quinta-feira, 20 de junho de 2024

1366 - A utilidade da cannabis medicinal

A utilidade dos canabinóides para tratar a maioria das condições médicas permanece, na melhor das hipóteses, incerta, mas para pelo menos três indicações os dados pendem a favor da eficácia, disse Ellie Grossman, MD, MPH, recentemente aos participantes no 2024 American College of Physicians Internal Medicine. Essas são 1) dores neuropáticas, 2) náuseas ou vômitos induzidos por quimioterapia e 3) espasticidade em pessoas com esclerose múltipla.
A pesquisa é extremamente escassa e de baixa qualidade na área por vários motivos. A maioria dos produtos testados vem de fora dos Estados Unidos e, muitas vezes, são sintéticos e tomados por via oral – o que não corresponde ao uso no mundo real quando os pacientes vão aos dispensários para comprar cannabis derivada diretamente das plantas (ou do próprio produto vegetal). Além disso, os estudos muitas vezes dependem de autorrelatos.
A dor crônica, portanto, é a principal razão pela qual os pacientes afirmam usar cannabis medicinal, disse Grossman. Uma revisão Cochrane de 16 estudos descobriu apenas que os benefícios potenciais da cannabis podem superar os danos potenciais da dor neuropática crónica.

quinta-feira, 13 de junho de 2024

1365 - Emissões mundiais de carbono. Perspectivas

Os carros e as centrais elétricas recebem mais atenção, mas as emissões provêm de várias atividades humanas.
Este gráfico as divide:
Perspectivas
Indústria. O cimento e o aço são duas das maiores fontes de emissões nesta categoria. Processos de baixo carbono estão sendo desenvolvidos.
Eletricidade. Boa notícia: os custos das energias renováveis, como a solar e a eólica, continuam a diminuir.
Agricultura. Para reduzir as emissões, precisamos de substituir os fertilizantes sintéticos que libertam óxido nitroso, um gás com efeito de estufa, quando decomposto pelos micróbios do solo.
Transporte. Um dos problemas com os veículos elétricos tem sido a baixa autonomia, a qual está a aumentar.

quinta-feira, 6 de junho de 2024

1364 - Vidas em fusão

Pela primeira vez em pelo menos um bilhão de anos, duas formas de vida fundiram-se num único organismo.
O processo, denominado endossimbiose primária, só aconteceu duas vezes na história da Terra , sendo que a primeira vez deu origem a toda a vida complexa tal como a conhecemos através das mitocôndrias.
A segunda vez que isso aconteceu foi no surgimento de plantas.
Agora, uma equipe internacional de cientistas observou o evento evolutivo acontecendo entre uma espécie de alga comumente encontrada no oceano e uma bactéria.
"A primeira vez que pensamos que isso aconteceu, deu origem a toda a vida complexa", disse Tyler Coale, pesquisador de pós-doutorado na Universidade da Califórnia, em Santa Cruz, que liderou a pesquisa em um dos dois estudos recentes que descobriram o fenômeno. "Tudo o que é mais complicado do que uma célula bacteriana deve a sua existência a esse acontecimento. Há cerca de um bilhão de anos, aconteceu novamente com o cloroplasto, e isso nos deu plantas."
O processo envolve as algas engolindo a bactéria e fornecendo-lhe nutrientes, energia e proteção em troca de funções que ela não poderia desempenhar anteriormente – neste caso, a capacidade de "fixar" o nitrogênio do ar.
As algas então incorporam a bactéria como um órgão interno chamado organela, que se torna vital para a capacidade de funcionamento do hospedeiro.
Os investigadores dos EUA e do Japão que fizeram a descoberta afirmaram que esta irá oferecer novas perspectivas sobre o processo de evolução , ao mesmo tempo que possui o potencial para mudar fundamentalmente a agricultura.
"Este sistema é uma nova perspectiva sobre a fixação de nitrogênio e pode fornecer pistas sobre como tal organela poderia ser transformada em plantas cultivadas", disse o Dr. Coale.
Os artigos que detalham a pesquisa foram publicados nas revistas científicas Science e Cell.
Os cientistas envolvidos vieram do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), da Universidade de Rhode Island, da Universidade da Califórnia, São Francisco, da UC Santa Cruz, do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, do Instituto de Ciências del Mar em Barcelona, da National Taiwan Ocean University. e a Universidade de Kochi, no Japão.

quinta-feira, 30 de maio de 2024

1363 - Fucsina

O nome fucsina foi dada ao composto por seu primeiro fabricante, a firma Renard frères et Franc. Aparentemente a etimologia deste nome resulta da semelhança da cor de sua solução com a cor das flores das plantas do gênero Fuchsia, cujo nome foi atribuído em honra do botânico Leonhart Fuchs. Uma explicação alternativa atribui a origem do nome fucsina a uma tradução para a língua alemã do nome da firma, já que Renard (em português: raposa) corresponde à palavra alemã Fuchs.
Um artigo publicado em 1861 no Répertoire de Pharmacie afirma que o nome foi escolhido por ambas as razões.
A fucsina (fenicada de Ziehl-Neelsen) é um dos componentes correntemente utilizados em laboratórios de histopatologia e microbiologia. Como exemplo, no decorrer do processo de coloração pela técnica de Gram, o qual permite diferenciar as bactérias gram-positivas das gram-negativas.
É também utilizada em odontologia para detectar a placa bacteriana nos casos iniciais (em que esta ainda não é visível).

quinta-feira, 23 de maio de 2024

1362 - O declínio da fertilidade é global

Serge Cannasse
1.º de março de 2024
Em 2021, o indicador global de fertilidade total indicou 2,1 filhos para cada mulher (5,1 em 1965, 2,8 em 2000). Vale lembrar que este indicador avalia o número de filhos que uma mulher teria se vivesse todo o seu período de potencial fertilidade nas condições atuais. O declínio da fertilidade não é o mesmo em todos os lugares. Geralmente é representado por país, o que tem duas desvantagens: a variabilidade entre estados é apagada, embora possa ser considerável, e não fornece nenhuma indicação do número de habitantes em questão. Para remediar isso, dois pesquisadores belgas (Université libre de Bruxelles) estão propondo um método cartográfico original.
Os pesquisadores identificaram 235 regiões com um tamanho de população semelhante (em média 33,7 milhões de habitantes), o que se aproxima da subdivisão em 239 países. No mapa-múndi, essas regiões são representadas por círculos de tamanhos muito similares. Quanto mais esparsos forem os círculos, menor será a densidade populacional. Por outro lado, os círculos próximos destacam áreas de alta concentração humana. Os dados mais recentes são de 2021.
Os autores construíram uma tipologia de oito categorias, cruzando os níveis atuais de fertilidade (2021) com as mudanças ocorridas desde 2000.

quinta-feira, 16 de maio de 2024

1361 - Síndrome de Tourette

Belo momento em que a multidão ajuda Lewis Capaldi a cantar a música "Someone You Loved" no Festival de Glastonbury. Ele é portador da síndrome de Tourette, uma condição que faz com que uma pessoa emita sons e movimentos involuntários chamados tiques.
Imaginem a onda de emoções que ele deve ter sentido. Inicialmente, pelo constrangimento e a frustração de sofrer em pleno show um episódio de sua doença. E, na sequência, com o carinho, o apoio e o conforto que recebeu dos fãs que deram continuidade à canção.
O que é a síndrome de Tourette
É um distúrbio neurológico caracterizado por tiques motores e vocais repetitivos e involuntários. Esses tiques podem variar em intensidade, frequência e tipo ao longo do tempo. Geralmente, os sintomas da síndrome de Tourette se manifestam na infância, entre as idades de 2 e 15 anos, e podem persistir ao longo da vida, embora possam diminuir em gravidade na idade adulta para muitas pessoas.
Os tiques motores são movimentos repentinos e involuntários, como piscar os olhos, franzir a testa, mexer o nariz, balançar a cabeça, encolher os ombros, entre outros. Os tiques vocais são sons ou palavras involuntários, como pigarrear, fungar, tossir, grunhir, repetir palavras ou frases aleatórias (ecolalia) ou proferir obscenidades (coprolalia) — este último é um sintoma raro e afeta apenas uma minoria dos indivíduos com síndrome de Tourette.
A causa exata da síndrome de Tourette não é completamente compreendida, mas parece envolver uma combinação de fatores genéticos e ambientais. Estudos sugerem que anormalidades em certas áreas do cérebro e desequilíbrios químicos, como níveis anormais de neurotransmissores como dopamina e serotonina, podem desempenhar um papel no desenvolvimento da síndrome.
Apesar de ser um distúrbio que pode causar desconforto e constrangimento, a maioria das pessoas com síndrome de Tourette pode levar uma vida plena e produtiva com o tratamento adequado. O tratamento pode incluir terapia comportamental, medicamentos para reduzir a gravidade dos tiques e outras intervenções, dependendo da gravidade dos sintomas e das necessidades individuais de cada paciente.

quinta-feira, 9 de maio de 2024

1360 - Braquidactilia

É uma anomalia genética que provoca o encurtamento de dedos da mão. Pode ocorrer somente em um dedo das mãos, mais comumente no polegar ou no dedo mínimo.
Esta característica genética pode ocorrer tanto como uma má-formação isolada ou como parte de uma síndrome da má-formação complexa. Algumas formas desta mutação também podem resultar em baixa estatura.
O diagnóstico é clínico, antropométrico e radiológico.
A cirurgia plástica é indicada apenas se a braquidactilia estiver afetando a função da mão ou por razões estéticas, mas normalmente não é necessária.
O polegar direito deste rapaz tem uma braquidactilia tipo D, o que faz com que o referido polegar seja mais curto.
Bem, esse é um fenômeno do qual esses pais devem se orgulhar. O filho deles realmente herdou um polegar de cada um deles. [rsrsrsrsrs]
Arquivo
559 - Nomenclatura para os dedos dos pés
1021 - O dedo de Morton
1189 - Adermatoglifia
1238 - A pentadactilia humana
1247 - Como as pontas amputadas dos dedos se regeneram

quinta-feira, 2 de maio de 2024

1359 - Os orifícios nas tampas das canetas esferográficas

Esses pequenos orifícios que existem nas tampas das canetas esferográficas foram colocados com um propósito que muitas pessoas desconhecem. Não são a consequência de um erro de fabricação nem foram feitos para evitar que a tinta seque.

