quinta-feira, 8 de março de 2012

354 - Há risco de adquirir silicose na Lua?

Astronauta da missão Apollo 17.
poeira lunar cobre o terço inferior
de seu traje espacial. 
Se o plano de criar uma base na lua se tornar uma realidade, os cientistas terão antes de encontrar uma maneira de lidar com um inimigo pequeno, mas onipresente: a poeira lunar.
A poeira lunar é extremamente abrasiva, como os astronautas logo aprenderam nas missões Apollo dos anos 1960 e 70. Poucas horas depois da chegada à Lua, a poeira já cobria significativamente seus trajes espaciais e equipamentos.
Felizmente para os astronautas, o contato com a poeira lunar era curto.Mas os exploradores - que terão de viver em uma base lunar por semanas ou mesmo meses - sofrerão uma exposição prolongada que, em caso de falhas nos trajes espaciais e/ou nas câmaras pressurizadas, poderá lhes causar problemas pulmonares.
A poeira lunar é muito mais irregular do que a poeira da Terra, porque não há água ou vento na Lua para alisar suas bordas. É criada quando os meteoritos, raios cósmicos e ventos solares batem na Lua, transformando suas rochas em pó. Além disso, a poeira está repleta de cacos de vidro e minerais, numa mistura conhecida como aglutina, formada no calor do impacto dos meteoritos. Essa aglutina não é encontrada na Terra, e os cientistas temem que o corpo humano não seja capaz de eliminá-la de forma eficiente quando inalada.
Portanto, a poeira é o problema ambiental número 1 da Lua. Contendo sílica e apresentando-se na forma de pequenas partículas, com diâmetros de poucos micra, teme-se que eventualmente possa causar silicose nos operadores de uma base lunar.

Nenhum comentário: