás, Joe Farris publicou seu primeiro desenho em The New YorkerAo longo dos anos, ele publicaria 269 mais. Este, ao lado, foi um deles.
Joe faleceu neste mês, aos 90 anos.

258 - Plantas que se comunicam

quarta-feira, 18 de março de 2015

719 - Luigi Galvani

O italiano Luigi Galvani nasceu em 9 de setembro de 1737, em Bolonha, a cidade em que viveu a vida quase toda.
Foi médico, professor e pesquisador, destacando-se por seus estudos sobre a bioeletricidade. Usando pernas de rãs mortas, Galvani demonstrou que a aplicação de metais nos músculos ou nos respectivo nervos poderiam fazer as pernas contrairem-se.
Seus experimentos também serviram de inspiração para o romance gótico "Frankenstein", de Mary Shelley, publicado em 1818, em que o monstro criado por um cientista adquiria vida através da aplicação de energia elétrica
Muito da personalidade de Galvani foi condicionada pelo século em que viveu. Sendo profundamente religioso, ele nunca considerou que a religião atrasasse sua pesquisa. Ao contrário, considerava que ciência e fé se auto-interpretavam.
Seus contemporâneos o descreviam como gentil, generoso e um dedicado chefe de família.
Em 1778, perdeu o cargo de professor da Universidade de Bolonha porque, por razões religiosas e princípios, ele se recusou a jurar obediência à República Cisalpina.
Ele morreu pobre, em 4 de dezembro de 1798, antes que pudesse aproveitar a pensão de sua reintegração como professor emérito da Universidade pelas suas contribuições à ciência.
O nome Galvani sobrevive nas células galvânicas, no galvanômetro e no processo chamado de galvanização. A cratera Galvani, na superfície da Lua, também foi assim nomeada em sua homenagem.
Galvani x Volta 
Dois acadêmicos italianos que, no final do século 18, ajudaram a impulsionar o mundo para a era moderna: Luigi Galvani, em Bolonha (que fazia parte dos Estados Pontifícios, o que significa que a cidade era efetivamente governada pela Igreja Católica), e Alessandro Volta, em Pavia, a cerca de 150 quilômetros de Bolonha.
Contemporâneos, ambos fascinados pela eletricidade, mas discordando entre si frontalmente no plano teórico.
Galvani tornara-se atraído pelo uso da energia elétrica nos tratamentos médicos. Ela fora usada, por exemplo, para estimular eletricamente os músculos de um homem paralítico, em 1759. Um relatório da época relatou como o estímulo impactara o paciente. O corpo do homem respondera aos estímulos elétricos. Para Galvani, isso aconteceu porque o corpo humano funciona com uma eletricidade animal, na forma fluida, que flui a partir do cérebro através dos nervos para os músculos onde produz o movimento.
Suas experiências pareciam provar que ele estava certo. Em seus experimentos com rãs, Galvani utilizou o gerador eletrostático de Hauksbee. Ele aplicou a carga da máquina, por meio de um fio de cobre, a um nervo logo acima da perna de uma rã. Assim como Galvani esperava, a perna de rã se contraiu. Ele acreditou que o fenômeno se devera a um tipo de energia elétrica que é intrínseco aos seres vivos.
Para Volta, um racional, mas também um homem religioso, a mera idéia de animais com eletricidade parecia mágica. Ele achava que tal idéia não tinha lugar na pesquisa científica. A perna da rã havia se movido, afirmou Volta, não por causa de uma eletricidade animal, mas por causa da eletricidade (produzida artificialmente e aplicada) fora da rã. Galvani, por outro lado, não podia acreditar no que Volta estava dizendo. Para Galvani, as idéias de Volta parecia incrivelmente obtusas (e contra o peso da evidência objetiva).
O debate entre os dois cientistas foi dos mais importantes e, dado a estrutura de tempo, teve conotações religiosas. Poderia o tipo de eletricidade que o homem produziu (artificialmente) ser o mesmo que Deus produzia (naturalmente)? ​​Galvani respondeu a essa pergunta "sim". Volta respondeu a essa pergunta "não", acreditando, e até mesmo a afirmando, que a ideia do oponente beirava à blasfêmia.
Quem estava certo ?