A verdadeira razão por trás deles é evitar a asfixia no caso de alguém acidentalmente "engolir" a tampa. Há o temor de que as pessoas, em geral crianças, possam se asfixiar com elas.
Então, foi acrescentado esse furo na tampa de cada caneta, o qual permitirá a passagem de ar pela traqueia da pessoa engasgada até ser socorrida.
https://www.247mirror.com/pt/hidden-uses-features-common-everyday-items?ly=native_one

Como agir quando uma criança engasga 
http://www.tudoporemail.com.br/video.aspx?emailid=7273

quinta-feira, 25 de abril de 2024

1358 - Que é superdotação?

por André Gurgel
Superdotação ou altas habilidades é um dos temas mais fascinantes da psicopedagogia e da psicologia. Trata-se de uma condição em que o indivíduo demonstra uma capacidade de ter habilidades superiores ou um desempenho excepcionalmente alto ou potencial em uma ou mais áreas específicas, quando comparado à média da população.
Os estudos sobre superdotação começaram já no começo do século XX. No Brasil descobri que a primeira obra sobre o assunto "Educação dos Supernormais" foi publicada em 1926. Porém, o assunto é ainda completamente desconhecido do grande público, e a maioria dos professores, psicopedagogos e profissionais da saúde não têm ciência de como reconhecer que um aluno ou paciente tenha a condição. Projetos de lei na área nunca saem do papel!
Porém, qual a importância de saber reconhecer as características? Por que pessoas superdotadas precisam fazer o teste neuropsicológico? Muitas destas pessoas passam por muitos conflitos durante a infância e a adolescência. Em geral são vistos como "estranhos no ninho" e o sistema educacional não tem o preparo necessário para guiá-las. Em geral têm poucos amigos e são vistos pela maioria dos colegas como "doidos", "esquisitos" etc. As pessoas superdotadas podem enfrentar desafios únicos em suas vidas, incluindo questões de identidade, aceitação social e ajuste emocional.
Há quem ache que, superdotados, por serem inteligentes, estão com a vida ganha, terão lugar garantido como cientistas renomados como Einstein. Ledo engano! Muitos possuem hiperfoco, o que os torna obcecados por determinados temas mas mostram desinteresse total por outros, resultando algumas vezes em baixo rendimento escolar, podendo posteriormente chegar até a abandonar os estudos formais. Por exemplo: um indivíduo com talento excepcional para números, pode ter total desinteresse por outras disciplinas obrigatórias como português e literatura.
Há muitas questões que se devem levantar sobre o tema. Como surgem altas habilidades? Devem existir turmas especiais? Como treinar os professores para reconhecer alunos superdotados? Altas habilidades podem decorrer de genética?
Estamos negociando com uma instituição de ensino para oferecer o treinamento "Desvendando a Superdotação", um curso completo para capacitar os profissionais da saúde e da educação sobre o tema. Em breve teremos mais informações sobre a data e o horário.
Confira os detalhes do conteúdo no link: https://polimatiablog.wixsite.com/polimatia
Ver também: Atendimento Psicopedagógico

quinta-feira, 18 de abril de 2024

1357 - O desconhecido mundo dos nanoplásticos

A partir de uma nova técnica de microscopia, pesquisadores estadunidenses descobriram que há 100 mil moléculas de nanoplásticos por litro de água comercializada em garrafas plásticas e, pelo tamanho dessas partículas, elas podem penetrar no sangue e nas células. Segundo os cientistas, essas moléculas podem ser tóxicas, o que gera preocupação. O estudo que revelou essas informações foi publicado recentemente no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.
Nos últimos anos, aumentou a preocupação com a presença de microplásticos no planeta; atualmente, essas partículas podem ser encontradas no gelo das calotas polares, no solo, na água potável e nos alimentos. Formadas à medida que os plásticos se decompõem em partes menores, as partículas são consumidas por humanos e seres de outras espécies, com potenciais efeitos ainda desconhecidos na saúde e no ecossistema.
As partículas foram encontradas em vários órgãos humanos nos últimos anos, por exemplo, no pulmão e no fígado. No que diz respeito aos humanos, a questão da sua presença tem sido uma preocupação desde que um estudo publicado em 2018 mostrou que, de 259 garrafas examinadas provenientes de nove países diferentes, 93% tinham sinais de contaminação.
Feito graças a um novo método de espectrometria com maior definição, a originalidade deste trabalho reside no interesse pelo mundo pouco conhecido dos nanoplásticos, que resultam da decomposição dos microplásticos. Pela primeira vez, pesquisadores estadunidenses — principalmente biofísicos e químicos — contaram e identificaram estas minúsculas partículas na água engarrafada. Eles descobriram que, em média, um litro continha cerca de 240 mil fragmentos de plástico detectáveis, 10 a 100 vezes mais do que previam as estimativas anteriores, que analisaram sobretudo em moléculas de tamanhos maiores.
Os microplásticos são definidos como fragmentos cujo tamanho varia de 5 milímetros a 1 micrômetro, ou seja, 1 milionésimo de metro. (O diâmetro do fio de cabelo humano mede cerca de 70 micrômetros.) Os nanoplásticos, que são partículas menores que 1 micrômetro, são medidos em bilionésimos de metro.
Diferentemente dos microplásticos, os nanoplásticos são tão pequenos que podem passar pelas paredes do intestino e do pulmão e cair diretamente na circulação sanguínea, chegando a órgãos como o coração e o cérebro, bem como ao feto através da placenta.
O novo estudo usou uma técnica chamada Stimulated Raman Scattering Microscopy*, inventada pelo coautor o Dr. Wei Min, Ph.D., biofísico afiliado à Columbia University. Esta técnica consiste em sondar amostras usando dois lasers simultâneos que são ajustados para fazer ressoar determinadas moléculas.
Os pesquisadores testaram três marcas populares de água engarrafada vendidas nos EUA, analisando partículas de plástico de até 100 nanômetros. Os autores identificaram 110 mil a 370 mil partículas de plástico por litro, das quais 90% eram nanoplásticos — invisíveis por técnicas convencionais de imagem — e o restante era de microplásticos. Os pesquisadores também determinaram qual dos sete plásticos específicos eram as partículas encontradas.
O tipo mais abundante é resultante da poliamida, um tipo de náilon. Ironicamente, segundo o Dr. Beizhan, isso provavelmente vem dos filtros de plástico usados para supostamente purificar a água antes de ser engarrafada. [2] Em segundo lugar, vem o tereftalato de polietileno (PET), o que não é surpreendente, já que muitas garrafas d’água são feitas deste material (assim como outros recipientes alimentares). Por fim, os pesquisadores encontraram outros plásticos comuns, como o poliestireno, o cloreto de polivinilo e o polimetilmetacrilato, todos usados em vários processos industriais.
O que é mais preocupante é que os sete tipos de plástico analisados pelos pesquisadores representavam apenas cerca de 10% de todas as nanopartículas encontradas nas amostras e os autores não fazem ideia da composição dos 90% restantes. Se todas forem nanopartículas, a concentração pode ser de dezenas de milhões por litro.
Os pesquisadores vão agora para além da água engarrafada. "Há um vasto mundo de nanoplásticos a ser estudado", disse Dr. Wei. O biofísico observou que, em termos de massa, os nanoplásticos são muito menos numerosos do que os microplásticos, mas "não é o tamanho que conta, e sim a quantidade, porque quanto menores as partículas, mais facilmente podem entrar no organismo”.
*A espectroscopia Raman e a microespectroscopia Raman (Stimulated Raman Scattering Microscopy) são métodos não destrutivos de observar e caracterizar a composição molecular e a estrutura externa de um material, explorando o fenômeno físico pelo qual um meio altera ligeiramente a frequência da luz que o penetra.
http://portugues.medscape.com/verartigo/6510636, Medscape.

quinta-feira, 11 de abril de 2024

1356 - Por que a urina é amarela?

É uma pergunta que as crianças fazem assim quando perguntam por que o céu é azul. Então, por que o xixi é amarelo? Qualquer resposta além de "não sei" é provavelmente mais divertida do que a verdade que os cientistas nos revelaram. Uma enzima até então desconhecida chamada bilirrubina redutase está por trás disso. A bilirrubina redutase não é amarela, mas comanda o processo.
Nosso corpo está sempre produzindo novos glóbulos vermelhos e eliminando os antigos. Os glóbulos vermelhos velhos liberam um pigmento laranja chamado bilirrubina à medida que morrem. Várias espécies de micróbios intestinais em nosso corpo usam a enzima bilirrubina redutase para decompor a bilirrubina em urobilinogênio, o qual fica amarelo à medida que se degrada. Os bioquímicos que estudam a questão há mais de um século (não os mesmos cientistas o tempo todo) sabiam sobre a bilirrubina e o urobilinogênio, mas a relação entre eles é a descoberta que faz tudo funcionar. Esses micróbios que produzem a bilirrubina redutase estão nos fazendo um grande favor, porque o excesso de bilirrubina causa icterícia. Você pode ler sobre os experimentos que revelaram a nova enzima na Ars Technica.
Mas e se a sua urina não for amarela? Talvez você precise consultar um médico.
Fontes:
https://www.neatorama.com/2024/01/30/Scientists-Finally-Know-Why-Urine-is-Yellow/
https://www.healthline.com/health/urine-color-chart
https://arstechnica.com/science/2024/01/gotta-go-weve-finally-found-out-what-makes-urine-yellow/
https://doi.org/10.5281/zenodo.10058858

quinta-feira, 4 de abril de 2024

1355 - Entre médicos e farmacêuticos

Caligrafia, a arte da escrita bela, é uma arte visual afim ao desenho. Sua técnica consiste em traçar uma determinada forma de escrita de forma elegante, harmoniosa e regular. Por extensão de sentido, a caligrafia passou a denominar a escrita em geral e a forma pessoal como cada indivíduo escreve.
Criada por Alexis Moyano, o Médico Regular é uma fonte livre com a aparência da caligrafia típica dos médicos. Tão "legível" quanto deveria ser: com maiúsculas "razoavelmente" claras, minúsculas quase iguais e lineares e números que "podem ser entendidos", embora alguns considerem estes últimos "muito legíveis".
Então, agora os profissionais podem ter todas as vantagens dos dois mundos. O valor estético da caligrafia e a praticidade de escrever ao computador e imprimir em papel. Além disso, esse tipo de letra consegue preservar o indevassável segredo entre médicos e farmacêuticos, ocultando criptograficamente a mensagem para que apenas aqueles que deveriam lê-la possam lê-la, mas não os mortais comuns.
https://www.microsiervos.com/archivo/arte-y-diseno/tipografia-gratuita-letra-medicos.html
Arquivo
539 - Letra de médico
694 - Letra de médico (slideshow)
1156 - É verdade que só farmacêutico entende letra de médico?
1172 - Letra de médico (teorias)

quinta-feira, 28 de março de 2024

1354 - A expedição de Magalhães e a vitamina C

Dos 250 marinheiros que partiram da Espanha em viagem com Fernão de Magalhães e Juan Sebastián Elcano, apenas 18 completaram a circum-navegação da Terra há mais de 500 anos.
Um dos grandes problemas durante a travessia foi o escorbuto, uma doença que surge após grandes períodos sem o consumo de alimentos frescos.
A falta de ingestão de vitamina C faz com que seus níveis se reduzam, o que nos impede de sintetizar uma proteína – o colágeno – que é essencial para manter e regenerar muitos dos nossos tecidos.
Nosso organismo possui um mecanismo de síntese da vitamina C, mas incompleto. Isso explica por que não podemos produzi-la e precisamos consumir a vitamina em alimentos frescos.
Os gatos não têm esta necessidade porque são capazes de sintetizar sua própria vitamina C. Por isso, eles nunca sofrem de escorbuto.

quinta-feira, 21 de março de 2024

1353 - Más notícias

Em "Três Homens em um Barco" (1889), o narrador lê um livro de medicina e fica impressionado com a certeza de que tem todas as condições ali descritas:
Cheguei à febre tifóide - li os sintomas - descobri que estava com febre tifóide, devo tê-la há meses sem saber - e me perguntei o que mais eu tinha contraído; procurei a Dança de São Vito - descobri, como eu esperava, que eu também tinha isso... Procurei conscientemente nas vinte e seis letras do alfabeto, e a única doença que pude concluir que não contraí foi o joelho da empregada doméstica (bursite pré-patelar).

Este é um fenômeno reconhecido. Em 1908, o neurologista de Boston George Lincoln Walton relatou:
Os instrutores médicos são continuamente consultados por estudantes que temem ter as doenças que estudam. O conhecimento de que a pneumonia produz dor num determinado local leva a uma concentração de atenção naquela região, o que faz com que qualquer sensação ali dê alarme. O mero conhecimento da localização do apêndice transforma as sensações mais inofensivas daquela região em sintomas de uma grave ameaça.
Em 2004, o psiquiatra da Universidade de Toronto, Brian Hodges, observou que se diz que a "doença dos estudantes de medicina" afeta 70 a 80 por cento dos estudantes, muitas vezes invadindo os seus sonhos. Walton escreveu: "O estudante sensato aprende a acalmar esses medos, mas a vítima de 'hipos' (hipocondria) retorna repetidamente para exame, e talvez finalmente chegue ao ponto de transmitir, em vez de obter, informações".

Um homem que mudava constantemente de médico finalmente chamou um jovem médico que estava apenas começando sua prática.
"Perco o fôlego quando subo uma colina ou um lance de escadas íngremes", disse o paciente. "Se eu me apresso, muitas vezes sinto uma dor aguda na lateral do corpo. Esses são os sintomas de um grave problema cardíaco."
"Não necessariamente, senhor", começou o médico, mas foi interrompido.
"Perdão!" disse o paciente irritado."Não cabe a um jovem médico como o senhor discordar de um inválido velho e experiente como eu, senhor!"
(https://www.futilitycloset.com/2023/12/30/bad-news-2/)

quinta-feira, 14 de março de 2024

1352 - Descobertas acidentais na história da medicina

A história da medicina está repleta de descobertas inovadoras que alteraram a forma como percebemos e tratamos as doenças. Curiosamente, muitas dessas descobertas médicas foram resultado do acaso, e não de um projeto completo ou de experimentação rigorosa, mas mudaram para sempre o rumo da medicina.
1772, Joseph Priestly: Óxido nitroso (gás hilariante; para uso em anestesiologia na década de 1840)
1895, Wilhelm Conrad Roentgen: Raios-X
1928, Alexander Fleming: Penicilina
1930, Karl Paul Link: Varfarina (anticoagulante)
1956, Wilson Greatbatch: Marca-passo cardíaco implantável 
1996, Lab. Pfizer: Sildenafil (patente para uso na disfunção erétil)
Os exemplos aqui apresentados demonstram não apenas a natureza imprevisível do avanço científico, mas também a necessidade de estar preparado para aproveitar oportunidades inesperadas na busca por uma saúde melhor.
TudoPorEmail

quinta-feira, 7 de março de 2024

1351 - O poder de Marie Curie

De olho na descoberta da radioatividade e no trabalho memorável de Marie Curie sobre o rádio, Jenn Shapland (autor de "Thin Skin") escreveu:
Logo após a sua descoberta, o rádio tornou-se um negócio multimilionário. Durante quatro décadas, foi possível comprar creme rejuvenescedor para a pele com rádio, batom, chá, sais de banho, tônico de crescimento capilar, “um saco contendo rádio usado perto do escroto”, do qual se dizia que "restaurava a virilidade”. Havia creme dental com rádio para potencializar o clareamento. A radioterapia, chamada Curieterapia na França, começou a ser usada para tratar o câncer. Foi inicialmente inserido por meio de cinquenta agulhas no tecido mamário, ou por “sementes” de radônio que causaram reações graves. Existia uma “bomba vaginal de rádio constituída por uma esfera de chumbo sustentada por uma haste para a inserção” para tratamento do câncer. Marie e sua filha Irene levaram um carro radiológico para o front na Primeira Guerra Mundial para radiografar soldados. Mais tarde, ela forneceu lâmpadas de rádio ao serviço de saúde francês para tratar militares e civis feridos e doentes com radioterapia.
A descoberta da radioatividade é uma história de ignorância intencional, de saber, mas desejar não saber, fingindo não saber, quão poderosa e prejudicial ela era. Cientistas e vendedores acreditavam em seu poder de curar. O rádio era prejudicial o suficiente para matar o câncer, para queimar a pele de Pierre através do frasco de vidro no bolso do colete, mas de alguma forma não era considerado prejudicial o suficiente para matar os cientistas que o manuseavam o dia todo, nem as pessoas que escovavam os dentes com ele. Marie mantinha um frasco na mesa de cabeceira para aproveitar seu brilho enquanto dormia. Ela o chamou de filho.
Esta recusa científica em acreditar no que é óbvio porque não pode ser provado, porque é tecnicamente incerto, acompanha até hoje a nossa compreensão das substâncias tóxicas.
Esta cegueira em relação à ligação, à causalidade e às consequências da radioatividade não é surpreendente: para alcançar o que conseguiu, contra as probabilidades do seu tempo e lugar, Marie Curie teve de ser rígida. Talvez uma pele mais fina, com o seu consequente poder de ver a permeabilidade e a interdependência das coisas, teria salvado sua vida, tê-la-ia poupado da tragédia que Adrienne Rich capturou de forma tão pungente nas palavras finais do seu magnífico tributo a Curie:
Ela morreu como uma mulher famosa
negando que seus ferimentos
vinham da mesma fonte que seu poder.
Extraído de: The Power of a Thin Skin, de Maria Popova
Arquivo Nov'Acta:

quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

1350 - A queimadura fractal

O Conselho da American Association of Woodturners (AAW), através do seu Comitê de Segurança, enfatiza os perigos associados ao processo conhecido como Lichtenberg, ou queima "fractal", uma técnica de embelezamento que utiliza corrente eléctrica de alta tensão para queimar padrões na madeira. Esta prática muitas vezes insegura e potencialmente fatal voltou a surgir nos noticiários e nas redes sociais, após um incidente com duas vítimas em abril de 2022.
Aprenda sobre os perigos ocultos
A queima fractal representa um risco oculto significativo de eletrocussão. Muitos dos vídeos do YouTube que mostram como construir estes dispositivos em casa não abordam adequadamente as preocupações de segurança inerentes. Muitos usuários pensam que estão seguros, mas o número de feridos graves e mortes diz o contrário.
A queima fractal matou e pode matar você
A AAW proibiu o uso deste processo em todos os seus eventos e proibiu artigos sobre o uso de um queimador fractal em todas as suas publicações. Os casos relatados de mortes por queimadura fractal variam de marceneiros amadores, passando por marceneiros experientes, até um eletricista com muitos anos de experiência trabalhando com eletricidade. Basta um pequeno erro e você está morto; não ferido, morto. Alguns dos que morreram tinham experiência no uso do processo e outros não. O que é comum a todos eles: a queima fractal os matou.
A eletricidade de alta tensão é um assassino invisível; o usuário não pode ver o perigo. É fácil ver o perigo de uma lâmina de serra girar. É muito óbvio que entrar em contato com uma lâmina em movimento causará ferimentos, mas em quase todos os casos uma lâmina giratória não o matará. Com a queima fractal, um pequeno erro e você está morto.
Isso é verdade quer você esteja usando um dispositivo caseiro ou fabricado.
Existem muitas maneiras de expressar sua criatividade. Não use queima fractal. Se você tiver um gravador fractal, jogue-o fora. Se você está estudando a queima fractal, pare agora e passe para outra coisa. Isso pode salvar sua vida. — Rick Baker, presidente do Comitê de Segurança da AAW
Até o momento em que esta nota foi escrita, em julho de 2021, 30 pessoas foram mortas usando um queimador fractal ao que conhecemos. Definitivamente há mais, mas eles simplesmente não foram divulgados na mídia.
Por que a queima de Lichtenberg é perigosa
A queima de Lichtenberg funciona passando eletricidade em altíssima voltagem entre dois eletrodos enquanto eles estão em contato com um pedaço de madeira. Um eletrólito (uma solução que conduz eletricidade) é frequentemente colocado na madeira para ajudar a eletricidade a se mover entre os dois eletrodos. A eletricidade busca o caminho de menor resistência enquanto gera calor ao longo da superfície da madeira e entre os eletrodos, queimando a madeira à medida que avança.
A eletrocussão acontece quando a eletricidade de alta voltagem entra por qualquer parte do corpo, passa pelo coração e sai do corpo. Se você segurasse um eletrodo de um queimador de Lichtenberg em cada mão enquanto a voltagem estivesse ligada, a eletricidade poderia fluir de uma mão, através do seu coração, e sair pela outra. Isso pode parar seu coração e matá-lo. O contato acidental da pele com um eletrodo energizado, o eletrólito, um fio solto ou até mesmo ficar sobre um piso condutor pode contribuir para condições que causam eletrocussão.
Extraído de: Fractal Burning Kills; AAW Reiterates the Dangers