domingo, 15 de março de 2015

718 - Das colheres de medição ao soro caseiro

Aqui estão as cinco razões pelas quais estas colheres de medição são as melhores que existem:
  • São mais facilmente armazenadas e separadas do que as colheres de medição convencionais.
  • Suas extremidades estreitas cabem nos frascos de especiarias, evitando que os grãnulos sejam derramados. As extremidades redondas são para os líquidos.
  • Você pode colocar uma colher sobre o balcão que o seu conteúdo permanece nivelado.
  • Elas são feitas de plástico ABS - o mesmo material de que é feito o Lego. Em outras palavras, elas são quase indestrutíveis.
  • As diferentes cores em que são apresentadas tornam fáceis de serem lembradas ("A azul claro é uma colher de sopa").
Soro caseiro
O soro caseiro é uma tecnologia social que consiste na preparação e administração de uma solução aquosa de açúcar e sal de cozinha, recomendada para prevenir a desidratação resultante de vômitos e diarreias. Com a diarreia ou vômito ocorre perda de água e sais minerais pelo organismo. A função do soro caseiro, por via oral, é a de reposição das perdas dessas substâncias.
Para evitar erros nas concentrações de açúcar e sal na solução, a UNICEF divulga a utilização de uma colher-padrão que apresenta as medidas exatas para a preparação do soro.
O soro caseiro é preparado dissolvendo-se duas medidas rasas de açúcar (medida maior da colher-padrão) e uma medida rasa de sal (medida menor da colher-padrão) em um copo de água limpa (filtrada ou fervida).

quinta-feira, 12 de março de 2015

717 - No cruzamento da astronomia com a oncologia

Novas ferramentas na luta contra o câncer
"A astronomia e a oncologia não são parceiras óbvias, mas a busca de novas estrelas e galáxias tem semelhanças surpreendentes com a busca de células cancerosas. Isto tem conduzido a novas formas de acelerar a análise de imagens na pesquisa do câncer." 
Adaptando um software de análise de imagens de uso dos astrônomos, o  PathGrid, os pesquisadores estão sendo capazes, por exemplo, de analisar as imagens de tumores para reconhecer os três tipos de células presentes nas amostras de tecidos: células cancerosas, células do sistema imunológico e células do estroma.
Assim como a identificação de objetos em astronomia revela padrões ocultos e outras informações, as informações obtidas a partir das lâminas contam aos investigadores como os diferentes tipos de células se relacionam entre si.
E a coloração das amostras para seleccionar elementos, tais como proteínas potencialmente importantes, poderá também ajudar os investigadores a identificar novos biomarcadores de utilidade no diagnóstico e no prognóstico do câncer.
Leia mais em: http://phys.org/news/2015-02-astronomy-image-analysis-algorithms-cancer.html#jCp

domingo, 8 de março de 2015

716 - Dia Internacional da Mulher

Mensagem do Conselho Federal de Medicina:
Postagem do Acta, em 8 de março de 2013:
474 - Rita Lobato (e Maria Estrela, nos comentários da postagem)

sexta-feira, 6 de março de 2015

715 - Descoberta do fóssil mais antigo do gênero "Homo"

Uma equipe de cientistas confirmou nesta quarta-feira (4) a descoberta de um fóssil de um hominídeo de 2,8 milhões de anos, que se torna assim o mais antigo encontrado até agora do gênero "Homo", ao qual pertence o homem atual.
Trata-se de parte da mandíbula de um hominídeo (foto) achada em 2013 na Etiópia, cuja análise em dois estudos publicados na revista "Science" aponta que a divisão do gênero "Homo" ocorreu quase meio milhão de anos antes do que se tinha concluído anteriormente.
Os pesquisadores indicam que o fóssil combina os traços primitivos do "Australopithecus" com as características mais modernas do "Homo", que situariam este gênero antes no tempo, pelo menos de maneira incipiente.
"Apesar de muitas buscas, os fósseis da linhagem 'Homo' de mais de 2 milhões de anos são muito raros", afirmou Brian Villmoare, da Universidade de Nevada, um dos principais cientistas envolvidos na descoberta do fóssil.
Villmoare e sua equipe estudaram a fundo a mandíbula, que conta com cinco de seus dentes intactos, e descobriram que, embora a idade e localização do fóssil o coloquem perto do "Australopithecus afarensis", sua arcada dentária coincide mais com as primeiras espécies do "Homo".
O acadêmico explicou que o período que abrange entre 2 e 3 milhões de anos é um dos que tem mais lacunas a respeito do estudo das origens do homem. "Ter uma ideia da fase mais antiga da evolução de nossa linhagem é particularmente emocionante", afirmou.

terça-feira, 3 de março de 2015

714 - Leonard Nimoy (1931-2015)


Na última sexta-feira (27/02), faleceu em sua casa em Bel Air, Los Angeles, aos 83 anos, Leonard Nimoy, o Sr. Spock, o personagem meio humano, meio vulcano de "Star Trecks" (Jornada nas Estrelas).
Nimoy sofria de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e seu estado clínico era grave há algum tempo.
Esta doença está relacionada ao tabagismo. Ele foi fumante durante décadas, mas havia abandonado o vício há mais de 30 anos. Era crítico severo do cigarro e usava a si mesmo ("Don't smoke. I did. Wish I never had."), como exemplo, para tentar conscientizar outras pessoas a largarem o vício.
Seu último tweet, de 23/02:
"Uma vida é como um jardim. Podem ser vividos momentos perfeitos, mas não conservá-los eternamente, exceto na memória."
Descanse em paz, Leonard Nimoy. Spock vive. E nele o senhor viverá para sempre.
Leitura 
Leonard Nimoy, Spock of ‘Star Trek’, dies at 83, The NYT