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024

1349 - O caso mais famoso de Robert Liston

Robert Liston (28 de outubro de 1794 – 7 de dezembro de 1847) foi um cirurgião escocês. Era conhecido por sua velocidade e habilidade em operar pacientes numa era anterior à anestesia, quando a velocidade fazia diferença em termos de dor e sobrevivência. Liston foi o primeiro professor de cirurgia clínica no University College Hospital, em Londres, e realizou a primeira operação pública utilizando anestesia moderna na Europa. Em 1837, publicou a "Practical Surgery", defendendo a importância das cirurgias rápidas: "estas operações devem ser realizadas com determinação e concluídas rapidamente."
O médico e romancista Richard Gordon, em "Great Medical Disasters" (apud Wikipedia) descreveu Liston como "o bisturi mais rápido de West End. Ele poderia amputar uma perna em 2 minutos". Gordon descreveu uma cena assim:
"Ele tinha um metro e noventa de altura e operava com um casaco verde-garrafa e botas de cano alto. Ele saltou sobre as tábuas manchadas pelo sangue de seu paciente desmaiado, suado e amarrado. E, como um duelista, a gritar 'Time me, gentlemen' (Tempo para mim, cavalheiros) para os estudantes que se esticavam (com os relógios de bolso nas mãos) nas galerias com grades de ferro. Todos juravam que o primeiro clarão de sua faca foi seguido tão rapidamente pelo raspar da serra no osso que a visão e o som pareciam simultâneos. Para deixar livres ambas as mãos, ele segurava a faca ensanguentada entre os dentes."
Naquela época, os cirurgiões operavam com sobrecasacas endurecidas pelo sangue - quanto mais rígido o casaco, mais prestigiado e orgulhoso o cirurgião."O pus era tão inseparável da cirurgia quanto o sangue" e "A limpeza era ao lado do pudor". Cita Sir Frederick Treves: "Não havia nenhum problema em não estar limpo... Na verdade, a limpeza estava fora de lugar. Era considerada uma doença e uma afetação. Um carrasco poderia muito bem cuidar das unhas antes de cortar uma cabeça". 
A conexão entre higiene cirúrgica, infecção e taxas de mortalidade materna no Hospital Geral de Viena só foi feita em 1847 pelo médico vienense Dr. Ignaz Philipp Semmelweis, da Hungria, após a morte de um colega próximo. Ele instituiu as práticas de higiene exortadas por Holmes e a taxa de mortalidade caiu.
Embora as contribuições pioneiras de Liston sejam homenageadas na cultura popular, elas são mais conhecidas na fraternidade médica e em disciplinas relacionadas.
  • Liston se tornou o primeiro professor de clínica cirúrgica no University College Hospital em Londres, em 1835.
  • Realizou a primeira operação pública na Europa, utilizando-se da anestesia moderna (éter), em 21 de dezembro de 1846.
  • Impactou de forma duradoura dois alunos de seus alunos: James Simpson , que viria a ser um pioneiro no uso do clorofórmio como anestésico; e Joseph Lister, pioneiro da técnica asséptica.
  • Inventou o esparadrapo transparente de cola de peixe, uma pinça bulldog (um tipo de pinça arterial de bloqueio) e uma tala para perna usada para estabilizar luxações e fraturas do fêmur, ainda usada hoje.
O caso mais famoso de Roberto Liston
Embora o livro "Great Medical Disasters", de Richard Gordon (1983), preste homenagem a aspectos do caráter e ao legado de Liston, conforme observado em outras partes deste artigo, é a descrição de alguns dos seus casos mais famosos que abriu caminho principalmente para o que é conhecido sobre Liston na cultura popular. 
Gordon descreve o que ele chama de o caso mais famoso de Liston em seu livro, conforme citado abaixo.
Estava Liston tão concentrado com a velocidade daquela amputação (dois e meio minutos) que ele, acidentalmente, cortou os dedos de seu assistente junto com a perna do paciente. E, quando ele voltou a empunhar a faca, acidentalmente cortou a aba do casaco de um espectador, que desmaiou no local.
Mais do que um simples desmaio, o espectador morreu a seguir de choque. Quanto ao paciente e ao assistente, como geralmente acontecia naqueles tempos pré-Listerianos, ambos faleceram de gangrena infecciosa nas enfermarias do hospital.
As três mortes tornaram a operação de Liston "a única com uma taxa de mortalidade de 300%". Mas, como nenhuma fonte primária confirma, é possível que essa cirurgia não tenha acontecido.
http://en.wikipedia.org/wiki/Robert_Liston
http://pt.quora.com/Qual-cirurgia-por-se-s%C3%B3-teve-a-maior-taxa-de-mortalidade (imagem)
http://www.theatlantic.com/health/archive/2012/10/time-me-gentlemen-the-fastest-surgeon-of-the-19th-century/264065/

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2024

1348 - A verdade sobre a vaporização

Noções básicas de vaporização. Estou usando o termo para abranger cigarros eletrônicos e produtos vaping. O termo utilizado na literatura científica é ENDS, que significa sistemas eletrônicos de entrega de nicotina. Nestes sistemas, uma serpentina de aquecimento vaporiza o fluido colocado no dispositivo. O fluido inclui frequentemente um veículo de propilenoglicol e glicerol, bem como nicotina. Aromas – sabores de frutas, mentol, menta, doces e sobremesas – são aditivos comuns. O tetrahidrocanabinol pode, e frequentemente é, ser adicionado ao líquido. O vapor aerossolizado, formado pelo contato do líquido com a serpentina de aquecimento, é então inalado.
Efeitos físicos da vaporização. Os constituintes dos fluidos utilizados nos cigarros eletrônicos têm efeitos individuais e combinados.
A nicotina liga-se aos receptores nicotínicos e seus efeitos são o aumento da frequência cardíaca, da contratilidade, da carga de trabalho e da pressão arterial, que teoricamente podem levar ao remodelamento cardíaco, insuficiência cardíaca e aumento da suscetibilidade a arritmias.
O propilenoglicol e o glicerol apresentam evidências emergentes de efeitos cardiopulmonares diretos em algumas pessoas, incluindo respiração ofegante, tosse seca e irritação na garganta.
Os aromas têm vários efeitos. Os adoçantes, quando aerossolizados, geram aldeídos reativos que são considerados os principais contribuintes para doenças cardiovasculares induzidas pelo cigarro e DPOC. Outros aromatizantes podem danificar o DNA nos tecidos vasculares e pulmonares.
O níquel e o cromo liberados do elemento de aquecimento também são inalados com o aerossol. Foi demonstrado em modelos de ratos que causam pneumonite e inflamação pulmonar. Acredita-se que o níquel seja cancerígeno.
Tanto os produtos que contêm como os que não contêm nicotina podem aumentar a ativação, reatividade e agregação plaquetária; rigidez vascular; e espécies reativas de oxigênio, além de diminuir a utilização de glicose no cérebro.
Pessoas que vaporizam têm maior probabilidade de desenvolver tosse crônica, maior produção de catarro e irritação das vias aéreas superiores. Estudos em animais sugeriram que o aerossol pode causar disfunção ciliar nas vias aéreas, e raspagens nasais de pessoas que usam vape mostram supressão de genes de resposta imunológica e inflamatória, sugerindo um aumento da suscetibilidade à infecção.
Alguns estudos mostram que a vaporização induz obstrução das vias aéreas. Este efeito é provavelmente maior naqueles com predisposição para doença obstrutiva das vias aéreas. Pneumonite eosinofílica, pneumonia de hipersensibilidade e doença pulmonar intersticial foram relatadas.
Além dos efeitos adversos comuns, a vaporização tem sido associada a uma nova entidade clínica, a lesão pulmonar associada ao cigarro eletrônico ou à vaporização (EVALI). Até 2020, ocorreram 2.807 hospitalizações e 68 mortes por EVALI. Os pacientes apresentam sintomas gerais, como fadiga e febre, além de sintomas gastrointestinais proeminentes, e o desconforto respiratório é um componente importante. A radiografia de tórax normalmente mostra aparência de vidro fosco bilateral simétrica e difusa. Metade desses casos exigiu internação em UTI.
Às vezes somos questionados se a vaporização pode ser usada para parar de fumar. Embora não seja aprovado pela FDA para este fim, a declaração cita uma análise recente da Cochrane que mostra que os produtos vaping contendo nicotina eram cerca de 50% mais eficazes do que a terapia de substituição de nicotina.
Efeitos a longo prazo. A maioria dos efeitos adversos conhecidos são de curto prazo porque os cigarros eletrônicos não existem há tempo suficiente para determinar os efeitos a longo prazo.
Até que esses dados estejam disponíveis, os modelos animais servem como os melhores substitutos disponíveis para a questão de saber se a vaporização aumenta o risco a longo prazo. Esses modelos animais mostram que a vaporização aumenta o estresse oxidativo, a inflamação e os danos ao DNA, o que sugere que a vaporização pode aumentar o risco de DPOC e câncer de pulmão. A declaração científica conclui que a presença destes efeitos agudos “sugere que o uso do sistema eletrônico de administração de nicotina não é benigno e levanta a possibilidade de que os impactos adversos possam se acumular ao longo do tempo”. Além disso, a declaração científica observa que os efeitos fisiológicos da vaporização são semelhantes aos resultados demonstrados nas fases iniciais do consumo de cigarros.
Meu resumo: Vaping não é uma boa ideia. A nicotina contida nos produtos torna-os viciantes e foram demonstrados efeitos colaterais de curto prazo que variam de leves a muito graves, incluindo internação em UTI. A probabilidade de danos a longo prazo aos pulmões, coração e sistema vascular é alta.
Neil Skolnik, MD. The Truth About Vaping, Medscape

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2024

1347 - Diga "trinta e três"

"É a expressão que um paciente de língua latina (fr: trente-trois, it: trentatrè, ro: treizeci şi trei , esp: treinta y tres e pt: trinta e três) deve pronunciar quando um médico está ouvindo seus pulmões com o estetoscópio. De fato, o som TR ... TR ... faz os pulmões vibrarem, facilitando a detecção de uma possível anomalia respiratória."
https://www.archimedes-lab.org/numbers/Num24_69.html
Numberopedia, onde está a explicação acima, cometeu um equívoco de semiologia respiratória. No exame físico do tórax, que consta das seguintes etapas: inspeção, palpação, percussão e ausculta, o paciente é solicitado a dizer o "trinta e três" enquanto está sendo realizada a palpação.
Na palpação (tato) é quando se confere o frêmito toracovocal (FTV), isto é, a vibração transmitida das cordas vocais à parede torácica. A sensação tátil será percebida com a face palmar inferior da mão do examinador, enquanto o paciente pruncia palavras ricas em consoantes como "trinta e três".
De um modo geral, pode-se dizer que as afecções pleurais são "antipáticas" ao FTV. Nas condensações pulmonares, desde que os brônquios estejam permeáveis, o FTV torna-se mais nítido; enquanto nas atelectasias, com os brônquios estando ocluídos, o FTV fica diminuído ou mesmo ausente..
Os resultados coincidem com a manobra do FTV, porque as vibrações são facilmente percebidas no tórax pelo tato (FTV). Por isso, a ausculta da voz é pouco usada.
Quando se ausculta com nitidez a voz falada, chama-se pectorilóquia fônica; com a voz cochichada, pectorilóquia afônica.
Conheci um cirurgião torácico, Dr. Glauco Lobo (pai), que preferia utilizar-se da palavra "fevereiro" para conferir o FTV.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2024

1346 - Mortalidade associada à cirurgia brasileira de lifting de nádegas: a experiência do sul da Flórida

Uma trágica interação entre beleza e morte levou dois profissionais médicos a escreverem este alerta para seus colegas:
"Mortalidade brasileira associada à elevação do bumbum: a experiência do sul da Flórida", Pat Pazmiño e Onelio Garcia, Jr. , Aesthetic Surgery Journal, vol. 43, n.º 2, fevereiro de 2023, pp 162-178.
Os autores relatam:
Embora a mortalidade relacionada ao BBL (Brazilian Butt Lift) esteja geralmente associada ao sul da Flórida, ela afeta todo o país. Cirurgiões plásticos e prestadores de cuidados primários de todo os Estados Unidos telefonam rotineiramente sobre os seus pacientes que viajaram para o sul da Florida para um BBL econômico e depois regressaram a casa com complicações graves e sem meios razoáveis de contactar o médico que realizou a cirurgia. Estas questões só irão piorar à medida que as clínicas econômicas e de grande volume do Sul da Florida estão agora a espalhar-se pelos Estados Unidos, abrindo escritórios e trazendo o seu modelo de prática para novas cidades americanas.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2024

1345 - Ascensão e queda dos dinossauros

O que aprendi lendo o livro ASCENSÃO E QUEDA DOS DINOSSAUROS de Steve Brusatte, por Ana Margarida
A Terra se formou há cerca de 4,5 bilhões de anos. As primeiras bactérias microscópicas desenvolveram-se algumas centenas de milhões de anos depois.
Durante, aproximadamente, 2 bilhões de anos, o mundo era habitado por bactérias.
Não havia plantas nem animais, nada que pudesse ser visto a olho nu.
Há, aproximadamente, 1,8 bilhão de anos, essas células simples desenvolveram a capacidade de se agruparem em organismos maiores e mais complexos.
Houve uma era glacial global - que cobriu quase o planeta inteiro com geleiras.
Os primeiros animais eram simples sacos moles de gosma, semelhantes à esponjas e águas-vivas.
Há cerca de 540 milhões de anos, no período Cambriano, surgiram formas de animais com esqueleto.
Eles foram se multiplicando e ficando diversos e abundantes. Começaram a comer uns aos outros.
Há 390 milhões de anos, alguns transformaram as nadadeiras em braços e deixaram a água com destino à terra.
Há cerca de 240 a 230 milhões de anos, os primeiros dinossauros, como o Herrerasaurus e o Eoraptor, desenvolveram-se a partir de seus ancestrais dinossauromorfos do tamanho de gatos.
Nesse período, não havia continentes individuais. O que havia era uma grande massa sólida e ininterrupta de terra - supercontinente (Pangeia) e o oceano (Pantalassa).
Os mamíferos só explodiram em diversidades na Terra - após a recuperação dos ecossistemas - 500 mil anos depois do dia mais destrutivo da história da Terra, quando um cometa ou asteroide colidiu com a Terra e sentenciou a morte os dinossauros.
Entre os mamíferos que surgiram, um do tamanho de um filhote de cachorro chamado Torrejonia viveu cerca de 3 milhões de anos depois da queda do asteroide.
Ele pulava nas árvores com seus dedinhos magrelos agarrados aos galhos.
60 milhões de anos de evolução transformariam esses humildes protoprimatas em macacos bipedes, filósofos , escritores, crentes, não crentes etc (os sapiens).
Se o asteroide não tivesse caído, provavelmente, nós não estaríamos aqui, e, sim, os dinossauros.
Os dinossauros viveram 150 milhões de anos e se extinguiram.
Se aconteceu com os dinossauros, pode acontecer conosco.
Oh!
Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg, blog Memórias
Sampa, 12.01.2024

quinta-feira, 18 de janeiro de 2024

1344 - Alimentos ultraprocessados

Os ultraprocessados representam quase 75% de todos os alimentos consumidos nos Estados Unidos e cerca de 60% da ingestão calórica diária dos estadunidenses. Um conjunto significativo de pesquisas vem associando o consumo desses alimentos — repletos de açúcar, sal, gordura, corantes artificiais ou conservantes — a problemas como câncer, diabetes e doenças cardíacas.
Mais recentemente, um número crescente de estudos também tem associado esse tipo de alimento a prejuízos na saúde cerebral, inclusive com um aumento do risco de demência, transtornos depressivos e de ansiedade. Além disso, alguns especialistas têm defendido a implementação de políticas de saúde pública destinadas a reduzir o consumo de ultraprocessados.
No entanto, quais os fundamentos científicos por trás da associação entre os ultraprocessados e a saúde cerebral e o que isso significa para médicos e pacientes?
Uma avaliação rigorosa
Por serem um dos pilares da alimentação em diversos países ao redor do mundo, os ultraprocessados têm sido avaliados rigorosamente devido à sua associação com doenças importantes. Os ingredientes usados na preparação desses alimentos têm pouco ou nenhum valor nutricional, já que a sua principal função é aumentar a vida útil e a palatabilidade dos produtos. Algumas evidências recentes sugerem que esses alimentos podem ser tão viciantes quanto o tabaco. Além disso, dois estudos de análise agrupada usando a Yale Food Addiction Scale mostraram que 14% dos adultos e 12% das crianças nos EUA podem ser dependentes de ultraprocessados.
A ferramenta mais utilizada para determinar se um alimento é ou não ultraprocessado foi desenvolvida em 2009 por pesquisadores brasileiros. A classificação NOVA é um sistema que divide os alimentos e bebidas em quatro grupos:
  • Alimentos in natura ou minimamente processados, como frutas, vegetais, leite e carne;
  • Ingredientes culinários processados, como açúcar refinado, manteiga e óleos derivados de sementes, nozes e frutas;
  • Alimentos processados, como extrato de tomate, bacon, atum enlatado e vinhos; e
  • Alimentos ultraprocessados, como refrigerantes, sorvetes, cereais matinais e refeições pré-embaladas.
Kelli Whitlock Burton, Medscape

quinta-feira, 11 de janeiro de 2024

1343 - Vacina anti-HIV: de volta à estaca zero

O ensaio clínico que testava dois esquemas experimentais de vacinas contra o vírus da imunodeficiência humana (HIV) na África foi interrompido após os pesquisadores anunciarem que as chances são "praticamente nulas" de o estudo demonstrar a eficácia desses imunizantes.

Agora, será preciso voltar à estaca zero. Mas não podemos e não perderemos a esperança de que o mundo tenha uma vacina eficaz contra o HIV que seja acessível a todos que precisam dela, em qualquer lugar do planeta.

Liderado pela África e apoiado pela Europa, o estudo vinha sendo realizado desde 2018 em quatro centros em Uganda, Tanzânia e África do Sul e contou com 1.513 participantes entre 18 e 40 anos de idade.

Na região leste e sul da África, onde o ensaio clínico está sendo executado, vivem quase 21 milhões de pessoas com aids — no mundo todo, há 39 milhões de indivíduos com a doença.

A falta de uma vacina contra o HIV continua a frustrar pacientes e cientistas, especialmente porque os imunizantes que protegem de outras doenças, como a covid-19, foram criados em tempo recorde. Mas combater a covid-19 foi um desafio completamente diferente.

Estamos fazendo algo muito mais difícil com o HIV do que fizemos com a covid-19. As vacinas anticovídicas impedem que o indivíduo fique doente, mas as pessoas continuam sendo infectadas. No caso do HIV, é preciso evitar a infecção, e isso requer muito mais anticorpos e uma resposta imunitária muito melhor.

Embora existam outras ferramentas de prevenção do HIV, a vacina é a única maneira de atingir as metas globais de eliminação do vírus, observou Dr. Larry, ressaltando que, entre as pessoas com maior risco de contrair o HIV, a incidência de 4% ao ano se manteve inalterada nos últimos 15 anos.

Existem também os antirretrovirais e os anticorpos monoclonais, ambos de ação prolongada. Mas, considerando o custo e o esforço que demandam, eles também seriam indicados principalmente para pessoas que se consideram de alto risco.

Extraído de: Last of the HIV Vaccine Trials Fails, Scientists Regroup, Medscape

quinta-feira, 4 de janeiro de 2024

1342 - Aparelho de transfusão de sangue tipo Jubé

Seringa para transfusão de sangue, com acessórios em caixa de metal.
Este aparelho de transfusão de sangue tem duas extremidades, o que significa que o doador e o receptor de sangue podiam ser conectados ao mesmo dispositivo. Todo o processo durava trinta minutos.
Foi inventado pelo Dr. Louis Jubé, cujo nome está impresso na tampa da lata. A inscrição se traduz como "Exército Real Italiano". Acredita-se que este objeto tenha sido usado por Sir John Boyd, provavelmente Sir John Smith Knox Boyd (1891–1981), um bacteriologista britânico. Ele fez parte do Royal Army Medical Corps durante a Segunda Guerra Mundial e foi responsável pelos serviços de transfusão de sangue e vacinação no Oriente Médio.
Science Museum Group. Jubé-type blood transfusion apparatus, Paris, France, 1900-1945. A600460Science Museum Group Collection Online. Accessed September 15, 2023. https://collection.sciencemuseumgroup.org.uk/objects/co142951/jube-type-blood-transfusion-apparatus-paris-france-1900-1945-blood-transfusion-apparatus.
Alguns centros médicos da antiga União Soviética utilizaram a transfusão de sangue de cadáveres nas décadas de 20 a 40. É preciso lembrar que na época não existiam bancos de sangue e as transfusões entre vivos eram feitas braço-a-braço com um aparato chamado Jubé.
https://pt.quora.com/Paulo_Cezar

quinta-feira, 28 de dezembro de 2023

1341 - A Cúpula do Éter no Mass General


Réplica do inalador usado por Morton na
1.ª demonstração pública de cirurgia c/ éter
William TG Morton fez história em 16 de outubro de 1846, no anfiteatro cirúrgico do Massachusetts General Hospital, agora conhecido como Ether Dome, quando demonstrou a primeira cirurgia pública usando anestésico (éter).
No outono de 1846, três homens fizeram história dentro do anfiteatro cirúrgico do Edifício Bulfinch do Hospital Geral de Massachusetts. O dentista William TG Morton administrou éter a um paciente chamado Edward G. Abbott, que tinha um tumor na mandíbula. Quando Abbott ficou inconsciente, o cirurgião John Collins Warren, MD, inclinou-se sobre o paciente e começou a remover o tumor.
Para surpresa do público, Abbott não gritou de dor durante o procedimento. Pela primeira vez em público, um médico realizou um procedimento cirúrgico usando éter como anestésico. O evento inaugurou a era da cirurgia sem dor, e o anfiteatro do hospital seria conhecido para sempre como Ether Dome.
Entre 1821 e 1868, mais de 8.000 operações foram realizadas no Ether Dome. Hoje é um anfiteatro didático e um marco histórico. Os visitantes podem explorar a arquitetura única e uma pequena coleção de artefatos, incluindo uma pintura a óleo da famosa primeira cirurgia, uma múmia egípcia e instrumentos cirúrgicos antigos.
Criando a pintura da Cúpula do Éter
O evento foi capturado na época em fotografias e pinturas. Em 2000, os chefes de serviço e médicos do Mass General contrataram os pintores Warren e Lucia Prosperi para criar a pintura Ether Dome. Um presente para o hospital, a pintura imortaliza a cirurgia inovadora na mesma sala onde o drama se desenrolou.
Para garantir um resultado realista, os Prosperis refizeram a cirurgia no Ether Dome, com os médicos do Mass General assumindo os papéis dos participantes originais. Warren Zapol, MD, chefe de Anestesia e Cuidados Intensivos, estrelou como Dr. Morton, enquanto Philip Kistler, MD, diretor da Mass General Stroke Unit, interpretou o Dr. Warren.
Membros do Departamento de Artes Cênicas do Emerson College equiparam os atores com réplicas de relógios de bolso, monóculos, gravatas e sobrecasacas do século XIX. O conjunto ainda apresentava a mesma cadeira estofada de veludo marrom em que Abbott se sentou mais de 150 anos antes.
À medida que as lâmpadas das câmeras piscavam, os Prosperis orientaram os atores a fazerem várias poses e imitarem as expressões faciais de seus antecessores. Alguns médicos que viraram atores interromperam para protestar que a incisão no tumor de plástico e látex do paciente era “muito limpa, muito limpa”. Em resposta, a equipe de maquiagem aplicou obedientemente mais sangue falso.
Desvendando uma pintura que conecta o passado ao futuro
Das dezenas de fotos tiradas, os Prosperis criaram 20 retratos em miniatura. Os artistas referiram-se a essas fotos de perto enquanto pintavam, transformando as características dos modelos modernos nos rostos dos seus homólogos do século XIX. Quase um ano depois, a equipe do hospital apresentou o mural de 3 por 7 pés à comunidade médica durante a celebração anual do Dia do Éter no hospital.
A recriação do espetáculo Ether Dome deixou uma impressão duradoura em pelo menos um chefe de serviço do Mass General. Zapol (ou seja, Dr. Morton) passou o dia usando um bigode colado e costeletas de carneiro que levaram mais de duas horas para os maquiadores aplicarem. Para o Dr. Zapol, qualquer desconforto que sentiu foi um pequeno preço a pagar para se tornar parte da história.
“Fazer isso foi maravilhoso”, disse ele. "[Os Drs. Morton e Warren] estavam refazendo o mundo. Enquanto eu interpretava Morton, fiquei pensando: 'O cara tinha apenas 25 anos, era apenas uma criança quando fez isso. Ele tinha ousadia, era um empresário.' Isso é o que eu estava tentando transmitir."

quinta-feira, 21 de dezembro de 2023

1340 - Lições de salvamento de vidas do Brasil

O que o maior país da América do Sul pode ensinar ao mundo sobre saúde
Sou um grande fã do Brasil há algum tempo. Visitei-o pela primeira vez em 1995, quando a Microsoft estava a desenvolver as nossas operações no país, incluindo o trabalho com um dos bancos nacionais para lançar o home banking. E algumas das minhas viagens favoritas em família foram à Amazónia, cujo rio, bacia e floresta tropical surgem frequentemente durante conversas sobre alterações climáticas. Mas só quando comecei a trabalhar na saúde pública é que comecei a apreciar o quão impressionante é o histórico do país nesta área – e o quanto o resto do mundo poderia aprender com ele.
Em cerca de três décadas, o Brasil reduziu a mortalidade materna em quase 60 por cento, reduziu a mortalidade infantil de menores de cinco anos em 75 por cento – ultrapassando em muito as tendências globais – e aumentou a esperança de vida em quase uma década. Nenhuma dessas conquistas foi acidental. Em vez disso, são o resultado de investimentos de longo prazo, focados no que o Brasil fez em seu sistema de saúde primário, com o qual outros países podem aprender e imitar.
A história começa no final da década de 1980. Duas décadas sob ditadura militar transformaram o Brasil em um dos países menos equitativos do mundo. Em 1985, o país tornou-se uma democracia; alguns anos depois, criou um sistema de saúde universal.
Na década que se seguiu, as mortes por doenças não transmissíveis e por causas maternas, neonatais e nutricionais começaram a diminuir e a esperança de vida aumentou. Com o aumento dos serviços de saúde primários, até as hospitalizações caíram.
Mas uma coisa é garantir cuidados de saúde. Outra coisa é financiá-los – e outra coisa totalmente diferente é garantir que cheguem às pessoas mais necessitadas. Embora o Brasil progredisse, havia muito mais a fazer. Assim, na virada do século, o governo acelerou seus esforços e tomou medidas para colmatar as lacunas no seu sistema de saúde, incluindo um aumento dramático nas despesas com saúde. Um dos passos mais importantes foi expandir massivamente a dimensão e o âmbito do seu programa de agentes comunitários de saúde (ACS).
Os agentes comunitários de saúde são profissionais de saúde pública que trabalham nas comunidades, especialmente em áreas remotas ou mal servidas. Embora as suas funções variem em todo o mundo com base nas necessidades locais, geralmente incluem coisas como monitorização de doenças, campanhas de vacinação e exames de saúde básicos.
No Brasil, os ACS já tinham demonstrado que poderiam melhorar o acesso e os resultados da saúde pública durante um programa piloto no estado do Ceará. À medida que o financiamento federal para os cuidados de saúde primários aumentou, quase cinco vezes em quinze anos, a relação proporcional de ACS triplicou.
Hoje, o Brasil tem mais de 286 mil ACS que atendem quase dois terços da população – quase 160 milhões de pessoas. Cada um visita cerca de 100-150 famílias por mês, oferecendo orientações sobre saúde e higiene, defendendo cuidados preventivos, acompanhando consultas médicas, recolhendo dados socioeconómicos e ajudando as pessoas no acesso a outros serviços governamentais.
No Brasil, os ACS atuam como porta de entrada para o maior sistema de saúde pública universal e gratuito do mundo, e seu impacto tem sido transformador. Eles são creditados por reduzirem ainda mais a mortalidade infantil e por levarem a cobertura vacinal a níveis quase universais. (Infelizmente, a pandemia impactou as taxas de vacinação, mas há esforços em curso para recuperá-las.)
O programa Bolsa Família do país – que fornece transferências monetárias a famílias pobres se estas cumprirem determinadas condições, incluindo vacinação para crianças e cuidados pré-natais – também merece crédito. Expandido em conjunto com os cuidados de saúde primários, o Bolsa Família é apenas um dos muitos programas sociais que o Brasil desenvolveu ao longo das últimas décadas que ajudaram a tirar quase um quinto da população do país da pobreza. Mas também ajudou a ampliar o acesso e a utilização dos cuidados de saúde, dando às pessoas um incentivo para ingressar no sistema de saúde – e foi assim que o Bolsa Família contribuiu para reduções na mortalidade infantil também.
Pude aprender sobre essas iniciativas através da parceria da Fundação Gates com o Ministério da Saúde do Brasil – que tem se concentrado no combate à malária, melhorando a produção de vacinas, aproveitando a capacidade intelectual local para abordar questões de saúde globais e documentar o impacto dos programas sociais e de saúde através das ciências de dados. E fiquei realmente impressionado.
É claro que, apesar de todo o progresso alcançado nas últimas décadas, o Brasil ainda enfrenta desafios. As crises financeiras e os orçamentos de austeridade levaram a cortes nas despesas com a saúde, por exemplo, e ainda existem distritos onde os residentes mais pobres não têm acesso aos ACS.
Mas o sistema de saúde do Brasil não precisa ser perfeito para servir como prova do que acontece quando um país investe estrategicamente no cuidado dos mais vulneráveis: os retornos são muitas vezes de longo alcance e mudam vidas.
É por isso que o Brasil é destaque pelo programa Exemplos em Saúde Global, que ajudei a lançar em 2020. O programa A missão é identificar os países que fizeram progressos notáveis nos problemas de saúde, compreender as chaves do seu sucesso e partilhar esses conhecimentos em nível mundial para que outros possam fazer progressos semelhantes. Por esse padrão, o Brasil tem muito a ensinar.
Isso não quer dizer que qualquer país possa ou deva replicar exatamente a abordagem do Brasil, uma vez que não existem dois países iguais. Mas com a combinação certa de investimento e inovação, o Brasil fez grandes progressos para se tornar um lugar mais saudável para o seu povo. Se o país continuar nesse caminho e continuar fazendo o que já fez bem, e se outros países seguirem – ou simplesmente traçarem seus próprios caminhos com o Brasil em mente – também teremos um mundo mais saudável.
GATES, Bill. Lessons in lifesaving from Brazil, GatesNotes

quinta-feira, 14 de dezembro de 2023

1339 - Medicina baseada em raça

RESUMO
Os grandes modelos de linguagem (Large Language Models - LLMs) estão a ser integrados nos sistemas de saúde; mas estes modelos podem recapitular a medicina prejudicial baseada na raça. O objetivo deste estudo é avaliar se quatro grandes modelos de linguagem (LLMs) disponíveis comercialmente propagam conteúdo prejudicial, impreciso e baseado em raça ao responder a oito cenários diferentes que verificam a existência de medicina baseada em raça ou equívocos generalizados em torno de raça. As perguntas foram derivadas de discussões entre quatro médicos especialistas e de trabalhos anteriores sobre equívocos médicos baseados em raça, acreditados por estagiários de medicina. Avaliamos quatro grandes modelos de linguagem com nove questões diferentes que foram interrogadas cinco vezes cada uma, com um total de 45 respostas por modelo. Todos os modelos tiveram exemplos de perpetuação da medicina baseada na raça em suas respostas. Os modelos nem sempre foram consistentes em suas respostas quando a mesma pergunta foi feita repetidamente. Os LLMs estão sendo propostos para uso no ambiente de saúde, com alguns modelos já conectados a sistemas de registros eletrônicos de saúde. No entanto, este estudo mostra que, com base nas nossas descobertas, estes LLMs podem potencialmente causar danos ao perpetuar ideias racistas e desmascaradas.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2023

1338 - O poder de um espirro

Então, quais seriam as consequências de tentar prender um espirro?
Ao utilizar a palavra "crepitações" (...), subentende-se que o responsável pela locução do vídeo esteja se referindo ao enfisema subcutâneo, no caso relacionado ao ato de segurar o espirro. O enfisema subcutâneo é uma condição clínica que ocorre quando o ar entra nos tecidos sob a pele. Isso pode ocorrer em qualquer parte do corpo, dependendo do tipo de patologia. O local mais comum é sob a pele que cobre a parede torácica ou o pescoço. É caracterizado por um inchaço indolor de tecidos. O sinal clínico clássico é a sensação de crepitação (o ruído de pequenas bolhas que se movimentam sob a pele) quando se apalpa a região afetada. O enfisema subcutâneo é geralmente benigno. Na maioria das vezes, o próprio enfisema não precisa de tratamento (embora as condições a partir das quais ele resulta precisem). No entanto, se a quantidade de ar for grande, isso pode interferir na respiração e na voz, e ser desconfortável. Em casos graves, cateteres podem ser colocados para liberar o ar.
No Blog EM:
Deslocamento de vértebras cervicais por espirros

quinta-feira, 30 de novembro de 2023

1337 - O "câncer turbo": nas profundezas mais sombrias das mídias sociais

David Gorski, em 19/12/2022
Tradução: PGCS
Suspeito que mesmo os antivaxxistas que promovem a "ligação entre vacina e câncer na COVID-19" provavelmente perceberam – ou chegaram a perceber – no fundo do que resta dos seus corações, a total implausibilidade da sua afirmação de que as vacinas contra a COVID-19 são responsáveis por uma onda de câncer. (Pelo menos aqueles com algum conhecimento real da biologia do câncer e da biologia molecular provavelmente o fazem.) É por isso que, como os antivaxxers costumam fazer em resposta à ciência e às evidências, eles têm mudado as metas nos últimos meses, daí a atual afirmação de que as vacinas contra a COVID- 19 causam o que apelidaram de "câncer turbo".
Não consegui determinar quando e por quem o termo "câncer turbo" foi cunhado em relação às vacinas contra a COVID-19. De acordo com o Google, o uso do termo remonta pelo menos ao outono de 2020, onde o encontrei nos comentários de uma postagem sobre a iminente vacina Pfizer, após a qual um comentarista escreveu sarcasticamente, em 30 de novembro de 2020: "Eu mal posso esperar pelo câncer turbo". Sem surpresa, além do Dr. Charles Hoffe, o patologista de Idaho, Dr. Ryan Cole (que também é conhecido por promover a falsa ligação vacina-câncer COVID-19) usa o termo, assim como um patologista sueco chamado Dr. Ute Kruege. Verdade seja dita, embora o termo "câncer turbo" pareça estar borbulhando nas profundezas mais sombrias das mídias sociais da conspiração antivax do COVID-19, desde pelo menos 2020, não comecei a vê-lo muito usado até o início deste ano (2022). E realmente não decolou a ponto de entrar no zeitgeist dominante até o verão e o outono. Devo admitir que, como propaganda, é uma expressão assustadoramente eficaz, e é por isso que me sinto um pouco envergonhado por não ter abordado a afirmação antes.
As formas de evidência utilizadas geralmente consistem em anedotas e na afirmação de que houve um enorme aumento na mortalidade excessiva por câncer desde que as vacinas foram lançadas.
É claro que, sem controles reais, isto nada mais é do que a alegada experiência anedótica de dois patologistas, que afirmam ter encontrado um enorme aumento de câncer em suas práticas e decidiram que a correlação (que não foi demonstrada) deve ser igual à causalidade porque para os antivaxxers tem que ser as vacinas que explicam qualquer aumento de uma doença. Não há boas evidências sequer de uma associação entre as vacinas e o subsequente desenvolvimento ou progressão do câncer.
O caso de um paciente com linfoma angioimunoblástico de células T, cujo câncer começou a crescer rapidamente após receber a vacina Moderna COVID-19, publicada em novembro de 2021 por um grupo de investigadores em Bruxelas, é um ótimo exemplo de confusão entre correlação e causalidade.
É uma doença quase sempre avançada quando é diagnosticada pela primeira vez, seja em estágio III ou IV. Seu prognóstico é geralmente ruim, com "recidiva da doença e infecções" sendo "comuns neste câncer". Aqui está o que aconteceu a seguir:
"Quatorze dias após o PET/CT, foi administrada dose de reforço da vacina de mRNA BNT162b2 no deltoide direito, em preparação para o primeiro ciclo de quimioterapia. Poucos dias após o reforço da vacina, o paciente relatou inchaço perceptível nos gânglios linfáticos cervicais direitos. Para obter uma linha de base próxima ao início da terapia, um segundo PET/CT com 18F-FDG foi realizado 8 dias após a administração do reforço da vacina, ou seja, 22 dias após o primeiro.
Figura. Imagens de projeção de intensidade máxima de 18F-FDG PET/CT no início do estudo (8 de setembro) e 22 dias depois (30 de setembro), 8 dias após a injeção da vacina de mRNA BNT162b2 no deltóide direito. 8 de setembro: linfonodos hipermetabólicos principalmente nas regiões supraclavicular, cervical e axilar esquerda; lesões hipermetabólicas gastrointestinais restritas. 30 de setembro: Aumento dramático nas lesões hipermetabólicas nodais e gastrointestinais. Progressão metabólica assimétrica na região cervical, supraclavicular e axilar, mais pronunciada no lado direito.
Na verdade, é difícil para a credulidade que algo possa causar uma progressão tão rápida em apenas oito dias. A sequência rápida implica, mais do que qualquer outra coisa, que estes diagnósticos foram provavelmente coincidências, como os próprios autores salientarem: "A ligação entre os dois eventos relatados é apenas temporal", acrescentando que "qualquer evento clínico, especialmente quando associado a novas vacinas ou tratamentos, devem ser relatados, pois este é o ponto de partida para investigações adicionais de mecanismos de ação específicos, consolidando assim o conhecimento sobre o perfil de segurança, em benefício dos pacientes". No geral, não há evidências que sugiram a causa de malignidades hematológicas pelas vacinas contra a COVID-19, e as alterações nos gânglios linfáticos observadas são geralmente benignas.
Não é de surpreender que o “câncer turbo” não seja uma coisa. Os oncologistas não o reconhecem como um fenômeno, nem os biólogos do câncer, e se você pesquisar no PubMed, não encontrará referência a ele (19/12/2022). Basicamente, é um termo inteligente cunhado por antivaxxers para assustá-lo e fazê-lo pensar que as vacinas COVID-19 lhe causarão câncer, ou pelo menos aumentarão muito o risco de desenvolver câncer. A "evidência" reunida para apoiar o conceito consiste nas técnicas usuais de desinformação usadas pelos antivaxxers: citar anedotas, especulações selvagens sobre mecanismos biológicos sem uma base firme na biologia e confundir correlação com causalidade, não importa o quanto seja necessário apertar os olhos para ver isso.
Infelizmente, "câncer turbo" também é um termo muito assustador e conciso para desaparecer tão cedo.
Extraído de: Do Covid-19 vaccines cause "turbo cancer"? In: Sicence-Based Medicine

domingo, 26 de novembro de 2023

1336 - As vacinas contra a COVID-19 causam "câncer turbo"?

David Gorski, em 19/12/2022
Tradução: PGCS
Um dos mais antigos tropos antivacinas, que me lembro de ter encontrado logo depois de começar a prestar atenção ao movimento antivacina, é que as vacinas de alguma forma causam câncer. Como escrevi há dez anos, a versão original desta afirmação derivou da observação de que um primeiro lote da vacina contra a poliomielite da década de 1950, particularmente a vacina oral de Albert Sabin, estava contaminado com SV40, o que levou a uma "epidemia de câncer" nas próximas décadas. (SV40 é um vírus de macaco conhecido como SV40, que significa "Simian Vacuolating Virus 40" e descobriu-se que contaminou algumas das células nas quais o vírus foi cultivado, especificamente células renais derivadas de macacos rhesus asiáticos.) Os detalhes não são importantes para os propósitos do que estou prestes a discutir - e já escrevi em profundidade sobre o que aconteceu e por que esta afirmação, embora plausível porque o SV40 foi um dos primeiros vírus oncogênicos já descobertos, acabou por não ter quaisquer evidências para dar suporte a uma relação causal. (Oncogenes são genes que causam câncer em animais experimentais e, em alguns casos, em humanos.)
Não é de surpreender que não tenha demorado muito para que os antivaxxers tentassem associar também as vacinas contra a COVID-19 ao câncer, com tentativas iniciadas mesmo antes de a FDA conceder uma autorização de utilização de emergência (EUA) para a vacina Pfizer, há dois anos. Primeiro, eles alegaram falsamente que as vacinas de mRNA "alteram permanentemente o seu DNA", embora a biologia molecular básica devesse ter dito a eles que o mRNA da vacina não pode ser integrado ao seu genoma e que as vacinas de mRNA eram "terapia genética, não vacinas", completando  a alegação com uma teoria da conspiração sobre o CDC ter supostamente alterado a definição de vacina para incluí-las. Em seguida, veio a deturpação de estudos antigos para afirmar que o mRNA causa câncer. Mais recentemente, o advogado antivax de longa data, Thomas Renz, obteve acesso ao Defense Medical Epidemiology Database (DMED), um banco de dados que rastreia a saúde do pessoal militar, e o usou para fazer afirmações que são, na melhor das hipóteses, errôneas e, na pior, intencionalmente enganosas, especificamente que as vacinas contra a COVID-19 resultaram numa epidemia de câncer no pessoal militar, incluindo um aumento de quase 900% no câncer do esôfago e um aumento de quase 500% nos cânceres de mama e de tiróide. Como expliquei na época, as afirmações eram aparentemente incríveis apenas do ponto de vista da plausibilidade científica, visto que sabemos, pelos bombardeios nucleares em Hiroshima e Nagasaki, que os cânceres são causados ​​pelo carcinógeno mais poderoso de todos, grandes doses de radiação ionizante, levam pelo menos dois anos para começar a aparecer (leucemias), enquanto a maioria dos cânceres sólidos só aparece por cerca de 10 anos. Dado que as vacinas só foram introduzidas na população em geral há dois anos, mesmo que as vacinas fossem um agente cancerígeno tão poderoso como uma dose de radiação ionizante resultante da exposição a uma bomba nuclear, só agora poderíamos estar a começar a ter um vislumbre de um sinal de câncer para leucemias e, mesmo assim, a maioria das pessoas só recebeu a vacina meses ou até um ano depois, o que seria há pouco tempo.
Extraído de: Do Covid-19 vaccines cause "turbo cancer"? In: Sicence-Based Medicine

quinta-feira, 23 de novembro de 2023

1335 - A doença mão-pé-boca

A doença mão-pé-boca é uma enfermidade contagiosa, causada por um vírus e é sazonal. Ela é mais frequente em crianças de até cinco anos, cuja transmissão ocorre por meio de secreções de vias aéreas, gotículas de saliva, via fecal-oral e pelo contato com lesões.
Para evitar a doença é necessário medidas básicas de higiene como lavar bem as mãos e evitar aglomerações. Também é necessário não compartilhar objetos e higienizar os itens de uso pessoal e do ambiente com solução de álcool etílico 70% ou solução clorada. A secretaria orienta que os pais mantenham as crianças doentes em casa, evitando que ela frequente a creche por cerca de sete dias ou até que as lesões de pele tenham desaparecido.
Não há tratamento para a doença. O uso de analgésicos, antitérmicos e hidratação pode auxiliar na recuperação. Segundo a secretaria, a recuperação poder durar entre sete e dez dias.
O vírus que provoca a doença habita o sistema digestivo e pode provocar estomatites, uma espécie de afta. Os sintomas estão associados a febre alta nos primeiros dias e, depois, pequenas bolhas nas mãos e nas plantas dos pés, além de manchas vermelhas na boca, amídalas e faringe. Outros sintomas são: vômitos e diarreia, além de dificuldade para engolir e muita salivação.
"“Geralmente, como ocorre em outras infecções por vírus, a doença regride espontaneamente após alguns dias. Não existe vacina contra esta doença, portanto na maior parte dos casos tratam-se apenas os sintomas", explicou por meio de nota Helmar Abreu Rocha Verlangieri, infectologista infantil do Hospital Darcy Vargas.

quinta-feira, 16 de novembro de 2023

1334 - Uma versão moderna do mapa de John Snow

Re: http://airblog-pg.blogspot.com/2018/12/1076-john-snow-pioneiro-da-epidemiologia.html
Por volta de 1854, Londres foi o epicentro de uma devastadora epidemia de cólera. Naquela época, um médico chamado John Snow decidiu investigar a verdadeira causa da rápida propagação da doença. Ao contrário de muitos de seus contemporâneos, Snow não estava convencido de que as ideias gerais da época, as dos miasmas e do "ar corrompido", fossem as culpadas.
Snow considerou um método mais científico e analítico para entender o que estava acontecendo. Ele começou a anotar – ou, como diríamos hoje, georreferenciar – cada caso de cólera em um mapa da área afetada, técnica pouco comum na época. Este mapa tornou-se uma ferramenta crucial para ajudá-lo a visualizar a ligação entre os casos de cólera e a sua verdadeira origem.
À medida que o mapa foi tomando forma, tornou-se evidente que a maioria dos casos estava concentrada em torno de uma determinada bomba de água na Broad Street. Essa constatação foi fundamental, pois apontou que a doença era transmitida pela água contaminada, e não pelo ar. O mapa de Snow foi uma evidência tangível que ajudou a mudar a percepção geral da transmissão de doenças.
O mapa do vídeo, recriado por Sarah Bell com After Effects, é igual ao de Snow e usa o mesmo mapa da cidade, mas animado, contando as mortes diárias.
John Snow não só ajudou a compreender e controlar o surto de cólera da época, mas também inaugurou a epidemiologia moderna. A sua abordagem prática e a utilização engenhosa dos dados demonstraram que, com uma observação cuidadosa e a ferramenta de análise crítica, foi possível compreender e controlar melhor as doenças transmissíveis.
Snow não tinha um PC ou After Effects para criar um mapa tão visualmente atraente e fácil de entender quanto o do vídeo. Mas a sua versão original em papel, com dados meticulosamente anotados, salvou inúmeras vidas e tem continuado a fazê-lo desde então.

quinta-feira, 9 de novembro de 2023

1333 - Vacinas contra a Covid-19

Há dez vacinas contra a COVID-19 aprovadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), para as quais foram emitidas recomendações de uso e que são produzidas pelos seguintes fabricantes: Pfizer/BioNTech, AstraZeneca/Oxford, Janssen, Moderna, Sinopharm, Sinovac, Bharat, Novavax, Casino e Valneva. A OMS continua a avaliar outras vacinas em testes clínicos e pré-clínicos. Além disso, a autoridade regulatória nacional (ARN) de alguns países autorizou o uso de outras vacinas contra a COVID-19 em seu território.
Como uma vacina é autorizada para uso?
1. Por meio da Lista de Uso Emergencial (EUL) da OMS: o procedimento EUL da OMS é um procedimento baseado em risco para avaliar e listar vacinas, terapias e diagnósticos in vitro não licenciados com o objetivo de acelerar a disponibilidade desses produtos para as pessoas afetadas por uma emergência de saúde pública. Ele também permite que os países acelerem sua própria aprovação regulatória para importar e administrar vacinas contra a COVID-19. Após uma avaliação rigorosa dos dados clínicos fornecidos pelos fabricantes de vacinas, o processo EUL decide se a OMS emitirá uma recomendação para o uso de uma vacina específica contra a COVID-19 em todos os países do mundo. Se houver dúvidas sobre sua segurança ou eficácia, a vacina não receberá uma recomendação.
2. Por uma autoridade reguladora nacional (ARN): os fabricantes de vacinas contra a COVID-19 fornecem informações sobre os resultados dos ensaios clínicos para demonstrar a eficácia dessas vacinas na prevenção da doença. As agências reguladoras nacionais analisam esses dados e emitem uma licença para que a vacina seja usada em seu território. Sem essa autorização nacional, a vacina não pode ser usada no país. A eficácia e a segurança das vacinas continuam a ser monitoradas de perto mesmo após sua introdução em um país.
Para obter mais informações, acesse: https://www.paho.org/pt/vacinas-contra-covid-19/perguntas-frequentes-vacinas-contra-covid-19
O conteúdo é atualizado à medida que mais informações são disponibilizadas.
  • Perguntas gerais
  • Desenvolvimento de vacinas
  • Segurança da vacina
  • Quem pode ser vacinado?
  • Após a vacinação
  • Mitos e fatos

quinta-feira, 2 de novembro de 2023

1332 - Tecnologia assistiva do mundo da visão

Doron Sadka, CEO de "Mais Autonomia", explica como funciona o dispositivo OrCam MyEye.
É o dispositivo israelense de tecnologia assistiva mais avançado do mundo de visão. Ele auxilia as pessoas cegas ou com visão parcial na leitura de textos e na identificação de rostos, relógios, cédulas e muito mais, transmitindo informações visuais na forma auditiva, em tempo real e offline.

InDICAção do VÍDEO: oftalmologista Nelson Cunha

quinta-feira, 26 de outubro de 2023

1331 - O novo normal em temperatura corporal

Como chegamos a 37,0°C para a temperatura corporal normal? Conseguimos isso com o médico alemão Carl Reinhold August Wunderlich.
Em 1851, Wunderlich divulgou suas medições de mais de 1 milhão de temperaturas corporais obtidas de 25 mil alemães – um processo meticuloso na época, que empregava um termômetro de 30 centímetros de comprimento e levava 20 minutos para obter uma medição.
A temperatura média medida, claro, foi de 37° C.
Já estamos há mais de 150 anos após Wunderlich e a pessoa média nos Estados Unidos pode ser um pouco diferente do alemão médio de 1850. Além disso, podemos fazer muito melhor do que apenas medir uma tonelada de pessoas e calculando a média, porque temos estatísticas. O problema de medir um monte de gente e considerar a temperatura média como normal é que você não pode ter certeza de que as pessoas que você está medindo são normais. Existem causas óbvias de temperatura elevada que você pode excluir. Não vamos levar em consideração pessoas com infecção respiratória ou que estejam tomando Tylenol, por exemplo. Mas, conforme destacado neste artigo no JAMA Internal Medicine, podemos fazer muito melhor do que isso.
O estudo aproveita o fato de que a temperatura corporal é normalmente medida durante todas as consultas médicas e registrada no sempre presente prontuário eletrônico.
Pesquisadores de Stanford identificaram 724.199 consultas de pacientes com dados de temperatura ambulatorial. Eles excluíram temperaturas extremas — menores que 34° C ou maiores que 40° C —, excluíram pacientes com menos de 20 ou mais de 80 anos e excluíram aqueles com extremos de altura, peso ou IMC.
Você acaba com uma distribuição como esta. Observe que o pico é claramente inferior a 37° C.
Mas ainda não estamos no “normal”. Algumas pessoas consultariam o médico para problemas que afetam a temperatura corporal, como infecções. Você poderia usar códigos de diagnóstico para sinalizar esses indivíduos e descartá-los, mas isso parece um pouco arbitrário.
Então, qual é a temperatura normal real?
É 36,64° C, ou cerca de 98,0° F.
É claro que a temperatura normal variou dependendo da hora do dia em que foi medida – mais alta à tarde.
A temperatura normal nas mulheres tende a ser mais elevada do que nos homens. A temperatura normal também diminuiu com a idade.
Na verdade, os pesquisadores criaram uma bela calculadora on-line onde você pode inserir seus próprios parâmetros ou os do paciente e calcular a temperatura corporal normal para eles.
Então, todos nós temos mais sangue frio do que pensávamos. Isso se deve apenas a métodos melhores? Talvez. Mas estudos demonstraram que a temperatura corporal pode diminuir ao longo do tempo nos seres humanos , possivelmente devido aos níveis mais baixos de inflamação que enfrentamos na vida moderna (graças a melhorias na higiene e nos antibióticos).